En­tre­vis­ta

Co­la­bo­ra­dor do mai­or jor­nal is­ra­e­li­ta, o Ye­di­oth Ah­ro­noth , e do The New York Ti­mes, pa­ra es­cre­ver o seu oi­ta­vo li­vro in­ves­ti­gou a história da Mos­sad. O re­sul­ta­do foi Er­gue-tee Ma­ta Pri­mei­ro, A História Se­cre­ta dos As­sas­sí­ni­os Se­lec­ti­vos de Is­ra­el, edi­tad

Sábado - - SUMÁRIO - Por Cá­tia An­drea Cos­ta

O jor­na­lis­ta is­ra­e­li­ta Ro­nen Berg­man fa­la so­bre a “efi­ci­en­te e le­tal” Mos­sad

Foi con­tac­ta­do pe­la Ran­dom Hou­se em 2010 pa­ra es­cre­ver um novo li­vro so­bre os ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia de Is­ra­el, a “efi­ci­en­te e le­tal” Mos­sad. O pra­zo de en­tre­ga ter­mi­na­va em 2012, mas só ao fim de seis anos foi pu­bli­ca­do. A SÁ­BA­DO fa­lou com Ro­nen Berg­man, de 46 anos, por te­le­fo­ne, nu­ma en­tre­vis­ta com al­guns per­cal­ços: o tra­ba­lho do jor­na­lis­ta em Is­ra­el le­vou a que fos­se di­vi­di­da por dois mo­men­tos, se­pa­ra­dos por mais de uma se­ma­na.

De­mo­rou cer­ca de oi­to anos a es­cre­ver o li­vro… “Não há um úni­co even­to, nos úl­ti­mos 70 anos, que não te­nha ti­do au­to­ri­za­ção da Mos­sad”

Não que­ro que pen­sem que so­fri, foi mui­to agra­dá­vel. Hou­ve al­gu­mas de­ci­sões que cau­sa­ram es­te hor­rí­vel atra­so. A prin­ci­pal foi ter ig­no­ra­do qua­se tu­do o que já ti­nha si­do es­cri­to so­bre o te­ma. A in­ten­ção era co­lo­car tu­do num con­tex­to his­tó­ri­co e po­lí­ti­co. Quan­do fa­zes as per­gun­tas cer­tas às pes­so­as cer­tas con­se­gues as res­pos­tas cer­tas. En­tre­vis­tei cer­ca de mil pes­so­as, só fon­tes cre­dí­veis, cor­ro­bo­rei to­das as histórias.

Co­mo che­gou a es­sas fon­tes?

Abor­dei gran­de par­te dos en­tre­vis­ta­dos na al­tu­ra cer­ta, era a úl­ti­ma chan­ce pa­ra con­ta­rem a ver­da­de dos de­vi­do à ida­de. Al­gu­mas des­sas fon­tes guar­da­ram do­cu­men­tos se­cre­tos, que se “es­que­ce­ram” de de­vol­ver. Fui mui­to afor­tu­na­do por acei­ta­rem par­ti­lhá-los co­mi­go. De­mo­rei cin­co anos a con­ven­cer o an­ti­go che­fe das ope­ra­ções es­pe­ci­ais da Mos­sad, Mi­ke Ha­ra­ri, por exem­plo.

Fi­cou sur­pre­en­di­do com o que reu­niu?

Há cer­ca de três anos, per­ce­bi que ti­nha um con­jun­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de ma­te­ri­al novo e fi­quei mui­to fe­liz. Por exem­plo, des­co­bri que Ari­el Sha­ron [en­tão mi­nis­tro da De­fe­sa] man­dou o exér­ci­to aba­ter um avião de pas­sa­gei­ros no qual se pen­sou que ia o lí­der da Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Li­ber­ta­ção da Pa­les­ti­na, Yas­ser Ara­fat. A for­ça aé­rea não cum­priu a or­dem.

Por­que acha que a Mos­sad nun­ca ma­tou Ara­fat?

Hou­ve de­ze­nas de ten­ta­ti­vas fa­lha­das, fos­se por­que Ara­fat era mui­to es­per­to ou mui­to sor­tu­do. Além dis­so, a Mos­sad con­cluiu – e con­ven­ceu o pri­mei­ro-mi­nis­tro – que Ara­fat se tor­na­ra uma fi­gu­ra po­lí­ti­ca e não de­via ser as­sas­si­na­do.

