Fizz

Sábado - - SUMÁRIO -

Or­lan­do Fi­guei­ra re­ve­la em en­tre­vis­ta que não re­gres­sa­rá à ma­gis­tra­tu­ra

Que ba­lan­ço faz do jul­ga­men­to da Operação Fizz?

En­ten­do que foi um jul­ga­men­to que te­ve du­as ca­rac­te­rís­ti­cas es­sen­ci­ais: ape­sar de es­tar pre­vis­ta na lei a pre­sun­ção de ino­cên­cia dos ar­gui­dos, fa­ce à publicidade dos factos acu­sa­tó­ri­os e an­tes de ter si­do fei­ta qual­quer de­fe­sa, exis­tiu uma in­ver­são da­que­la pre­sun­ção, pois fui vis­to co­mo cul­pa­do. Mas tam­bém te­nho a cer­te­za de que fi­cou de­mons­tra­do em tri­bu­nal a ino­cên­cia de to­dos os ar­gui­dos. E que o engº Ma­nu­el Vi­cen­te, pes­soa que nun­ca co­nhe­ci nem co­nhe­ço, nun­ca es­te­ve en­vol­vi­do em na­da re­la­ci­o­na­do com o pro­ces­so, tu­do ao in­vés do que o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pre­ten­deu fa­zer crer.

Que im­pac­to te­ve es­te ca­so na sua vi­da pes­so­al e pro­fis­si­o­nal?

Em ter­mos pes­so­ais, tem si­do ex­tre­ma­men­te do­lo­ro­so pa­ra mim e pa­ra a mi­nha fa­mí­lia li­dar com to­da es­ta si­tu­a­ção. Mas es­for­ço-me por ver co­mo po­si­ti­vo o meu cres­ci­men­to es­pi­ri­tu­al, o ter co­nhe­ci­do re­a­li­da­des que nun­ca es­pe­rei co­nhe­cer e es­tou a re­fe­rir-me, em con­cre­to, ao am­bi­en­te pri­si­o­nal, sen­do ho­je e, por is­so, um ho­mem mais ri­co em ter­mos hu­ma­nos. E por tam­bém ter vis­to os ver­da­dei­ros ami­gos e a fal­si­da­de que me ro­de­a­va (quan­do se tem po­der e di­nhei­ro, não faltam os di­tos ami­gos). Em ter­mos pro­fis­si­o­nais, is­to des­truiu com­ple­ta­men­te o que cons­truí, com mui­ta de­di­ca­ção e sa­cri­fí­cio, du­ran­te 30 anos de tra­ba­lho sé­rio e ima­cu­la­do re­me­ten­do-me pa­ra uma si­tu­a­ção de to­tal in­di­gên­cia. Ape­sar de sen­tir que ain­da te­nho mui­to de útil pa­ra dar, há cer­ca de três anos que te­nho a vi­da sus­pen­sa.

Quan­to di­nhei­ro ou bens tem apre­en­di­dos?

To­das as quan­ti­as de­po­si­ta­das ou em tí­tu­los es­tão

As ale­ga­ções fi­nais do jul­ga­men­to da Operação Fizz são sex­ta-fei­ra, dia 30. Em en­tre­vis­ta es­cri­ta, Or­lan­do Fi­guei­ra, acu­sa­do de cor­rup­ção, diz que vi­ve co­mo um in­di­gen­te. Por António Jo­sé Vi­le­la

apre­en­di­das. E te­nho uma casa de ha­bi­ta­ção, com­pra­da em 1998, tam­bém ela apre­en­di­da. E pos­so di­zer que o va­lor das mi­nhas pou­pan­ças apre­en­di­do é in­su­fi­ci­en­te pa­ra pa­gar quer as hi­po­te­cas des­ta mi­nha casa quer o em­prés­ti­mo pes­so­al que con­traí pa­ra sa­tis­fa­ção de ne­ces­si­da­des pes­so­ais.

Co­mo é que pa­ga as su­as des­pe­sas?

Da­da a si­tu­a­ção de to­tal in­di­gên­cia em que me en­con­tro, te­nho vi­vi­do com o apoio da fa­mí­lia. Des­de Fe­ve­rei­ro do pre­sen­te ano, con­se­gui com a mi­nha ac­tu­al ad­vo­ga­da, drª Car­la Ma­ri­nho, que o tri­bu­nal des­blo­que­as­se uma ver­ba men­sal a tí­tu­lo de ali­men­tos, mas que é ma­ni­fes­ta­men­te in­su­fi­ci­en­te pa­ra acu­dir aos en­car­gos men­sais que te­nho. As­sim, só com a aju­da da fa­mí­lia e com mui­tas pri­va­ções é que te­nho con­se­gui­do hon­rar es­ses en­car­gos.

