As po­lé­mi­cas no cur­rí­cu­lo e a aven­ça de Ma­ria Be­go­nha en­som­bram o con­gres­so

Po­lé­mi­cas en­som­bram fu­tu­ra lí­der da Jo­ta. An­tó­nio Cos­ta não de­ve­rá par­ti­ci­par na­ses­são de en­cer­ra­men­to.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Mar­ga­ri­da Da­vim

Não vai ser fá­cil ig­no­rar o ele­fan­te no meio da sa­la no Con­gres­so da Ju­ven­tu­de So­ci­a­lis­ta da pró­xi­ma se­ma­na. As po­lé­mi­cas em tor­no do cur­rí­cu­lo e do per­cur­so da­que­la que é a úni­ca can­di­da­ta a se­cre­tá­ria-ge­ral da Jo­ta tei­mam em en­som­brar o que, de ou­tra for­ma, po­de­ria ser o gran­de mo­men­to da che­ga­da ao po­der de Ma­ria Be­go­nha. A pro­va dis­so é que, a me­nos de 15 di­as do con­cla­ve, apa­re­ceu no Lar­go do Ra­to um car­taz pro­vo­ca­tó­rio a lem­brar o ca­so da aven­ça que man­te­ve en­tre 2016 e 30 de Se­tem­bro des­te ano co­mo as­ses­so­ra do vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra de Lis­boa, Du­ar­te Cor­dei­ro. “Quan­tos jo­vens sem mes­tra­do em Lis­boa ga­nham qua­se 4 mil eu­ros por mês?”, ques­ti­o­na o pos­ter anó­ni­mo, nu­ma alu­são ao fac­to de que quer o Lin­kedIn quer a bi­o­gra­fia da can­di­da­tu­ra de Be­go­nha te­rem si­do cor­ri­gi­dos, de­pois de uma no­tí­cia do

Pú­bli­co so­bre um mes­tra­do em Ci­ên­cia Política que es­tá por con­cluir mas já apa­re­cia no cur­rí­cu­lo. “É um car­taz di­fa­ma­tó­rio e per­se­cu­tó­rio”, re­a­ge a can­di­da­ta a lí­der da JS, de 29 anos (fa­rá 30 cer­ca de um mês de­pois de ser elei­ta), que ga­ran­te que re­ce­bia ape­nas “à vol­ta de 2 mil eu­ros lí­qui­dos a re­ci­bos verdes” e que o va­lor era o da ta­be­la pa­ra as­ses­so­res na Câ­ma­ra de Lis­boa. “Vou pro­cu­rar saber quem ile­gal­men­te co­lo­cou es­se car­taz pa­ra ela­bo­rar uma quei­xa”, pro­me­te. Ma­ria Be­go­nha, que se as­su­me co­mo “mui­to à es­quer­da”, la­men­ta que a po­lé­mi­ca te­nha ge­ra­do mais in­te­res­se nos me­dia do que as su­as pro­pos­tas políticas. Mas ga­ran­te não ter me­do de ser con­ti­nu­a­men­te per­se­gui­da pe­las notícias quan­do es­ti­ver a fa­lar so­bre te­mas que lhe são ca­ros co­mo o de­sem­pre­go jo­vem, a pre­ca­ri­e­da­de e os bai­xos sa­lá­ri­os. “Não te­mo. Es­co­lhi um per­cur­so que é bem co­nhe­ci­do. Acei­tei um con­vi­te pa­ra tra­ba­lhar no pro­jec­to au­tár­qui­co na mi­nha ci­da­de”, diz à SÁ­BA­DO.

