MA­RIA DE LOUR­DES FOI A PRI­MEI­RA AVI­A­DO­RA POR­TU­GUE­SA. SOB A AL­ÇA­DA DE CRA­VEI­RO LO­PES, TI­ROU O BREVETHÁ 90 ANOS

Nos anos 20 pôs o País em al­vo­ro­ço quan­do ti­rou o bre­vet. Ma­ria de Lour­des que­ria so­bre­vo­ar me io mun­do: mas o ma­ri­do tro­cou-lhe os pla­nos.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ma­ria Es­pí­ri­to Santo

“FOI A PRI­MEI­RA MU­LHER A VO­AR NA PE­NÍN­SU­LA IBÉ­RI­CA”, LEM­BRA A NE­TA MA­RIA JOÃO

Eram 8h15 da ma­nhã quan­do des­co­lou da pis­ta na ae­ro­na­ve, um Cau­dron G. III. Foi du­ran­te cer­ca de du­as ho­ras que se man­te­ve en­tre os 2.000 e os 2.400 me­tros de al­ti­tu­de até des­cer aos 1.500, “di­ri­gin­do-se pa­ra a pis­ta num emo­ci­o­nan­te voo pla­na­do”. Ater­rou, fi­nal­men­te, “com mui­ta cor­rec­ção e ele­gân­cia”. O re­la­to é do jor­nal O Sé­cu­lo, que des­cre­ve ao por­me­nor o dia de pro­vas fi­nais da pri­mei­ra avi­a­do­ra por­tu­gue­sa. Foi há 90 anos que Ma­ria de Lour­des Sá Tei­xei­ra ras­gou os céus e as con­ven­ções de gé­ne­ro: a 6 de De­zem­bro de 1928 ti­rou o bre­vet de avi­a­dor ci­vil. Os co­le­gas ofi­ci­ais da es­co­la re­ce­be­ram-na na pis­ta com “um lin­do ra­mo de flores”. Tam­bém a es­pe­ra­va a mãe, an­si­o­sa, e os jor­na­lis­tas pron­tos pa­ra dis­pa­rar per­gun­tas. De ca­be­lo des­pen­te­a­do, a avi­a­do­ra de 20 anos sor­ria pa­ra as fo­tos: na­que­le ano, dos qua­tro bre­vets pas­sa­dos pe­la Es­co­la Mi­li­tar de Avi­a­ção em Sin­tra, ape­nas um foi pas­sa­do a uma mu­lher. “Foi a pes­soa que mais me mar­cou na vi­da”, ga­ran­te à SÁ­BA­DO Ma­ria João Bor­dal­lo, de 67 anos, a pri­mei­ra de oi­to ne­tos da avi­a­do­ra. “Era uma avó ca­ri­nho­sa. E uma mu­lher cul­ta e interessada em tu­do”, diz, pa­ra lo­go fa­zer uma rec­ti­fi­ca­ção: “E não foi a pri­mei­ra avi­a­do­ra por­tu­gue­sa – foi a pri­mei­ra mu­lher a vo­ar na Pe­nín­su­la Ibé­ri­ca.” O iní­cio do sé­cu­lo XX, em Por­tu­gal, não era pro­pri­a­men­te o tem­po e o lu­gar pa­ra mu­lhe­res au­da­zes. Não é sur­pre­en­den­te, por is­so, lem­brar que o pai, te­nen­te-co­ro­nel mé­di­co, se opôs à von­ta­de da fi­lha. O que é ines­pe­ra­do é o que acon­te­ceu a se­guir: é que Ma­ria de Lour­des fi­cou tão tris­te que até ado­e­ceu – ema­gre­ceu, de­pri­miu – e o pai, pre­o­cu­pa­do

com a saú­de de­la, con­des­cen­deu. Daí em di­an­te, Afon­so Hen­ri­ques Bo­te­lho Sá Tei­xei­ra to­mou co­mo mis­são aju­dar a fi­lha a vo­ar. Te­rá si­do o pai, que se mo­via fa­cil­men­te no meio mi­li­tar, que aju­dou Ma­ria de Lour­des a in­gres­sar na Es­co­la Mi­li­tar de Avi­a­ção de Sin­tra. O que mais cus­ta­va à no­va alu­na – que te­ve co­mo ins­tru­tor o mi­li­tar Fran­cis­co Cra­vei­ro Lo­pes, que vi­ria a ser Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca en­tre 1951 e 1958 – era des­per­tar ce­do “e de­pois as lon­gas ho­ras, pas­sa­das na pis­ta, sem saber se o tem­po per­mi­ti­ria vo­ar”, con­fes­sa­va ao Diário de Lis­boa em 1928.

