Sábado - - DES­TA­QUE -

in­cluiu ain­da ou­tras im­por­tan­tes re­ve­la­ções, co­mo as mo­vi­men­ta­ções de bas­ti­do­res ocor­ri­das du­ran­te o pe­río­do mais crí­ti­co das pri­va­ti­za­ções (en­tre os úl­ti­mos três me­ses de 2011 e Fe­ve­rei­ro de 2012), com Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di a ser vis­to pe­los in­ves­ti­ga­do­res co­mo o agen­te que ma­no­bra­ra na som­bra uma im­por­tan­te re­de de con­tac­tos que lhe per­mi­ti­ra ter aces­so a in­for­ma­ções con­fi­den­ci­ais so­bre os ne­gó­ci­os – al­go que o ban­quei­ro sem­pre des­men­tiu em pú­bli­co e quan­do foi in­ter­ro­ga­do co­mo ar­gui­do pe­lo MP (até hoje, es­te pro­ces­so-cri­me que re­sul­tou do ca­so Mon­te Bran­co ain­da não es­tá en­cer­ra­do). Se­gun­do o mes­mo re­la­tó­rio, a in­fluên­cia de Ric­ci­ar­di tor­nou-se ain­da mais vi­sí­vel quan­do o Go­ver­no de co­li­ga­ção PSD/CDS, li­de­ra­do por Pas­sos Co­e­lho, he­si­tou em con­cluir, no iní­cio de 2012 e já de­pois da pri­va­ti­za­ção da EDP, a ven­da da REN. Sem ci­tar a trans­cri­ção exac­ta de qual­quer es­cu­ta te­le­fó­ni­ca, Pau­lo Silva in­di­cou por es­cri­to ao pro­cu­ra­dor Ro­sá­rio Tei­xei­ra os vá­ri­os epi­só­di­os que, no seu en­ten­der, re­ve­la­vam um cli­ma de pres­sões po­lí­ti­cas que po­de­ria con­subs­tan­ci­ar a prá­ti­ca de cri­mes. E jun­tou ao pro­ces­so um qua­dro com 24 no­mes ci­ta­dos nas es­cu­tas te­le­fó­ni­cas, ten­do as­so­ci­a­do os no­mes a “en­ti­da­des” e “car­go”. E ain­da re­gis­tou no item “ob­ser­va­ções” li­ga­ções de al­guns des­tes pos­sí­veis al­vos a, por exem­plo, par­ti­dos po­lí­ti­cos. A equi­pa do fis­co ano­tou tam­bém que, a 31 de Ja­nei­ro de 2012, exis­ti­ram con­tac­tos en­tre Ric­ci­ar­di e Pau­lo Mar­tins – es­te úl­ti­mo tam­bém en­tão ad­mi­nis­tra­dor e mem­bro da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do BE­SI –, em que os dois ho­mens fo­ram apa­nha­dos a co­men­tar que, co­mo a pri­va­ti­za­ção da REN es­ta­va pres­tes a “re­ben­tar”, o ban­quei­ro de­ve­ria exer­cer in­fluên­cia jun­to do ami­go e en­tão pri­mei­ro-mi­nis­tro Pe­dro Pas­sos Co­e­lho. De se­gui­da, os in­ves­ti­ga­do­res es­cre­ve­ram no re­la­tó­rio que Ric­ci­ar­di e Pau­lo Mar­tins se re­fe­ri­am a “fa­zer te­le­fo­ne­mas” pa­ra dar um “úl­ti­mo ti­ro” na ques­tão das pri­va­ti­za­ções. No en­tan­to, co­mo não con­se­gui­ra fa­lar de ime­di­a­to com o lí­der do PSD, Ric­ci­ar­di pro­cu­rou o ami­go Mi­guel Rel­vas, que era um dos mi­nis­tros mais pró­xi­mos de Pas­sos Co­e­lho. E foi nes­ta con­ver­sa es­cu­ta­da pe­los in­ves­ti­ga­do­res que o ban­quei­ro vin­cou

