Iné­di­to

Fo­ram 11 anos, 4 mi­lhões de eu­ros, mi­lha­res de ar­ti­gos na im­pren­sa, fil­mes, gui­as, ex­po­si­ções, nu­ma gi­gan­tes­ca operação ame­ri­ca­na de re­la­ções pú­bli­cas, até ago­ra des­co­nhe­ci­da.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Maria Hen­ri­que Es­pa­da

O pla­no de re­la­ções pú­bli­cas de Sa­la­zar pa­ra con­quis­tar a sim­pa­tia ame­ri­ca­na

No Ve­rão de 1955, o fo­tó­gra­fo Hen­ri Cartier-Bres­son es­te­ve em Por­tu­gal. Era já uma es­tre­la e re­gis­tou al­gu­mas das mais icó­ni­cas ima­gens do País da dé­ca­da de 50. E, até ago­ra, o que se sa­bia era ape­nas is­to. De res­to, nem se­ria de es­tra­nhar que Bres­son, que vi­a­jou por to­do o mun­do co­mo fo­tó­gra­fo, se ti­ves­se lem­bra­do de vir a Por­tu­gal. Por­que não?

Mas afi­nal, não foi as­sim. Bres­son veio a Por­tu­gal por­que, em No­va Ior­que, um até ago­ra des­co­nhe­ci­do Ge­or­ge Pe­a­body Jr., que du­ran­te 11 anos foi re­la­ções-pú­bli­cas de Sa­la­zar, o con­tra­tou pa­ra vir: a ele e tam­bém a mais 155 jornalistas e fo­tó­gra­fos e ou­tros pro­fis­si­o­nais – e is­to em ape­nas cin­co anos, nem me­ta­de dos que tra­ba­lhou pa­ra o di­ta­dor por­tu­guês. A con­ta de Bres­son veio na vol­ta do cor­reio: foi o re­gi­me a cus­te­ar a vi­a­gem. Mas o fo­tó­gra­fo aca­ba por ser ape­nas um de­ta­lhe, em­bo­ra par­ti­cu­lar­men­te re­ve­la­dor, de uma enor­me cam­pa­nha de pro­pa­gan­da pa­ra o cli­en­te António de Oli­vei­ra Sa­la­zar. No Ar­qui­vo Na­ci­o­nal da Tor­re do Tom­bo, en­tre a cor­res­pon­dên­cia de Sa­la­zar, há um dis­cre­to – na ver­da­de, des­co­nhe­ci­do até há mui­to pou­co tem­po – re­la­tó­rio com o tí­tu­lo: “Cin­co anos da Ac­ti­vi­da­de da or­ga­ni­za­ção Ge­or­ge Pe­a­body na pro­pa­gan­da nos As­sun­tos Por­tu­gue­ses nos EUA”. Da­ta­do de Fe­ve­rei­ro de 1956, o tex­to é se­co e fac­tu­al, re­ple­to de nú­me­ros e da­dos, mas des­faz por com­ple­to as ilu­sões que pu­des­sem sub­sis­tir so­bre o apa­ren­te­men­te es­pon­tâ­neo in­te­res­se ame­ri­ca­no por as­sun­tos co­mo as sa­mar­ras por­tu­gue­sas, a re­si­dên­cia de Lord By­ron em Sin­tra, os tra­jes da Na­za­ré, ou até mes­mo Amá­lia Rodrigues – a cu­ja gra­va­ção do ál­bum ame­ri­ca­no (1954) a Pe­a­body afi­nal aju­dou, e que já ti­nha ido ao Co­ke Ti­me with Ed­die Fisher, na CBS. Tal­vez por­que de re­pen­te Ed­die Fisher se ti­ves­se lem­bra­do de con­vi­dar Amá­lia? Ou tal­vez por­que Barbara Ke­a­ting Pe­a­body, pro­du­to­ra de con­teú­dos da CBS, era mu­lher do pu­bli­ci­tá­rio de Sa­la­zar – e o tra­ba­lho de­le, bem pa­go co­mo se ve­rá, era pro­mo­ver na Amé­ri­ca tu­do o que era por­tu­guês.

Fê-lo com sucesso. As re­fe­rên­ci­as aos mais de dois mil ar­ti­gos plan­ta­dos na im­pren­sa ame­ri­ca­na e aos 156 vi­si­tan­tes com des­lo­ca­ções pa­tro­ci­na­das a Por­tu­gal que cons­tam do ex­tra­or­di­ná­rio re­la­tó­rio de Pe­a­body mos­tram, so­ma­das à cor­res­pon­dên­cia di­rec­ta en­tre es­te e Sa­la­zar, que o di­ta­dor de tom pro­vin­ci­a­no pro­mo­veu o País con­tra­tan­do uma gran­de agên­cia de Ma­di­son Ave­nue, No­va Ior­que, na épo­ca no co­ra­ção do bo­om da publicidade e das Re­la­ções Pú­bli­cas, que se mo­vi­men­ta­va num mun­do à Mad Men: a Ge­or­ge Pe­a­body and As­so­ci­a­tes. A par­ce­ria man­te­ve-se du­ran­te 11 anos, de 1951 a 1962.

