Polémica

As PPP são me­lho­res a tra­tar AVC? O sis­te­ma diz que sim, mas há au­to-ava­li­a­ção, dú­vi­das e uni­da­des que já re­cu­sam in­te­grá-lo. A Or­dem dos Mé­di­cos vai pe­dir uma au­di­to­ria.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ra­quelLi­to

Hos­pi­tais con­tes­tam mé­to­do de ava­li­a­ção do re­gu­la­dor da Saú­de

Há crí­ti­cas dos dois la­dos: a me­to­do­lo­gia do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Ava­li­a­ção em Saú­de (SI­NAS) tem si­do atacada pe­la Or­dem dos Mé­di­cos e por hos­pi­tais pú­bli­cos. A úl­ti­ma ava­li­a­ção na área dos aci­den­tes vas­cu­la­res ce­re­brais (AVC) te­ve co­mo re­sul­ta­do que ape­nas três hos­pi­tais na­ci­o­nais ti­nham no­ta má­xi­ma. E eram to­dos Par­ce­ri­as Pú­bli­co-Pri­va­das (PPP). Pro­ble­ma: a ques­tão po­de não ser a fal­ta de ex­ce­lên­cia dos ou­tros hos­pi­tais, mas a for­ma co­mo o SI­NAS cria vi­e­ses na ava­li­a­ção. Há quem já te­nha to­ma­do uma po­si­ção mais ra­di­cal, sain­do do sis­te­ma: no­me­a­da­men­te uni­da­des de hos­pi­tais cen­trais de San­ta Maria (Lis­boa), do Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra e do São João (Por­to). A Uni­da­de de AVC de San­ta Maria é um dos ca­sos. Dei­xou de ade­rir ao SI­NAS por­que, apon­ta, es­te re­quer uma so­bre­car­ga de tra­ba­lho. “Não é pos­sí­vel ser re­a­li­za­do com as equi­pas exis­ten­tes, sem de­tri­men­to da qua­li­da­de do ser­vi­ço”, ex­pli­ca à SÁ­BA­DO a di­rec­ção clí­ni­ca. E vai mais lon­ge: “Com­pre­en­de­mos que mé­di­cos de ou­tros hos­pi­tais não se re­ve­jam num sis­te­ma de clas­si­fi­ca­ção des­te ti­po, que não re­flec­te de for­ma exaus­ti­va o pro­ces­so de tra­ta­men­to e que per­mi­te que uni­da­des de me­nor di­fe­ren­ci­a­ção ob­te­nham me­lho­res clas­si­fi­ca­ções.”

O Cen­tro Hos­pi­ta­lar e Uni­ver­si­tá­rio de Coim­bra fez o mes­mo. “A me­to­do­lo­gia es­ta­va a ser de­sa­de­qua­da”, de­cla­ra fon­te ofi­ci­al à SÁ­BA­DO. E acres­cen­ta: “Tam­bém acon­te­ceu a ou­tros hos­pi­tais, co­mo o São João” – que não quis pro­nun­ci­ar-se. Con­fron­ta­da pe­la SÁ­BA­DO ,a En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Saú­de (ERS) res­pon­deu por email que “não en­tra em diá­lo­go por in­ter­mé­dio dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al”. Mas re­for­ça que o SI­NAS abran­ge 159 hos­pi­tais, mais de 90% do uni­ver­so em ava­li­a­ção. Pa­ra ve­ri­fi­car a con­sis­tên­cia dos da­dos, re­a­li­za au­di­to­ri­as pe­rió­di­cas e ale­a­tó­ri­as. Em 2017, fez 64 a cer­ca de 40% dos pres­ta­do­res ava­li­a­dos. Ain­da as­sim, o re­gu­la­dor não exclui even­tu­ais re­a­jus­ta­men­tos: “O SI­NAS é di­nâ­mi­co e, por is­so, to­dos os con­tri­bu­tos cons­tru­ti­vos po­ten­ci­am o seu ro­bus­te­ci­men­to.”

Pe­ran­te os pro­tes­tos, quem ten­ci­o­na pe­dir uma au­di­to­ria ao SI­NAS é o bas­to­ná­rio da Or­dem dos Mé­di­cos (OM), Miguel Gui­ma­rães. “Vale a pe­na uma re­a­va­li­a­ção com­ple­ta do sis­te­ma, por uma en­ti­da­de com com­pe­tên­ci­as es­pe­cí­fi­cas pa­ra a fa­zer”, avança à SÁ­BA­DO. Ale­xan­dre Va­len­tim Lou­ren­ço, pre­si­den­te da Sec­ção Re­gi­o­nal do Sul da OM, clas­si­fi­ca o SI­NAS de “ru­di­men­tar.” Acres­ce a au­to-ava­li­a­ção, que “es­tá su­jei­ta a uma enor­me va­ri­a­bi­li­da­de de apre­ci­a­ção”, acres­cen­ta Ale­xan­dre Lou­ren­ço, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa de Ad­mi­nis­tra­do­res Hos­pi­ta­la­res.