que o adi­a­men­to da pri­va­ti­za­ção da REN po­de­ria pro­vo­car até um cor­te das re­la­ções di­plo­má­ti­cas com a Chi­na. Se­gun­do o re­su­mo da es­cu­ta, Rel­vas pron­ti­fi­cou-se a “ver o as­sun­to”. Nes­se mes­mo dia, o mi­nis­tro foi no­va­men­te con­tac­ta­do por Ric­ci­ar­di, ten­do-lhe re­pe­ti­do a pro­mes­sa de que iria “acom­pa­nhar o as­sun­to”. Nos re­gis­tos do­cu­men­tais da AT que fi­ca­ram no pro­ces­so Mon­te Bran­co, cons­tam tam­bém re­fe­rên­ci­as a inú­me­ros ou­tros con­tac­tos, pes­so­ais e por te­le­fo­ne, en­tre o ban­quei­ro e Mi­guel Rel­vas por oca­sião das pri­va­ti­za­ções, ten­do a AT re­gis­ta­do, lo­go a 9 de De­zem­bro de 2011, uma con­ver­sa en­tre Sal­ga­do e Ric-

O INS­PEC­TOR PAU­LO JUN­TOU AO PRO­CES­SO UMA LIS­TA COM 24 NO­MES CI­TA­DOS NAS ES­CU­TAS

ci­ar­di so­bre o ne­gó­cio EDP, com Ric­ci­ar­di a di­zer que era pre­ci­so “tra­ba­lhar bem” e que is­so in­cluía “ver os co­mi­tés de es­pe­ci­a­lis­tas, mais o Mi­guel Rel­vas”.

MP re­ve­la in­dí­ci­os de cri­mes

Os in­ves­ti­ga­do­res ano­ta­ram ain­da no re­la­tó­rio prin­ci­pal que Ric­ci­ar­di ba­teu a mui­tas ou­tras por­tas, so­bre­tu­do a pe­dir aju­da pa­ra que avan­ças­se o ne­gó­cio da pri­va­ti­za­ção da REN. Um dos in­ter­lo­cu­to­res es­co­lhi­dos foi o antigo pa­trão de Pas­sos Co­e­lho no sec­tor pri­va­do, Ân­ge­lo Cor­reia, ex-de­pu­ta­do do PSD e ad­mi­nis­tra­dor da em­pre­sa Fo­men­tin­vest (o BES era um dos ac­ci­o­nis­tas da em­pre­sa), a quem o ban­quei­ro se la­men­tou de que não con­se­guia con­tac­tar o pri­mei­ro-mi­nis­tro. Os ins­pec­to­res do fis­co sa­li­en­ta­ram no re­la­tó­rio que a con­ver­sa com Ân­ge­lo Cor­reia vol­tou a an­dar à vol­ta do re­ceio que Ric­ci­ar­di ti­nha de que a pri­va­ti­za­ção não avan­ças­se por­que o Go­ver­no, de­pois da ven­da da EDP, po­de­ria pen­sar que já não pre­ci­sa­ria de di­nhei­ro pa­ra li­dar com a si­tu­a­ção fi­nan­cei­ra de­bi­li­ta­da do País, que es­ta­va sob in­ter­ven­ção da União Eu­ro­peia e do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ti­o­nal (FMI). Nes­sa al­tu­ra, es­se se­ria o gran­de me­do do ban­quei­ro, mas o ami­go Ân­ge­lo Cor­reia dis­se-lhe que ia ten­tar fa­lar com Pau­lo Por­tas, que tam­bém se jul­ga­va que es­ti­ves­se a he­si­tar so­bre a con­cre­ti­za­ção do ne­gó­cio. Só que o cer­co ao go­ver­nan­te já es­ta­va a ser fei­to há se­ma­nas, pois Ric­ci­ar­di ti­nha pe­di­do a Mi­guel Hor­ta e Cos­ta (BE­SI) que mar­cas­se com ur­gên­cia um encontro com o ami­go Por­tas. Um pe­di­do que tam­bém já ti­nha fei­to a Fi­li­pe de Bot­ton (presidente do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do gru­po Lo­go­plas­te e ac­ci­o­nis­ta pri­va­do da REN).