Sen­tiu pres­são go­ver­na­men­tal an­tes ou de­pois de lan­çar o li­vro?

Bem... pre­fi­ro não res­pon­der. O li­vro es­tá na rua e re­ce­bi vá­ri­os co­men­tá­ri­os bons.

Is­ra­el se­ria o que é ho­je sem a Mos­sad?

Não há um úni­co even­to, nem uma úni­ca de­ci­são, nos úl­ti­mos 70 anos, que não te­nha ti­do au­to­ri­za­ção e par­ti­ci­pa­ção da in­te­li­gên­cia is­ra­e­li­ta. Pa­ra o bem e pa­ra o mal. Não é pos­sí­vel en­ten­der a história do Mé­dio Ori­en­te sem en­ten­der es­te da­do.

Os mem­bros da Mos­sad são he­róis na­ci­o­nais?

São vis­tos co­mo os pro­tec­to­res do Es­ta­do, os guar­diões do mun­do. Não há pro­fis­são, es­tru­tu­ra go­ver­na­men­tal ou agên­cia que te­nha mais po­pu­la­ri­da­de.

O li­vro mu­dou o pen­sa­men­to dos is­ra­e­li­tas so­bre os ser­vi­ços se­cre­tos?

Es­pe­ro que sur­jam ques­tões so­bre os pre­ços mo­ral e po­lí­ti­co que o país pa­gou por avan­çar com me­di­das co­mo os as­sas­si­na­tos es­tra­té­gi­cos.

O pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ben­ja­min Ne­tanyahu, e a Mos­sad têm uma boa re­la­ção?

Is­ra­el é uma de­mo­cra­cia, lo­go, Nethanyahu é o che­fe da Mos­sad e não exis­te um de­sa­fio à sua au­to­ri­da­fac­tos

de, só di­ver­gên­ci­as pon­tu­ais. O ac­tu­al che­fe, Yos­si Cohen, é mui­to pró­xi­mo do Go­ver­no.

A Operação Ei­ch­mann, em 1960, é a mais im­por­tan­te da agên­cia?

Não, não. Foi uma operação sim­bó­li­ca: Ei­ch­mann, um dos prin­ci­pais ros­tos do Ho­lo­caus­to, era ape­nas um ho­mem em fu­ga. Tam­bém aju­dou a mos­trar ao mun­do o po­der da Mos­sad – foi a pri­mei­ra operação que se tor­nou pú­bli­ca.

As­sim sen­do, qual foi a operação mais es­pec­ta­cu­lar?

Tal­vez a que per­mi­tiu matar, em 2008, o co­man­dan­te militar do Hez­bol­lah, Imad Mugh­niyeh. Foi uma das mais com­ple­xas ope­ra­ções da Mos­sad, bri­lhan­te e dra­ma­ti­ca­men­te con­cre­ti­za­da. Era o inimigo que mais da­nos cau­sa­ra a Is­ra­el e du­ran­te qua­se 30 anos os ser­vi­ços de es­pi­o­na­gem e de­fe­sa ten­ta­ram ma­tá-lo.

Diz que os ser­vi­ços se­cre­tos pre­fe­ri­ram “dei­xar es­ca­par” Jo­sef Men­ge­le, mé­di­co das SS de Hitler. Porquê?

A Mos­sad pô­de cap­tu­rá-lo du­as ve­zes, em 1962 e 1968, e dei­xou-o ir por­que pre­fe­riu usar os seus re­cur­sos li­mi­ta­dos em ame­a­ças re­ais e não a “cap­tu­rar fan­tas­mas do pas­sa­do”.

Re­cru­tar Ot­to Skor­zeny, o na­zi que era o “ho­mem mais pe­ri­go­so da Eu­ro­pa”, pro­va que não há im­pos­sí­veis pa­ra a Mos­sad?

A agên­cia con­se­guiu re­cru­tar Skor­zeny de­vi­do ao seu pres­tí­gio. A Mos­sad tor­nou a ca­pa­ci­da­de de re­cru­tar agen­tes, mes­mo ini­mi­gos, uma ar­te.