Du­ran­te o jul­ga­men­to dis­se aos jornalistas que iria re­gres­sar ao MP. Man­tém es­sa in­ten­ção?

Sou ma­gis­tra­do, con­ti­nuo a sen­tir-me ma­gis­tra­do, es­tou ino­cen­te e, co­mo tal, sin­to-me em con­di­ções ple­nas de, em cons­ci­ên­cia, po­der re­gres­sar à ma­gis­tra­tu­ra. Con­tu­do, de­pois de ter re­flec­ti­do e ama­du­re­ci­do es­ta ideia, e ape­sar de ser ino­cen­te, sou for­ça­do a re­co­nhe­cer que a me­ra exis­tên­cia des­te pro­ces­so, mes­mo ter­mi­nan­do com uma ab­sol­vi­ção, co­mo es­tou cren­te e es­pe­ro que acon­te­ça, po­de­ria lan­çar dú­vi­das, mí­ni­mas que fos­sem, so­bre a mi­nha ido­nei­da­de e hom­bri­da­de en­quan­to ma­gis­tra­do e ad­mi­nis­tra­dor da Jus­ti­ça. E is­so não po­de­rá, não de­ve­rá acon­te­cer. Por is­so, e pa­ra sal­va­guar­dar a ima­gem da Jus­ti­ça, de­ci­di não re­gres­sar à ma­gis­tra­tu­ra.

O que é que vai fa­zer em ter­mos pro­fis­si­o­nais?

Te­nho a pos­si­bi­li­da­de de exer­cer ad­vo­ca­cia, con­sul­to­ria e de de­sen­vol­ver tra­ba­lho vo­lun­tá­rio na área dos re­clu­sos e da sua rein­ser­ção so­ci­al, pois es­ta trá­gi­ca ex­pe­ri­ên­cia mos­trou-me o uso e abu­so do ser hu­ma­no após ser re­me­ti­do pa­ra uma pri­são on­de fi­ca re­du­zi­do a na­da, sem apoio ou acom­pa­nha­men­to e sem ne­nhu­ma pers­pec­ti­va de fu­tu­ro e da sua res­so­ci­a­li­za­ção, que ape­nas exis­te no no­me.

Vai pro­ces­sar al­guém?

Hou­ve pes­so­as com quem in­fe­liz­men­te li­dei e que me en­ga­na­ram, co­mo sem­pre o dis­se em jul­ga­men­to. O prin­ci­pal cau­sa­dor da mi­nha ac­tu­al si­tu­a­ção foi o dr. Carlos Jo­sé da Sil­va, pre­si­den­te do Ban­co Pri­va­do Atlân­ti­co, da Eu­ro­pa e de An­go­la, que ca­so ti­ves­se con­ta­do ape­nas a ver­da­de, te­ria co­lo­ca­do um pon­to fi­nal nes­te pro­ces­so. Es­tou a pen­sar, opor­tu­na­men­te, pro­ce­der ju­di­ci­al­men­te – ci­vil e cri­mi­nal­men­te – con­tra o dr. Carlos Jo­sé da Sil­va e res­pon­sa­bi­li­zá-lo pe­los gra­vís­si­mos da­nos que me pro­vo­cou. E pa­ra que as pes­so­as sai­bam quem é es­ta per­so­na­gem que es­tá no epi­cen­tro de to­do es­te pro­ces­so e que, com ba­se nu­ma exem­plar ido­nei­da­de, tem uma li­cen­ça ban­cá­ria nes­te País. E tam­bém ao dr. Da­ni­el Pro­en­ça de Car­va­lho, seu ad­vo­ga­do, que me le­vou a as­su­mir um acor­do de ca­va­lhei­ros que nun­ca foi cum­pri­do, e as­sim me ar­ras­ta­ram pa­ra a pri­são e pa­ra uma si­tu­a­ção de des­trui­ção pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. Aliás, as li­ga­ções de que ago­ra ti­ve co­nhe­ci­men­to e a for­ma de ac­tu­a­ção do dr. Da­ni­el Pro­en­ça de Car­va­lho (sem­pre om­ni­pre­sen­te mas sem­pre in­vi­sí­vel), fa­zem-me lem­brar o que es­cre­veu Ma­nu­e­la Mou­ra Gu­e­des no se­ma­ná­rio Sol (17/11/2017) so­bre o mes­mo: é o novo DDT (Do­no Dis­to Tu­do).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.