Pa­ra os ins­pec­to­res do fis­co, Bot­ton era sus­pei­to de ser uma das fon­tes de in­for­ma­ção de Ric­ci­ar­di so­bre a pri­va­ti­za­ção da em­pre­sa. Se­gun­do os re­su­mos das es­cu­tas da ope­ra­ção Mon­te Bran­co, Bot­ton che­gou a con­fi­den­ci­ar a Ric­ci­ar­di que ha­via reu­ni­do du­ran­te ho­ra e meia com Por­tas, ten­do-lhe tra­ça­do um qua­dro ne­gro ca­so se ve­ri­fi­cas­se o adi­a­men­to do ne­gó­cio. Pa­ra o em­pre­sá­rio, se­ria ine­vi­tá­vel a des­ci­da de co­ta­ção das ac­ções, acen­tu­ar-se-iam as di­fi­cul­da­des de fi­nan­ci­a­men­to da em­pre­sa e per­der-se-ia a opor­tu­ni­da­de da en­tra­da em Por­tu­gal da po­de­ro­sa em­pre­sa es­ta­tal chi­ne­sa Sta­te Grid. Dois di­as an­tes de o Con­se­lho de Mi­nis­tros de­ci­dir de vez a pri­va­ti­za­ção da REN, a 2 de Fe­ve­rei­ro de 2012, Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di fa­lou ain­da com Car­los Mo­e­das, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do ad­jun­to do pri­mei­ro-mi­nis­tro. Os ins­pec­to­res do fis­co re­gis­ta­ram que o go­ver­nan­te tran­qui­li­zou o ban­quei­ro ao ga­ran­tir-lhe que Pas­sos Co­e­lho “da­va mui­ta im­por­tân­cia” a que se con­cre­ti­zas­se a ven­da. Só que Ric­ci­ar­di não fi­cou sa­tis­fei­to e con­tac­tou di­rec­ta­men­te o pri­mei­ro-mi­nis­tro, ten­do a equi­pa de in­ves­ti­ga­ção jun­ta­do mais es­te da­do a um vas­to con­jun­to de aces­sos (e ten­ta­ti­vas), pes­so­ais e por te­le­fo­ne, do ban­quei­ro ao lí­der do Go­ver­no du­ran­te e após as mi­li­o­ná­ri­as pri­va­ti­za­ções. Qua­se seis me­ses de­pois, uma par­te des­tas con­ver­sas aca­bou por ser con­si­de­ra­da “co­mo pro­va” pe­los in­ves­ti­ga­do­res, con­for­me sur­giu re­fe­ri­do num ou­tro re­la­tó­rio as­si­na­do por Pau­lo Silva e di­ri­gi­do ao MP na úl­ti­ma semana de Se­tem­bro de 2012. No do­cu­men­to do fis­co fo­ram trans­cri­tas, em dis­cur­so in­di­rec­to, três con­ver­sas te­le­fó­ni­cas en­tre Ric­ci­ar­di e Pas­sos Co­e­lho, ocor­ri­das an­tes da de­ci­são da ven­da da REN, a 13 e 21 de Ja­nei­ro e a 1 de Fe­ve­rei­ro de 2012 (além de dois SMS de 2 de Fe­ve­rei­ro e 22 de Ju­lho de 2012). Em du­as des­tas con­ver­sas foi Ric­ci­ar­di que li­gou ao pri­mei­ro-mi­nis­tro. A ou­tra cha­ma­da par­tiu de Pas­sos Co­e­lho. Em ne­nhu­ma das in­ter­cep­ções, os in­ves­ti­ga­do­res de­tec­ta­ram qual­quer in­dí­cio de com­por­ta­men­to ile­gal do che­fe do Go­ver­no, que che­gou a di­zer a Ric­ci­ar­di que não lhe le­vas­se a mal, mas que ele não po­dia fa­lar so­bre aque­las ma­té­ri­as.

No en­tan­to, is­so não im­pe­diu o pro­cu­ra­dor Ro­sá­rio Tei­xei­ra de usar de ime­di­a­to – a de­ci­são do MP ocor­reu no mes­mo dia do re­la­tó­rio das Fi­nan­ças, a 24 de Se­tem­bro de 2012 – as es­cu­tas te­le­fó­ni­cas pa­ra jus­ti­fi­car a con­ti­nu­a­ção da in­ves­ti­ga­ção: “A cir­cuns­tân­cia de as re­fe­ri­das in­ter­cep­ções não re­ve­la­rem qual­quer re­cep­ti­vi­da­de do sr. pri­mei­ro-mi­nis­tro à abor­da­gem re­a­li­za­da pe­lo sus­pei­to Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di não afas­ta o pre­en­chi­men­to do ti­po de cri­me de trá­fi­co de in­fluên­cia (...) uma vez que se não exi­ge que o agen­te do cri­me al­can­ce um re­sul­ta­do fa­vo­rá­vel às su­as pre­ten­sões, mas tão-só que ven­da e abu­se da sua ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia.”