Mas era um pas­so ar­ris­ca­do…

O mais im­por­tan­te foi a ca­pa­ci­da­de da Mos­sad de de­ci­dir que o qu­e­ria re­cru­tar, que os de­sa­fi­os eram mais im­por­tan­tes que o pas­sa­do. Não sei quan­tos paí­ses se­ri­am ca­pa­zes de pen­sar as­sim “fo­ra da caixa”.

Exis­tem vá­ri­os mi­tos so­bre a Mos­sad. Quais os mais cu­ri­o­sos?

Há vá­ri­os mi­tos so­bre a cap­tu­ra de na­zis e Is­ra­el apa­nhou ape­nas dois. A eli­mi­na­ção de to­dos os res­pon­sá­veis pe­lo ata­que aos atle­tas olím-

pi­cos em Mu­ni­que, em 1972, tam­bém não é ver­da­de. O li­vro li­da ape­nas com factos e sei que al­guns de­les de­sa­pon­tam as pes­so­as.

Qual foi o fa­lhan­ço mais im­por­tan­te da agên­cia?

De­ve­mos fa­lar em de­ci­sões es­tra­té­gi­cas. O fa­lhan­ço tác­ti­co mais im­por­tan­te foi a cap­tu­ra de Eli Cohen, es­pião is­ra­e­li­ta em Da­mas­co, em 1965 [n.d.r.: de­pois de a Sí­ria des­co­brir o seu tra­ba­lho de con­tra-es­pi­o­na­gem]. Mas tam­bém há o as­sas­si­na­to por en­ga­no de um em­pre­ga­do de mesa cha­ma­do Ah­med Bou­chi­ki em Lil­leham­mer, na No­ru­e­ga, em 1973 [ndr: con­fun­di­do com Ali Has­san Sa­la­meh, do gru­po ter­ro­ris­ta Ou­tu­bro Ver­me­lho]. Ou a ten­ta­ti­va de matar o lí­der do Ha­mas Kha­led Mesha­al em 1997, na Jor­dâ­nia. E o as­sas­si­na­to de Mah­moud Ab­del Rauf al-Mabhouh (Ha­mas), no Du­bai, em 2010.

Es­ta úl­ti­ma operação é das mais po­lé­mi­cas. O que cor­reu mal?

Sen­ti­ram-se tão su­pe­ri­o­res à po­lí­cia que ne­gli­gen­ci­a­ram prin­cí­pi­os bá­si­cos. Usar os mes­mos pas­sa­por­tes, nas ope­ra­ções de vi­gi­lân­cia e no mo­men­to fi­nal, foi o er­ro que de­sen­ca­de­ou to­dos os ou­tros.

En­tre­vis­tou pes­so­as co­mo Ro­bert Ha­tem, li­ba­nês que diz ter or­de­na­do a mor­te de cer­ca de três mil pes­so­as. Foi di­fí­cil?

A pri­mei­ra coi­sa que fiz, de­pois da en­tre­vis­ta, foi to­mar ba­nho. Não con­si­go ex­pli­car quão do­en­te me sen­ti. Mas é pre­ci­so fa­lar com es­tas pes­so­as, ape­sar de qual­quer jul­ga­men­to mo­ral.

Co­mo é que a Mos­sad se tor­nou tão fa­mo­sa?

A fa­ma ad­vém de se ter man­ti­do se­cre­ta, pe­lo me­nos, até à pu­bli­ca­ção des­te li­vro. [Ri­sos] Is­ra­el, ao con­trá­rio da mai­or par­te dos paí­ses oci­den­tais, não he­si­ta em ter ati­tu­des pró-ac­ti­vas e agres­si­vas con­tra os ini­mi­gos. A Mos­sad não só re­co­lhe in­for­ma­ção, co­mo en­tra em ac­ção. De­pois, as pou­cas mis­sões que se tor­na­ram pú­bli­cas cri­a­ram a ideia de uma agên­cia efi­ci­en­te e le­tal, tu­do com o ob­jec­ti­vo de de­fen­der o país.

Porquê o tí­tu­lo Er­gue-te e Ma­ta Pri­mei­ro?