PPP com no­tas má­xi­mas

Quem so­frer uma trom­bo­se na Gran­de Lis­boa e li­gar pa­ra o 112, do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Emer­gên­cia Mé­di­ca (INEM), se­rá en­ca­mi­nha­do pa­ra a uni­da­de mais pró­xi­ma do do­en­te que as­se­gu­re o tra­ta­men­to em fa­se agu­da. Se ne­ces­si­tar de te­ra­pêu­ti­ca en­do­vas­cu­lar po­de ir pa­ra os hos­pi­tais de São Jo­sé, San­ta Maria, Egas Mo­niz e Gar­cia de Or­ta, es­ca­la­dos pa­ra o efei­to. Em 2017, o ano da mais re­cen­te ava­li­a­ção do SI­NAS, o Hos­pi­tal de São Jo­sé re­ce­beu 293 ca­sos de AVC por aque­la via. Os nú­me­ros sur­gem no si­te da Via Verde-INEM. Mas no mes­mo re­la­tó­rio não há re­fe­rên­cia às PPP de Cas­cais e Vi­la Fran­ca de Xi­ra – as mes­mas clas­si­fi­ca­das com ní­veis de ex­ce­lên­cia na área. “Por­que é que não en­ca­mi­nham do­en­tes de Via Verde pa­ra aque­las PPP?”, qu­es­ti­o­na Ana Nu­nes, co­or­de­na­do­ra da Uni­da­de Cé­re­bro-Vas­cu­lar (UCV) do Hos­pi­tal de São Jo­sé. Res­sal­va que não es­tá con­tra os co­le­gas: “São com­pe­ten­tes e cui­da­do­sos.” Mas dis­cor­da dos cri­té­ri­os do SI­NAS.

O BAS­TO­NÁ­RIO DOS MÉ­DI­COS VAI PRO­POR “UMA RE­A­VA­LI­A­ÇÃO COM­PLE­TA AO SIS­TE­MA”

Do la­do das PPP com no­tas má­xi­mas, o tom é pa­cí­fi­co. A co­mis­são exe­cu­ti­va do hos­pi­tal de Vi­la Fran­ca de Xi­ra, ge­ri­do em par­ce­ria pe­lo gru­po Jo­sé de Mel­lo Saú­de, res­pon­de à SÁ­BA­DO que tra­ta a “es­ma­ga­do­ra mai­o­ria” dos ca­sos. En­ca­mi­nha pa­ra os centros de re­fe­rên­cia “os que têm ne­ces­si­da­des de in­ter­ven­ção en­do­vas­cu­lar”. O Hos­pi­tal de Cas­cais, sob a ges­tão do gru­po Lu­sía­das Saú­de, esclarece: “Cum­pri­mos a Via Verde com tra­ta­men­to ime­di­a­to do do­en­te à en­tra­da da ur­gên­cia, de trom­bó­li­se nos ca­sos em que ha­ja in­di­ca­ção. São en­ca­mi­nha­dos ape­nas 5 a 10% dos ca­sos.” Já o Hos­pi­tal de Bra­ga, in­se­ri­do no Jo­sé de Mel­lo Saú­de, de­cla­ra: “A par­ti­ci­pa­ção em fer­ra­men­tas de ben­ch­mar­king [aná­li­se com­pa­ra­ti­va] pro­mo­ve a trans­pa­rên­cia da in­for­ma­ção.” Além de even­tu­ais dis­tor­ções na ava­li­a­ção, a so­bre­car­ga bu­ro­crá­ti­ca é ou­tra das crí­ti­cas. Má­rio Al­ca­trão, 38 anos e oi­to de ex­pe­ri­ên­cia em Me­di­ci­na In­ter­na, faz di­ag­nós­ti­cos de do­en­ças ra­ras, tra­ta de mul­ti­pa­to­lo­gi­as e de AVC (das prin­ci­pais cau­sas de mor­te em Por­tu­gal) e vi­ve nu­ma cor­re­ria en­tre os hos­pi­tais de San­to António dos Ca­pu­chos e de São Jo­sé. In­ter­ca­la os pro­ce­di­men­tos mé­di­cos com um vo­lu­me de tra­ba­lho acres­ci­do: o pre­en­chi­men­to de da­dos pa­ra o SI­NAS. Du­as ve­zes por ano, em Ja­nei­ro e Ju­nho, des­de 2015, Má­rio Al­ca­trão tem de in­se­rir on­li­ne os pro­ces­sos clí­ni­cos do tra­ta­men­to de AVC, re­fe­ren­tes ao seu ser­vi­ço nos Ca­pu­chos. Efei­tos prá­ti­cos? “Ne­nhuns. Por­que os re­sul­ta­dos não es­pe­lham bem os cui­da­dos que ca­da ins­ti­tui­ção pres­ta”, jus­ti­fi­ca o in­ter­nis­ta, que não sub­me­teu os da­dos es­te ano. Pre­su­me que de­vi­do a uma au­di­to­ria da ERS no âm­bi­to do SI­NAS àque­le hos­pi­tal, no iní­cio de 2018. “Des­co­nhe­ço os re­sul­ta­dos da mes­ma”, diz o tam­bém mé­di­co da UCV do Hos­pi­tal de São Jo­sé.

EFEI­TOS PRÁ­TI­COS DA AVA­LI­A­ÇÃO? “NE­NHUNS”, QUEI­XA-SE O MÉ­DI­CO MÁ­RIO AL­CA­TRÃO

A ava­li­a­ção do tra­ta­men­to de AVC pe­lo sis­te­ma SI­NAS es­tá no cen­tro da polémica

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.