Nes­te des­pa­cho, Ro­sá­rio Tei­xei­ra con­cor­dou na ín­te­gra com as con-

PRES­SI­O­NA­DO POR RIC­CI­AR­DI, MI­GUEL REL­VAS RES­PON­DEU­LHE QUE IA “VER O AS­SUN­TO” DA PRI­VA­TI­ZA­ÇÃO DA REN AS CON­VER­SAS DE RIC­CI­AR­DI COM PAS­SOS CO­E­LHO FO­RAM CON­SI­DE­RA­DAS CO­MO IN­DÍ­CI­OS DE CRI­MES

clu­sões da equi­pa das Fi­nan­ças que di­ri­gia e adi­an­tou que ti­nham si­do re­co­lhi­das ou­tras pro­vas: “Di­ría­mos mes­mo que os in­dí­ci­os mais re­cen­te­men­te ad­qui­ri­dos apon­tam no sen­ti­do de que es­sa con­tra­tu­a­li­za­ção [con­se­lhei­ro no ne­gó­cio REN] ape­nas ha­via si­do al­can­ça­da pe­lo BE­SI atra­vés da pro­mes­sa à Sta­te Grid de que exis­tia aces­so e ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia so­bre o de­ci­sor po­lí­ti­co.”

Ou­tra vez Rel­vas e a TVI

A vi­gi­lân­cia te­le­fó­ni­ca es­ta­va a ser fei­ta de tal for­ma a Ric­ci­ar­di que os in­ves­ti­ga­do­res ano­ta­ram os dois di­as que o ban­quei­ro pas­sa­ra no Rio de Ja­nei­ro, na com­pa­nhia de Mi­guel Rel­vas (nu­ma con­ver­sa com Ân­ge­lo Cor­reia, Ric­ci­ar­di che­gou a ga­bar-se ao te­le­fo­ne de que na es­ta­da no Bra­sil com Rel­vas ti­ve­ra “dois di­as em que pu­de­ram fa­lar bas­tan­te”), pa­ra re­ce­ber o pré­mio de em­pre­sá­rio do ano Por­tu­gal/Bra­sil. E tam­bém to­das as men­sa­gens tro­ca­das en­tre eles, in­clu­si­ve pes­so­ais: nu­ma Rel­vas so­li­da­ri­zou-se com Ric­ci­ar­di de­vi­do à ale­ga­da di­vul­ga­ção pú­bli­ca de sus­pei­tas de pro­ces­sos, nou­tra foi Ric­ci­ar­di a fa­zer is­so de­vi­do aos “ata­ques” que o ami­go es­ta­va a so­frer de­vi­do à li­cen­ci­a­tu­ra du­vi­do­sa ob­ti­da na Lu­só­fo­na. Mas ain­da hou­ve ou­tras men­sa­gens gra­va­das so­bre as pri­va­ti­za­ções: em du­as de­las, Ric­ci­ar­di agra­de­ceu a Mi­guel Rel­vas e a Jor­ge To­mé, hoje só­cio de Ric­ci­ar­di e na al­tu­ra o presidente do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da Cai­xa BI, a en­ti­da­de do Gru­po Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos (CGD) se­lec­ci­o­na­da pe­lo Go­ver­no pa­ra ser o con­se­lhei­ro do Es­ta­do nas ven­das das ac­ções da EDP e da REN.

