Música

Sábado - - SUMÁRIO -

En­tre­vis­ta aos Sal­to, em vés­pe­ras de apre­sen­ta­rem ao vi­vo Fé­ri­as em Fa­mí­lia

Em cons­tan­te mu­ta­ção, os Sal­to evo­lu­em co­mo ban­da a ca­da no­va edi­ção. O ter­cei­ro dis­co, Fé­ri­as em Fa­mí­lia, é apre­sen­ta­do ao vi­vo em Lis­boa e mo­ti­va uma con­ver­sa so­bre cres­ci­men­to e fra­gi­li­da­de com os mem­bros-fun­da­do­res, Gui­lher­me e Luís. Por Pedro Miranda

“É CO­MO OLHAR pa­ra uma fo­to de quan­do eras miú­do: com a dis­tân­cia apren­des a apre­ciá-la, a aco­lher-te na tua ino­cên­cia mais es­pon­tâ­nea.” Os Sal­to já não são quem eram quan­do a fa­ma lhes ba­teu à por­ta. O dis­co ho­mó­ni­mo, de 2012, in­se­riu-os ple­na­men­te na ce­na in­die por­tu­gue­sa, com uma pop de gui­tar­ras tin­gi­da de elec­tró­ni­ca que os co­lo­cou na com­pa­nhia de gru­pos co­mo Os Gol­pes e Os Pon­tos Ne­gros (en­tre­tan­to ex­tin­tos) ou Ca­pi­tão Faus­to, que mu­da­ram de som. Tam­bém os Sal­to de­mons­tram evo­lu­ção: “Os anos vão pas­san­do e te­mos con­se­gui­do apren­der com eles. Uma pes­soa ri-se das as­nei­ras que fez e se­gue em fren­te.” Ca­da dis­co si­tua o quar­te­to por­tu­en­se a mi­lhas de on­de se en­con­tra­va no an­te­ri­or, e no mais re­cen­te, Fé­ri­as em Fa­mí­lia, es­tão per­to de ir­re­co­nhe­cí­veis. “É um dis­co mui­to me­nos ex­pe­ri­men­tal e, ao mes­mo tem­po, mais am­bi­ci­o­so”, no qual “a pro­cu­ra por uma or­ga­ni­ci­da­de ins­tru­men­tal” con­du­ziu a um le­que de sons iné­di­to nos Sal­to: uma pa­nó­plia de sin­te­ti­za­do­res, gui­tar­ras clás­si­cas, me­tais e vi­o­lon­ce­los in­te­gram pro­pos­tas com­po­si­ci­o­nais no­to­ri­a­men­te mais com­ple­xas pa­ra a ban­da. “Sen­ti­mos que é um dis­co de re­den­ção, se ca­lhar há quem ache que es­ta­mos per­di­dos mas é uma ma­nei­ra de lim­par­mos a nos­sa mo­ti­va­ção, de a dis­so­ci­ar de egos.” Há, pa­ra os Sal­to, “uma nar­ra­ti­va em três ac­tos” que se fe­cha nes­te dis­co: “O pri­mei­ro é mais à flor da pe­le, no se­gun­do [Pas­seio das Vir­tu­des, 2016] qui­se­mos so­ar a uma ban­da a sé­rio, e es­te ter­cei­ro acolhe es­se per­cur­so e avança.” Co­mo? “Usa­mos me­nos ca­mu­fla­gens e to­ca­mos de ma­nei­ra mais se­gu­ra. Ca­da coi­sa vi­ve por si, mas exis­te em fun­ção da to­ta­li­da­de da can­ção.” Mes­mo as le­tras o re­flec­tem: “Ao atin­gir­mos a ma­tu­ri­da­de, te­mos uma cla­ri­vi­dên­cia mai­or so­bre nós mes­mos, acei­ta­mos as nos­sas fa­lhas e par­ti­lha­mos as in­cer­te­zas não de for­ma fa­ta­lis­ta, mas com es­pe­ran­ça.” Ci­tan­do To­len­ti­no Men­don­ça, acre­di­tam que “é a mos­trar a fra­gi­li­da­de que um ho­mem cres­ce”. Mos­tram-se fe­li­zes por “as pes­so­as es­ta­rem a per­ce­ber o dis­co, com­pre­en­de­rem que há um fio con­du­tor que guia uma nar­ra­ti­va de ma­tu­ra­ção”, e por não se dei­xa­rem es­mo­re­cer pe­la au­sên­cia de “hits de rá­dio”. “Um dis­co, pa­ra nós, é uma história”, de­fen­dem, “e dei­xa-nos con­ten­tes que se con­ti­nue a ou­vir coi­sas que não fo­ram fei­tas pa­ra o top 10, que ain­da ha­ja tem­po pa­ra pen­sar no que se es­tá a di­zer. Até já nos con­gra­tu­la­ram pe­la fai­xa 9, que sig­ni­fi­ca que se de­ram ao tra­ba­lho de ou­vir até ao fim!” Fé­ri­as em Fa­mí­lia vai ser apre­sen­ta­do ao vi­vo em Lis­boa (Lux Frá­gil) já na pró­xi­ma quinta-fei­ra, dia 6 de De­zem­bro. Pa­ra Fe­ve­rei­ro de 2019 (dia 2), es­tá já ga­ran­ti­da uma ac­tu­a­ção dos Sal­to na Casa da Música, no Por­to.

“Ao atin­gir­mos ama­tu­ri­da­de, te­mo­su­ma cla­ri­vi­dên­cia mai­or­so­bre nós­mes­mos, acei­ta­mos as­nos­sas fa­lha­se­par­ti­lha­mo­sa­sin­cer­te­zas­com es­pe­ran­ça”

Ti­to, Luís, Gui­lher­me e Fi­li­pe edi­ta­ram o novo Fé­ri­as em Fa­mí­lia em Se­tem­bro. A 6 de De­zem­bro es­trei­am-no ao vi­vo, no Lux

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.