Mi­lha­res de ar­ti­gos

O do­cu­men­to de 1956, que abran­ge a pri­mei­ra me­ta­de des­se pe­río­do, é avas­sa­la­dor nos nú­me­ros. Des­cre­ve o tra­ba­lho fei­to des­de a con­tra­ta­ção: “Dis­tri­buiu-se por 2.000 jor­nais um ar­ti­go, e fo­to­gra­fia, in­ti­tu­la­do, Pretty por­tu­gue­se im­ports (bo­ni­tas im­por­ta­ções por­tu­gue­sas), que veio pu­bli­ca­do em to­dos eles”; “500 ou­tros jor­nais pu­bli­ca­ram um ar­ti­go so­bre o Es­to­ril e a sua praia e so­bre o ski na ser­ra da Es­tre­la, uti­li­zan­do in­for­ma­ção por nós for­ne­ci­da”; “De tem­pos a tem­pos, for­ne­cem-se a to­dos os jor­nais dos EUA pe­que­nas no­tí­ci­as so­bre Por­tu­gal, des­ti­na­das a pre­en­cher es­pa­ços va­zi­os nos jor­nais (o que na­que­le país se de­sig­na por “fil­lers”).” E es­ta é ape­nas a man­cha ge­ral de pe­que­nas no­tí­ci­as. Mas a Pe­a­body con­se­guia fa­zer

SÓ EM CIN­CO ANOS, PE­A­BODY OR­GA­NI­ZOU VI­A­GENS A POR­TU­GAL PA­RA 156 JORNALISTAS E OU­TRAS EN­TI­DA­DES

um tra­ba­lho mais so­fis­ti­ca­do, pro­mo­ven­do ar­ti­gos mai­o­res so­bre te­mas es­pe­cí­fi­cos da cul­tu­ra por­tu­gue­sa, ali­nha­dos com o per­fil da pro­pa­gan­da do re­gi­me. O tex­to dá exem­plos con­cre­tos de mais de du­as cen­te­nas em pu­bli­ca­ções de re­fe­rên­cia: ar­ti­gos so­bre o Tu­ris­mo em Por­tu­gal no New York Ti­mes

(dois, em Fe­ve­rei­ro de 1951), no

New York Daily News (Ju­nho de 1951) e no New York Post (Agos­to de 1951), no Bos­ton Glo­be (Ju­lho de 1951), no San Fran­cis­co Exa­mi­ner, Los An­ge­les Ti­mes, De­troit News

(Mar­ço de 1953), no New Or­le­ans Ti­mes e Chi­ca­go Tri­bu­ne (Ju­nho de 1953), e mui­tos, mui­tos mais. Mas é nos te­mas mais par­ti­cu­la­res e até exó­ti­cos, com um ní­vel de de­ta­lhe que re­ve­la con­tac­to e co­nhe­ci­men­to do País – e do que o re­gi­me de­le qu­e­ria des­ta­car –, que se tor­na pa­ten­te que de re­pen­te a im­pren­sa ame­ri­ca­na não des­co­briu por aca­so o tu­ris­mo em Por­tu­gal. Há ar­ti­gos so­bre o tou­reio ama­dor na Fei­ra Po­pu­lar (no Me­tro­po­li­tan Group, com uma tiragem de mais de 14 mi­lhões) e so­bre os alu­nos da fra­ga­ta Dom Fer­nan­do (pe­lo me­nos dois em jor­nais di­fe­ren­tes), so­bre as amen­do­ei­ras em flor no Al­gar­ve