Es­te úl­ti­mo con­tac­to do ban­quei­ro re­pre­sen­tou um da­do mui­to im­por­tan­te pa­ra os in­ves­ti­ga­do­res do fis­co e do MP, pois as au­to­ri­da­des já ti­nham ano­ta­do su­ces­si­vas con­ver­sas, pes­so­ais e por te­le­fo­ne (al­gu­mas de­las con­si­de­ra­das co­di­fi­ca­das pe­los in­ves­ti­ga­do­res), en­tre Ric­ci­ar­di e Jor­ge To­mé na al­tu­ra do ne­gó­cio das pri­va­ti­za­ções. Pa­ra o MP, o presidente do ban­co pú­bli­co tor­nou-se igual­men­te sus­pei­to de ser um dos ele­men­tos que ti­nham for­ne­ci­do in­for­ma­ção con­fi­den­ci­al a Ric­ci­ar­di, no­me­a­da­men­te os pre­ços apre­sen­ta­dos

pe­los con­cor­ren­tes à pri­va­ti­za­ção da EDP e os pre­ços in­di­ca­ti­vos à pri­va­ti­za­ção da REN, que, na fa­se ini­ci­al, pa­ra além da Sta­te Grid, te­ve pro­pos­tas de com­pra da Na­ti­o­nal Grid, da Bro­ok­fi­eld e da Oman Oil.

No ca­so des­ta úl­ti­ma em­pre­sa, os in­ves­ti­ga­do­res ou­vi­ram um te­le­fo­ne­ma a 6 de Ja­nei­ro de 2012 en­tre Ric­ci­ar­di e Rui Pe­dro So­a­res, ex-ad­mi­nis­tra­dor da PT, ho­mem de con­fi­an­ça de Só­cra­tes e ac­tu­al do­no da SAD de Os Be­le­nen­ses. Na con­ver­sa o ges­tor ofe­re­ceu-se pa­ra me­di­ar con­tac­tos com a em­pre­sa Oman. Ric­ci­ar­di agra­de­ceu, mas re­cu­sou por­que já es­ta­va a tra­ba­lhar pa­ra os chi­ne­ses da Sta­te Grid. No te­le­fo­ne­ma, os dois ho­mens ain­da fa­la­ram do “ga­jo de Pa­ris”, pa­re­cen­do alu­dir a Jo­sé Só­cra­tes (e a um ou­tro con­tac­to que não iden­ti­fi­ca­ram). On­ze di­as de­pois, a 17 de Ja­nei­ro,

no re­la­tó­rio-sín­te­se da AT, o ins­pec­tor Pau­lo Silva acres­cen­tou um pe­que­no pa­rá­gra­fo que a SÁ­BA­DO não en­con­trou em qual­quer re­su­mo de es­cu­tas que es­tão nos vo­lu­mes prin­ci­pais do pro­ces­so: “Rui Pe­dro So­a­res de­mons­tra a Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di o in­te­res­se em ad­qui­rir 30% da par­ti­ci­pa­ção que Mi­guel Pais do Ama­ral de­tém na Me­dia Ca­pi­tal e o re­ma­nes­cen­te mais tar­de.”

Pou­cos me­ses de­pois, Rui Pe­dro So­a­res e Só­cra­tes pas­sa­ri­am a ser in­ves­ti­ga­dos na Ope­ra­ção Marquês (Só­cra­tes caiu nas es­cu­tas do Mon­te Bran­co), mas por ago­ra era ape­nas o re­gres­so de um te­ma antigo: a com­pra da TVI, que co­me­ça­ra em 2008 por in­fluên­cia do Go­ver­no de Jo­sé Só­cra­tes e com o apoio da PT, ZON Mul­ti­mé­dia e do Ta­gus­park pa­ra ten­tar com­prar a te­le­vi­são aos es­pa­nhóis da Pri­sa. A ope­ra­ção fa­lhou, ape­sar de ter che­ga­do a ter par­cei­ros co­mo os ban­cos BCP, CGD e BES, um gru­po

RUI PE­DRO SO­A­RES TE­LE­FO­NOU A RIC­CI­AR­DI E OFE­RE­CEU-SE PA­RA FA­ZER LOBBYE PA­RA COM­PRAR A TVI

de em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos e por­tu­gue­ses e o gru­po Le­na. Es­te ne­gó­cio foi or­ques­tra­do no ter­re­no pre­ci­sa­men­te por Rui Pe­dro So­a­res e cha­mou-se Pro­jec­to Al­ju­bar­ro­ta, ten­do con­ta­do com a pré-as­ses­so­ria fi­nan­cei­ra do BE­SI li­de­ra­do por... Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di.