Nos jor­nais e re­vis­tas es­cre­via-se so­bre a be­le­za e pe­rí­cia da avi­a­do­ra des­de os seus tem­pos de apren­diz. “Al­guém ha­via de ser a pri­mei­ra. E, atrás de mim, quan­tas vi­rão”, ex­cla­ma­va à re­vis­ta fe­mi­ni­na Eva em No­vem­bro de 1927. Uma vez que con­se­guiu o bre­vet, o as­sun­to pas­sou a ser ou­tro: com­prar-lhe um avião. O Con­se­lho Na­ci­o­nal das Mu­lhe­res Por­tu­gue­sas pro­mo­veu uma an­ga­ri­a­ção de fun­dos pa­ra a com­pra de um Ha­vil­land (avião bri­tâ­ni­co) e os do­na­ti­vos fo­ram che­gan­do, do Alen­te­jo e dos Es­ta­dos Uni­dos, con­tam jor­nais da épo­ca. Mas a cam­pa­nha não reu­niu a quan­tia ne­ces­sá­ria.

Ca­sa­men­to aca­bou com vo­os

A avi­a­do­ra aca­bou por não con­cre­ti­zar o seu so­nho: fa­zer Por­tu­gal-Bra­sil em avião, se­guin­do os passos de Fer­ra­rin e del Pre­te, avi­a­do­res que li­ga­ram Itá­lia ao Bra­sil num voo só. Mas ou­tras fa­ça­nhas ins­pi­ra­vam a avi­a­do­ra: co­mo a de Ga­go Cou­ti­nho e Sa­ca­du­ra Ca­bral, que em 1922 fi­ze­ram a tra­ves­sia aé­rea do Atlân­ti­co Sul. Foi, aliás, a vi­a­gem que a ins­pi­rou a vo­ar. “Era mui­to cri­an­ça,

O CON­SE­LHO NA­CI­O­NAL DAS MU­LHE­RES POR­TU­GUE­SAS QUIS COM­PRAR UM AVIÃO A MA­RIA DE LOUR­DES

ain­da, mas lia, com pai­xão, to­dos os re­la­tos do fei­to mag­ní­fi­co”, con­tou em 1929 ao Ac­tu­a­li­da­des.

Os gran­des pro­jec­tos de voo – co­mo vi­si­tar to­das as ca­pi­tais eu­ro­pei­as – fo­ram es­que­ci­dos quan­do co­nhe­ceu Adal­ber­to Mar­ques, com quem vi­ria a ca­sar. “Pa­ra mim, ele cor­tou-lhe as asas”, diz a ne­ta Ma­ria João. Lem­bra que o avô era “ter­ri­vel­men­te ciu­men­to” – e não gos­ta­ria de ver a mu­lher a mo­vi­men­tar-se tão agil­men­te num mun­do de ho­mens. Ma­ria de Lour­des ca­sou-se e foi mãe pe­la pri­mei­ra vez em 1931. Em 1934 já ti­nha três fi­lhos e em 1935 mu­da­va-se pa­ra o Bra­sil. Fo­ram vi­ver pa­ra Be­lém do Pa­rá com os so­gros – Adal­ber­to foi aju­dar a ge­rir os ne­gó­ci­os do pai, que era ban­quei­ro. A es­ta­dia no Bra­sil foi lon­ga. Ma­ria de Lour­des re­gres­sa­ria a Por­tu­gal em 1950, por­que a mãe es­ta­va a mor­rer, e aca­bou por fi­car pa­ra o ca­sa­men­to da fi­lha mais ve­lha. Vol­tou sem Adal­ber­to e pro­lon­gou in­de­fi­ni­da­men­te a visita.

“Era uma fi­gu­ra mí­ti­ca”