Pró­xi­ma de Pedro Nu­no Santos

As ten­ta­ti­vas de Ma­ria Be­go­nha de es­cla­re­cer o que as­se­gu­ra te­rem si­do “gra­lhas e er­ros” no seu cur­rí­cu­lo não fo­ram, con­tu­do, ain­da su­fi­ci­en­tes pa­ra apa­gar o mal-es­tar que se vi­ve na es­tru­tu­ra. Na JS, não fal­ta quem ache que Ma­ria par­te pa­ra a li­de­ran­ça di­mi­nuí­da. “Não há reu­nião a que eu vá em que o te­ma não se­ja as­sun­to. De ca­da vez que as pes­so­as sa­bem que eu sou da JS fa­lam dis­so”, con­ta um di­ri­gen­te da Ju­ven­tu­de So­ci­a­lis­ta. Quan­do a po­lé­mi­ca es­ta­lou, os pra­zos pa­ra apre­sen­ta­ção de can­di­da­tu­ras es­ta­vam qua­se a aca­bar. Mas não foi se­quer por is­so que não apa­re­ceu al­ter­na­ti­va: Ma­ria Be­go­nha é mui­to pró­xi­ma quer de Du­ar­te Cor­dei­ro (lí­der da Fe­de­ra­ção de Lis­boa), quer da­que­le que é ca­da vez mais vis­to co­mo pu­ta­ti­vo fu­tu­ro lí­der do PS, Pedro Nu­no Santos. “Co­mo eles nun­ca se de­mar­ca­ram de­la, fi­cou sem­pre no par­ti­do a ideia de que es­tão com ela. E is­so pe­sa”, co­men­ta uma fon­te so­ci­a­lis­ta, ex­pli­can­do a fal­ta de com­pa­rên­cia de uma al­ter­na­ti­va com o pe­so po­lí­ti­co das fi­gu­ras que a acom­pa­nham. Pedro Nu­no Santos nun­ca se de­mar­cou de Ma­ria Be­go­nha nem o fa­rá. A SÁ­BA­DO sa­be que, no nú­cleo du­ro de Pedro Nu­no e Du­ar­te Cor­dei­ro, a con­vic­ção é que Ma­ria “não fez na­da de er­ra­do”, ain­da

que as notícias so­bre ela se­jam pou­co abo­na­tó­ri­as.

Pa­ra já, as con­ce­lhi­as da JS de Mo­ga­dou­ro, Ode­mi­ra, Moita, Al­co­che­te, Grân­do­la, Trofa, Lou­sa­da, Ven­das No­vas e Proença-a-No­va de­mar­ca­ram-se de Be­go­nha. Al­gu­mas de­las em co­mu­ni­ca­dos du­ros so­bre a “pos­tu­ra eti­ca­men­te re­pro­vá­vel” da can­di­da­ta úni­ca e su­bli­nhan­do que “es­tão em cau­sa as qua­li­da­des ne­ces­sá­ri­as pa­ra as­su­mir o car­go”. Ma­ria Be­go­nha des­va­lo­ri­za. “São só no­ve con­ce­lhi­as em 215 es­tru­tu­ras com ór­gãos elei­tos”, res­pon­de, fri­san­do que “can­di­da­tu­ra úni­ca e união não é a mes­ma coi­sa do que una­ni­mis­mo” e ga­ran­tin­do que a dis­cus­são que quer le­var pa­ra o Con­gres­so de Al­ma­da (de 14 a 16 de De­zem­bro) é política.

Cos­ta es­tá sem agenda...

Quem não de­ve­rá es­tar no con­cla­ve pa­ra acom­pa­nhar es­se de­ba­te é An­tó­nio Cos­ta, que já fez saber à or­ga­ni­za­ção do Con­gres­so que não de­ve com­pa­re­cer “por mo­ti­vos de agenda”. Na JS hou­ve quem vis­se nis­to uma for­ma de se afas­tar da po­lé­mi­ca can­di­da­ta. Ma­ria Be­go­nha, que diz ain­da não ter “es­sa in­for­ma­ção por via ofi­ci­al”, as­se­gu­ra que “não é fre­quen­te, mas tam­bém não é iné­di­to o se­cre­tá­rio-ge­ral não es­tar pre­sen­te no en­cer­ra­men­to dos tra­ba­lhos” e não ti­ra daí qual­quer ila­ção. Com uma mo­ção in­ti­tu­la­da Ra­zões de Es­quer­da, Ma­ria Be­go­nha dá pri­o­ri­da­de a te­mas co­mo “a ha­bi­ta­ção, o tra­ba­lho, o en­si­no de­mo­crá­ti­co e gra­tui­to e uma agenda am­bi­en­tal”. O ob­jec­ti­vo é que a JS dei­xe de se con­cen­trar tan­to nos te­mas frac­tu­ran­tes e apre­sen­te “uma no­va agenda em vol­ta dos de­sa­fi­os ge­ra­ci­o­nais”. Res­ta saber se con­se­gue fa­zê-lo ape­sar do ruí­do.

Ma­ria Be­go­nha é can­di­da­ta úni­ca à li­de­ran­ça da JS e de­ve su­ce­der a Ivan Gon­çal­ves, no Con­gres­so em Al­ma­da, de 14 a 16 de De­zem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.