Anos de­pois, cer­ca­do pe­las no­tí­ci­as do ca­so Mon­te Bran­co e de uma ope­ra­ção com ac­ções da EDP en­tre em­pre­sas do gru­po BES (Ric­ci­ar­di ti­nha si­do cons­ti­tuí­do ar­gui­do pe­lo MP, mas de­pois o ca­so foi ar­qui­va­do), o ban­quei­ro vi­via nu­ma au­tên­ti­ca ro­da-vi­va de te­le­fo­ne­mas que iam sen­do gra­va­dos pe­los in­ves­ti­ga­do­res, que ano­ta­ram ou­tros ne­gó­ci­os. “Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di (…) ago­ra mos­tra-se em­pe­nha­do na pri­va­ti­za­ção da TAP e da ANA. Pa­ra o efei­to, evi­den­cia-se um mo­do de ac­tu­a­ção mui­to se­me­lhan­te ao que se cons­ta­tou nas an­te­ri­o­res pri­va­ti­za­ções, ten­do, des­de já, re­co­lhi­do in­for­ma­ção pri­vi­le­gi­a­da e an­te­ci­pa­da dos por­me­no­res da­que­las no­vas pri­va­ti­za­ções, es­ta­be­le­cen­do, in­clu­si­ve, con­tac­tos mi­nis­te­ri­ais”, es­cre­veu Pau­lo Silva, que trans­cre­veu no pro­ces­so mais um con­jun­to de re­su­mos de es­cu­tas ao al­vo. Um de­les re­sul­ta­ra de uma lon­ga con­ver­sa, a 3 de Fe­ve­rei­ro de 2012, com An­tó­nio Vi­a­na Bap­tis­ta, o en­tão CEO do Cre­dit Suis­se pa­ra a Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca. No te­le­fo­ne­ma, os dois acor­da­ram fa­zer pres­são so­bre os se­cre­tá­ri­os de Es­ta­do Ma­ria Luís Al­bu­quer­que e Sér­gio Mon­tei­ro. Ain­da nes­se ano, o BE­SI e o Cre­dit Suis­se (além do Bar­clays e do Ci­ti­bank) fo­ram os es­co­lhi­dos pe­la so­ci­e­da­de ges­to­ra de par­ti­ci­pa­ções pú­bli­cas, a Par­pú­bli­ca, pa­ra as­ses­so­rar o Es­ta­do na pri­va­ti­za­ção da TAP e da ANA, Ae­ro­por­tos.

Na lon­ga vi­gi­lân­cia fei­ta a Ric­ci­ar­di tam­bém cons­tam con­ver­sas gra­va­das em 2013 do ban­quei­ro com Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, o ho­mem que li­de­ra­va as au­di­ên­ci­as do co­men­tá­rio na­ci­o­nal na TVI – Ric­ci­ar­di di­zia que o con­si­de­ra­va “um ami­go”, mas che­gou de­pois a cri­ti­cá-lo em pú­bli­co em 2014 de­vi­do à pro­xi­mi­da­de com Sal­ga­do. Num te­le­fo­ne­ma gra­va­do a 18 de Ja­nei­ro de 2013, Mar­ce­lo des­can­sou-o di­zen­do que não ia fa­lar do as­sun­to BES na te­le­vi­são e os dois ho­mens pas­sa­ram a cri­ti­car o “ci­nis­mo” de um car­tão de bo­as fes­tas di­ri­gi­do a Ric­ci­ar­di pe­lo en­tão presidente da CMVM, Car­los Ta­va­res (ac­tu­al CEO do Mon­te­pio) e de­pois mar­ca­ram um jan­tar em ca­sa de Ric­ci­ar­di. Is­to de­pois de Mar­ce­lo ver a agen­da e di­zer que o encontro até lhe da­va jei­to por­que as­sim can­ce­la­va ou­tros jan­ta­res que ti­nha já agen­da­dos com An­tó­nio Ca­pu­cho ou com os Ro­tá­ri­os. Fal­tou ao jan­tar dos ho­mens do vo­lun­ta­ri­a­do in­ter­na­ci­o­nal.

AS PRI­VA­TI­ZA­ÇÕES DA TAP E DA ANA – AE­RO­POR­TOS, TAM­BÉM ES­TA­VAM A SER IN­VES­TI­GA­DAS

Ri­car­do Sal­ga­do O BAN­QUEI­RO-MOR DO BES Jo­sé Ma­ria Ric­ci­ar­di O BAN­QUEI­RO-AJU­DAN­TE DO BES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.