Não fa­la­va so­bre o ma­ri­do ou o fim da re­la­ção, nem re­gres­sa­va às lem­bran­ças dos al­tos vo­os, con­ta Ma­ria João Bor­dal­lo. “Não se van­glo­ri­a­va e sem­pre re­cu­sou to­das as ho­me­na­gens que lhe qui­se­ram fa­zer”. De re­gres­so a Por­tu­gal, vi­via uma no­va fa­se da vi­da de­di­ca­da a fi­lhos, so­bri­nhos e ne­tos. “Creio que era uma mu­lher de pai­xões. Te­ve três gran­des: a avi­a­ção, o meu avô e de­pois a fa­mí­lia.” A de­di­ca­ção tra­duz-se em fo­to­gra­fi­as an­ti­gas, re­cor­tes de jor­nal e re­cor­da­ções que os fa­mi­li­a­res guar­dam. É o ca­so de Ri­car­do Sá Fernandes, so­bri­nho-ne­to. O ad­vo­ga­do guar­da me­mó­ri­as que­ri­das da tia-avó que lhe era che­ga­da. “Ela era pa­ra nós uma fi­gu­ra mí­ti­ca, por ter si­do a pri­mei­ra avi­a­do­ra.” Lem­bra-a co­mo uma fe­mi­nis­ta, uma mu­lher mo­der­na. “Em miú­do dei­xei cres­cer o ca­be­lo: a mi­nha mãe e avó não gos­ta­ram e ela é que di­zia ‘dei­xem-no lá, fi­ca-lhe bem’.” E não era a úni­ca mu­lher di­fe­ren­te na fa­mí­lia. Afi­nal, a ir­mã Ma­da­le­na ti­nha con­cor­ri­do ao pri­mei­ro con­cur­so de Miss Por­tu­gal. “Foi uma coi­sa mui­to po­lé­mi­ca por­que fi­cou em se­gun­do lu­gar, o meu bi­savô não acei­tou e im­pug- na­ram o con­cur­so…” As ti­as-avós Ma­da­le­na e Ma­ria de Lour­des e a avó Ma­ria Cris­ti­na fo­ram pre­sen­ça cons­tan­te na sua vi­da, lem­bra Ri­car­do Sá Fernandes: “Cos­tu­ma­va di­zer que ti­nha o pri­vi­lé­gio de ter três avós.” Era a sua avó que pu­xa­va sem­pre dos ga­lões da ir­mã avi­a­do­ra – con­ta que Ma­ria de Lour­des era dis­cre­ta em re­la­ção aos fei­tos pas­sa­dos. “Con­si­de­ra­va que era uma coi­sa que, por edu­ca­ção, não de­via exi­bir.” Pra­ti­can­te de esgrima, tam­bém jo­ga­va té­nis e era uma lei­to­ra ávi­da – das notícias do País e do mun­do. Man­te­ve as lei­tu­ras diá­ri­as até aos úl­ti­mos di­as, lem­bra o so­bri­nho-ne­to Ri­car­do Sá Fernandes: Ma­ria de Lour­des mor­re­ria a 19 de Ju­lho de 1984, ví­ti­ma de can­cro. Re­cor­dar as su­as aven­tu­ras é uma ma­nei­ra de a manter por per­to, diz Ma­ria João Bor­dal­lo, que re­cor­dou a avó no li­vro Se­te Mu­lhe­res, Se­te His­tó­ri­as. Foi com a avó que vi­veu até aos 7 anos, con­ta. Sem­pre foi uma fi­gu­ra mui­to pre­sen­te, era com ela que ti­ra­va dú­vi­das pa­ra os tes­tes e tam­bém era a sua con­du­to­ra de ser­vi­ço. “Da­va-me bo­leia pa­ra to­do o lado, era ela que gui­a­va. Lem­bro-me que usa­va mui­to cal­ças – quan­do nin­guém usa­va.” Guar­da me­mó­ria cla­ra de uma das ve­zes em que a avó foi as­sis­tir a uma au­la de té­nis, era ain­da miú­da. A ne­ta es­ta­va con­ven­ci­da de que se­ria elo­gi­a­da mas o co­men­tá­rio, no fi­nal, foi ou­tro: “Dis­se-me só: ‘Tens de jo­gar me­lhor.’”

“CREIO QUE ERA UMA MU­LHER DE PAI­XÕES. TE­VE TRÊS GRAN­DES: A AVI­A­ÇÃO, O MEU AVÔ E A FA­MÍ­LIA”

La­men­to Ape­sar de nun­ca o ter di­to, sen­tia que a ti­a­a­vó se ar­re­pen­dia de ter aban­do­na­do os aviões. Era uma das ti­as-avós mais que­ri­das, con­ta Ri­car­do Sá Fernandes

Ma­ria de Lour­des Sá Tei­xei­ra po­sa jun­to do avião, em 1927, era ain­da uma apren­diz de avi­a­do­ra. Ape­sar do es­ti­lo ir­re­ve­ren­te, era elo­gi­a­da pe­la ele­gân­cia

Ao cen­tro, a avi­a­do­ra, de cha­péu bran­co. À esq., o pai, Afon­so Bo­te­lho de Sá Tei­xei­ra 1

2Ma­ria de Lour­des (à di­rei­ta) com a so­bri­nha, mãe de Ri­car­do Sá Fernandes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.