(Los An­ge­les Exa­mi­ner), so­bre a Ri­vi­e­ra Por­tu­gue­sa (a Li­nha de Cas­cais, no NYT, em Novembro de 1952), so­bre as fes­tas por­tu­gue­sas, as sa­mar­ras por­tu­gue­sas, a Pás­coa em Por­tu­gal, os es­tu­dan­tes de Coim­bra, a pes­ca à ba­leia nos Aço­res, a Ma­dei­ra, Sin­tra, os tra­jes da Na­za­ré, as cor­ti­ças por­tu­gue­sas, a bên­ção dos lu­gres ba­ca­lho­ei­ros, os cam­pi­nos do Ri­ba­te­jo, fa­do e sar­di­nhas de Lis­boa, Amá­lia, o Pa­lá­cio da Pe­na, e vá­ri­os so­bre Fá­ti­ma. Em Novembro de 1952, o Bos­ton Tra­ve­ler ,o In­di­a­ná­po­lis New e mi­lha­res de ou­tros jor­nais (um fe­nó­me­no que era fa­ci­li­ta­do pe­la or­ga­ni­za­ção em ca­deia de tí­tu­los da im­pren­sa) ti­tu­lam: “Bom am­bi­en­te po­lí­ti­co atrai re­a­le­zas a Por­tu­gal.” A exi­bi­ção de um ce­ná­rio idí­li­co com pin­ce­la­das et­no­grá­fi­cas ou de li­festy­le é ain­da mais evi­den­te nas re­vis­tas. Além do re­la­tó­rio, Pe­a­body es­cre­ve di­rec­ta­men­te ao seu cli­en­te, em cartas que re­me­te já tra­du­zi­das pa­ra por­tu­guês, e en­via ane­xa­dos re­cor­tes de al­guns ar­ti­gos mais des­ta­ca­dos. Na Pa­ra­de de Abril de 1953, sur­ge Amá­lia Rodrigues nu­ma vi­a­gem aos Aço­res, com tra­ta­men­to de es­tre­la: flo­res à che­ga­da a Pon­ta Del­ga­da e um pas­seio por São Miguel. Vai às Fur­nas, co­me o cozido, e há fo­to da fa­dis­ta a ver o ta­cho ser re­ti­ra­do do so­lo, com chic­ken à la vol­ca­no (ga­li­nha à vul­cão), na tra­du­ção da re­vis­ta. Em Fe­ve­rei­ro de 1953, a Gla­mour pu­bli­ca três pá­gi­nas com a re­por­ta­gem da vin­da a Por­tu­gal da ven­ce­do­ra de um con­cur­so pro­mo­vi­do pe­la re­vis­ta, em que o pré­mio era pre­ci­sa­men­te uma vi­a­gem a Por­tu­gal, Es­pa­nha e França. A jo­vem Joy God­behe­re, que le­van­ta voo dos Es­ta­dos Uni­dos já equi­pa­da com um im­pe­cá­vel guar­da-rou­pa for­ne­ci­do pe­la re­vis­ta, é fo­to­gra­fa­da nu­ma casa de fa­do, no ca­si­no Es­to­ril e a con­ver­sar, sor­ri­den­te, sen­ta­da jun­to à pis­ci­na da casa de

EDU­AR­DO BRA­ZÃO ES­CRE­VEU QUE A PE­A­BODY ERA O MAI­OR “ES­BAN­JA­MEN­TO QUE ALI SE FA­ZIA”

Ri­car­do Es­pí­ri­to San­to: o tí­tu­lo era “A jour­ney for Joy”.

Tam­bém nos re­cor­tes en­vi­a­dos por Pe­a­body sur­ge, já de um pe­río­do pos­te­ri­or ao re­la­tó­rio de 1956, a re­por­ta­gem “Por­tu­gal, um pa­raí­so pa­ra os fo­tó­gra­fos” (em 1957, na U.S. Ca­ma­ra), que Ge­or­ge Pe­a­body faz ques­tão de des­ta­car por­que, ex­pli­ca a Sa­la­zar, o novo hobby em as­cen­são dos EUA é a fo­to­gra­fia, já com mi­lhões de pra­ti­can­tes e ven­das-re­cor­de de má­qui­nas pa­ra uso in­di­vi­du­al.