Du­ran­te as en­tre­vis­tas, mui­ta gen­te ci­tou o Tal­mu­de da Ba­bi­ló­nia que diz “se al­guém apa­re­cer pa­ra te matar, le­van­ta-te e ma­ta-o pri­mei­ro”. Ou se­ja, se es­tás sob ame­a­ça de­ves re­a­gir. É uma com­bi­na­ção en­tre as lem­bran­ças do Ho­lo­caus­to e as ame­a­ças que Is­ra­el en­fren­ta des­de que nas­ceu, em 1948.

Os as­sas­si­na­tos se­lec­ti­vos fun­ci­o­nam?

En­tre 2001 e 2004, o Ha­mas e a jihad lan­ça­ram uma cam­pa­nha de bom­bis­tas-sui­ci­das em Is­ra­el. A úni­ca ma­nei­ra de pa­rar es­tes ele­men­tos foi le­var a cabo a mai­or operação de as­sas­si­na­tos se­lec­ti­vos de sem­pre. Quan­do Is­ra­el co­me­çou a matar os man­dan­tes, es­tes pas­sa­ram a pen­sar du­as ve­zes. É uma pro­va con­cre­ta de co­mo os as­sas­si­na­tos se­lec­ti­vos po­dem, nal­guns ca­sos, mu­dar a história e sal­va­ram Is­ra­el de en­trar em guer­ra con­tra a Au­to­ri­da­de Pa­les­ti­ni­a­na.

Quais são os pró­xi­mos de­sa­fi­os da in­te­li­gên­cia de Is­ra­el?

Um de­les é a si­tu­a­ção na Sí­ria, a ali­an­ça militar ali es­ta­be­le­ci­da, ten­tan­do cri­ar uma no­va fren­te pa­ra o Hez­bol­lah, que não ape­nas no Lí­ba­no. O ou­tro de­sa­fio é o con­tro­lo de Ga­za por par­te do Ha­mas.

Po­de­rá a Mos­sad ter de mu­dar de es­tra­té­gia?

A Mos­sad es­tá en­vol­vi­da no Lí­ba­no e na Sí­ria e não em Ga­za, mas ago­ra não se tra­ta­da da Mos­sad. Is­ra­el não po­de ga­nhar a guer­ra e eli­mi­nar por com­ple­to o inimigo e é pre­ci­so per­ce­ber que, pe­ri­o­di­ca­men­te, te­re­mos um novo round de con­fron­ta­ção. Te­mo que a úni­ca ma­nei­ra de ha­ver paz no Mé­dio Ori­en­te se­ja com a boa von­ta­de de Deus.

Co­mo comenta o ca­so de Ja­mal Kha­sog­gi, mor­to pe­los ser­vi­ços se­cre­tos da Ará­bia Sau­di­ta?

Foi o as­sas­si­na­to de um jor­na­lis­ta que não re­pre­sen­ta­va qual­quer ame­a­ça pa­ra o rei­no. Foi uma de­ci­são mui­to es­tú­pi­da.

De­pois de qua­se oi­to anos de pes­qui­sa, di­ria que o mun­do da es­pi­o­na­gem é tão in­te­res­san­te co­mo um filme do 007?

O007éum one-man show e faz tu­do so­zi­nho – hac­keia os PCs, ex­pli­ca ao MI6 a in­for­ma­ção que en­con­trou, se­gue os al­vos, sal­ta de te­lha­dos, ati­ra-se de he­li­cóp­te­ros, cor­re pe­los su­per­mer­ca­dos, atin­ge os maus e che­ga a casa a tem­po de es­tar com as mu­lhe­res mais bo­ni­tas e be­ber um Mar­ti­ni agi­ta­do, mas não me­xi­do. No mun­do re­al, tu­do is­to en­glo­ba por ve­zes cen­te­nas de pes­so­as. É mui­to mais in­te­res­san­te.

Berg­man diz que a Mos­sad con­cluiu que Yas­ser Ara­fat se tor­na­ra uma fi­gu­ra po­lí­ti­ca re­le­van­te e não de­via ser as­sas­si­na­do

Pe­di­dos de Berg­man pa­ra ace­der a ar­qui­vos do Es­ta­do au­men­ta­ram as cláu­su­las de con­fi­den­ci­a­li­da­de de 50 pa­ra 70 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.