Te­a­tro

Sábado - - SUMÁRIO -

Em Tes­ta­men­to em Três Ac­tos, Silly Se­a­son cru­zam os pais com Sha­kes­pe­a­re

OsSillySe­a­son­con­vo­camSha­kes­pe­a­re­e­os pró­pri­os­pais­pa­ra­tra­ça­re­mo­re­tra­to­da­sua ge­ra­ção–“em­que­tu­do­o­que­te­mos­ca­be num quar­to”. Tes­ta­men­to em Três Ac­tos es­tá no CAL até do­min­go. Por Ri­ta Ber­trand

TU­DO CO­ME­ÇOU com a von­ta­de de tra­zer os pró­pri­os pais ao pal­co, re­pre­sen­tan­do “o po­der e o Es­ta­do”, mas tam­bém “o le­ga­do que dei­xam à no­va ge­ra­ção”. Pa­re­ceu-lhes que Rei Le­ar ,o clássico de Sha­kes­pe­a­re so­bre o rei que quis di­vi­dir o rei­no pe­las três fi­lhas, de acor­do com o ta­ma­nho do amor de ca­da uma, era o “mo­te dra­ma­túr­gi­co ide­al” e pu­se­ram mãos à obra, ten­do pre­sen­te o es­pec­tá­cu­lo do gru­po de te­a­tro pós-dra­má­ti­co She She Pop, Tes­ta­ment, de 2015 – que par­tia de pre­mis­sa se­me­lhan­te, “mas com de­sen­vol­vi­men­to di­fe­ren­te”, co­mo ad­ver­tiu à SÁ­BA­DO Ivo Sa­rai­va e Sil­va, au­tor e ac­tor (jun­ta­men­te com Cá­tia Tomé, Ri­car­do Tei­xei­ra e Ro­dol­fo Ma­jor) dos SillySe­a­son, que até do­min­go apre­sen­tam, em es­treia ab­so­lu­ta no Fes­ti­val Temps d’Images, a sua no­va cri­a­ção, Tes­ta­men­to em Três Ac­tos. “Co­me­ça com uma fes­ta, on­de só habita o ar­ti­fí­cio e a música é bem ani­ma­da, dan­do ao pú­bli­co o de­se­jo de sal­tar lá pa­ra den­tro. A re­pre­sen­tar a nos­sa ge­ra­ção, os que se apro­xi­mam dos 30 anos, es­ta­mos nós, imó­veis, pa­ra­li­sa­dos pe­los le­ga­dos que re­ce­be­mos, in­cluin­do os dos nos­sos pais, que com es­ta ida­de já ti­nham em­prés­ti­mos de ca­sas e fi­lhos”, con­ta ain­da Ivo, avan­çan­do pa­ra a ce­na se­guin­te, em que sur­gem, em ví­deo, as pri­mei­ras le­gen­das ma­ni­pu­la­do­ras, ecos das vo­zes e da vi­gi­lân­cia dos pais, mas tam­bém sím­bo­los do Es­ta­do e do po­der do tal Rei Le­ar que “pa­re­cia es­ta­fa­do, ina­de­qua­do pa­ra um tra­ba­lho con­tem­po­râ­neo” aos ou­tros ar­tis­tas em re­si­dên­cia com os SillySe­a­son (no Ve­rão, na Ir­lan­da), en­tre gen­te ilus­tre co­mo a ca­na­di­a­na Pe­a­ches e a en­ce­na­do­ra May­ko Ya­ma­mo­to. Não os de­mo­ve­ram e eles, con­vic­tos, acres­cen­ta­ram ou­tra di­men­são ao es­pec­tá­cu­lo: “Além de con­fron­tar­mos os nos­sos pais com a nos­sa ge­ra­ção (a que cha­ma­mos Ikea, por­que tu­do o que te­mos ca­be num quar­to), fa­la­mos da re­la­ção en­tre ve­lho e novo, en­tre di­ta­du­ras e de­mo­cra­cia, en­tre nós e o te­a­tro que nos dei­xa­ram.” Vi­vem uma re­vol­ta em pal­co e tro­cam o ar­ti­fí­cio (a in­cluir ne­ve e se­xo com uni­cór­ni­os) pe­la na­tu­re­za, que lhes ati­ra à ca­ra que “o po­der não tem ros­to, nem o de Le­ar nem o dos pais, e que só exis­te se acre­di­tar­mos ne­le”. Cla­ro es­tá que is­to res­va­la na cer­te­za – re­ve­la­da “nu­ma ce­na mui­to tris­te” – de que “re­cu­sar o pas­sa­do ge­ra um imen­so va­zio”. Con­clu­sões não há, mas os SillySe­a­son que­rem dei­xar o seu pró­prio le­ga­do e pro­cu­ram fa­zê-lo de ma­nei­ra ori­gi­nal, num tra­ba­lho “mui­to li­vre”, on­de dis­pen­sam a hi­e­rar­quia dos ele­men­tos te­a­trais – ac­to­res, ví­deo, tex­to, lu­zes, aces­só­ri­os, música e fi­gu­ri­nos têm pe­so idên­ti­co, sem ne­nhum se so­bre­por a ou­tro –, pa­ra res­pon­der a uma úni­ca per­gun­ta: “Co­mo se­rá o nos­so tes­ta­men­to? Afi­nal, o que vem de­pois do te­a­tro pós-dra­má­ti­co, que é o mais con­tem­po­râ­neo que há, mas pa­ra nós tal­vez já se­ja an­ti­qua­do?”

“Além de con­fron­tar­mos os nos­sos pais com a nos­sa ge­ra­ção, fa­la­mos da re­la­ção en­tre ve­lho e novo, en­tre di­ta­du­ras e de­mo­cra­cia, en­tre nós e o te­a­tro que nos dei­xa­ram”, ex­pli­ca Ivo Sil­va, dos SillySe­a­son

Com o seu tra­ba­lho “mui­to li­vre”, on­de tex­to, fi­gu­ri­nos, lu­zes, ví­de­os e aces­só­ri­os têm pe­so idên­ti­co, o gru­po quer pen­sar so­bre “o que vem de­pois do te­a­tro pós-dra­má­ti­co”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.