Fa­do e April in Por­tu­gal

Nem Amá­lia fi­ca de fo­ra. Além da par­ti­ci­pa­ção na CBS com Ed­die Fisher, no pon­to 24 da “ac­ti­vi­da­de ge­ral” des­cri­ta no re­la­tó­rio, lê-se: “A or­ga­ni­za­ção Pe­a­body co­la­bo­rou com a com­pa­nhia de dis­cos An­gel Re­cords na com­po­si­ção da ca­pa do ál­bum de can­ções de Amá­lia Rodrigues, pu­bli­ca­do por aque­la com­pa­nhia.” O ál­bum, Amá­lia Rodrigues Sings Fa­do from Por­tu­gal and Fla­men­co from Spain, foi o pri­mei­ro da fa­dis­ta edi­ta­do nos EUA, e o pri­mei­ro LP da sua car­rei­ra. Na CBS, Amá­lia can­tou April in Por­tu­gal, a adap­ta­ção pa­ra in­glês de Coim­bra. A música te­ve oi­to ver­sões de oi­to ar­tis­tas ame­ri­ca­nos di­fe­ren­tes, in­cluin­do um ins­tru­men­tal de Louis Arms­trong. Es­cre­ve Pe­a­body: “Es­ti­mu­lou-se a gra­va­ção de dis­cos com es­ta can­ção; ti­rou-se to­do o par­ti­do pu­bli­ci­tá­rio des­ta can­ção, fa­zen­do-a li­gar aos mo­ti­vos tu­rís­ti­cos por­tu­gue­ses (pa­ra es­se efei­to, for­ne­ceu-se ma­te­ri­al in­for­ma­ti­vo a to­das as es­ta­ções de rá­dio e te­le­vi­são); por exem­plo, a ar­tis­ta Di­nah Sho­re (...) uti­li­zou o ma­te­ri­al por nós for­ne­ci­do.” Só em 1953, a ver­são te­ve qua­tro ver­sões na ta­be­la da re­vis­ta Bill­bo­ard .O sucesso ine­gá­vel da música não po­de­rá ob­vi­a­men­te ser atri­buí­do só a Pe­a­body – mas é tam­bém ine­gá­vel que ele “aju­dou” na pro­mo­ção. Es­ta gi­gan­tes­ca cam­pa­nha nos bas­ti­do­res dos media ame­ri­ca­nos era des­co­nhe­ci­da até Vasco Ri­bei­ro, in­ves­ti­ga­dor da Uni­ver­si­da­de do Por­to, se de­pa­rar em 2014, e en­quan­to pes­qui­sa­va so­bre o ga­bi­ne­te de im­pren­sa da Ar­ca­da, com as 25 pá­gi­nas do do­cu­men­to na Tor­re do Tom­bo. “Per­ce­bi que era pro-

O RE­GI­ME PRÉ-DE­FI­NIA PER­CUR­SO E ATÉ OS CON­TAC­TOS DAS “VI­SI­TAS” A POR­TU­GAL EN­VI­A­DAS DA AMÉ­RI­CA

me­te­dor, mas não sa­bia o que era, até por­que vi­nha clas­si­fi­ca­do co­mo ‘or­ga­ni­za­ção’ e não co­mo re­la­ções pú­bli­cas. Mas quan­do co­me­cei a lê-lo com aten­ção, até ou­via cla­mo­res, com a quan­ti­da­de de in­for­ma­ção!”, brin­ca. A par­tir daí, foi cons­truin­do a pes­qui­sa: re­co­lheu de­ze­nas de exem­pla­res de jor­nais, re­vis­tas, li­vros e gui­as de vi­a­gem que ilus­tram mui­tos dos ca­sos elen­ca­dos por Pe­a­body. E, es­te mês, pu­bli­cou o ar­ti­go aca­dé­mi­co A em­pre­sa de re­la­ções pú­bli­cas nor­te-ame­ri­ca­na con­tra­ta­da por Sa­la­zar (1951-1962). O pro­fes­sor de Co­mu­ni­ca­ção Po­lí­ti­ca e Re­la­ções Pú­bi­cas pas­sou se­ma­nas na Tor­re do Tom­bo, pes­qui­sou no Ar­qui­vo Oli­vei­ra Sa­la­zar e no ar­qui­vo do SNI (Se­cre­ta­ri­a­do Na­ci­o­nal de In­for­ma­ção, que fa­zia a ar­ti­cu­la­ção mais di­rec­ta, no dia-a-dia, com a Pe­a­body) e no De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça ame­ri­ca­no, on­de to­das as agên­ci­as que ti­nham Es­ta­dos es­tran­gei­ros co­mo cli­en­tes ti­nham de fa­zer um re­gis­to le­gal.

Ape­sar de a con­tra­ta­ção se ter man­ti­do dis­cre­ta, ela não é sur-

Te­rá si­do o em­bai­xa­dor Pedro The­o­tó­nio Pereira (aqui anos de­pois, com John Ken­nedy) a su­ge­rir a con­tra­ta­ção de uma em­pre­sa de Re­la­ções Pú­bli­cas

Fa­do e Amá­lia

Foi a Pe­a­body a for­ne­cer os ma­te­ri­ais pa­ra a ca­pa do pri­mei­ro LP de Amá­lia, edi­ta­do nos EUA pe­la An­gel Re­cords

Sen­ta­do ao la­do de António Fer­ro, que con­ce­beu a “po­lí­ti­ca do es­pí­ri­to” do re­gi­me mas per­deu in­fluên­cia a par­tir de 1949

Ge­or­ge Pe­a­body jun­ta­va às cartas que es­cre­via a Sa­la­zar re­cor­tes de ar­ti­gos pu­bli­ca­dos na im­pren­sa ame­ri­ca­na

O mes­mo ban­co de ba­loi­ço, ago­ra fo­to­gra­fa­do de cos­tas: Cartier-Bres­son, o au­tor, era já um fo­tó­gra­fo co­nhe­ci­do, mas a vi­a­gem, que cri­ou ima­gens icó­ni­cas, foi pa­tro­ci­na­da pe­la Pe­a­body

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.