Abrir os olhos no Pra­do

Sábado - - CRÓNICA - O Jor­na­lis­ta Pedro Mar­ta Santos

POR VE­ZES É AS­SIM: no mes­mo lu­gar con­cen­tram-se a de­si­lu­são e a es­pe­ran­ça. Se Es­pa­nha as­si­na­lou no úl­ti­mo fim de se­ma­na a che­ga­da da ex­tre­ma-di­rei­ta a um par­la­men­to ibé­ri­co, com os 12 de­pu­ta­dos do Vox na as­sem­bleia da An­da­lu­zia – o El Mun­do con­fir­ma que o par­ti­do ar­re­ca­dou vo­tos em mu­ni­cí­pi­os on­de fez cam­pa­nha con­tra os “in­va­so­res” vin­dos de África (os que não mor­re­ram na tra­ves­sia do Me­di­ter­râ­neo, pre­su­me-se) –, ar­ran­ca­ram há di­as as co­me­mo­ra­ções do bi­cen­te­ná­rio do Pra­do. Por­que a ar­te é o me­lhor fil­tro da re­a­li­da­de, ter­mos um dos me­lho­res mu­seus do mun­do a 400 qui­ló­me­tros da fron­tei­ra e não o vi­si­tar­mos re­gu­lar­men­te é a pri­mei­ra ce­dên­cia aos mo­vi­men­tos po­pu­lis­tas que zum­bem pe­la Eu­ro­pa co­mo um en­xa­me de ves­pas. Ve­láz­quez, Ru­bens, Ti­ci­a­no ou Bru­eghel, o Ve­lho são po­de­ro­sos ace­le­ra­do­res de par­tí­cu­las on­de des­co­bri­mos, ex­plo­são a ex­plo­são, os ele­men­tos-ba­se do que é ser hu­ma­no. Até 10 de Mar­ço, a mos­tra UnLu­gar­deMe­mo­ria ex­pli­ca-nos co­mo um pra­do ver­de­jan­te – o no­me vem des­sa re­pou­sa­da sim­pli­ci­da­de – se trans­for­mou, pas­so a pas­so, num dos mai­o­res mu­seus da Eu­ro­pa a se­guir ao in­to­cá­vel Lou­vre. Foi a por­tu­gue­sís­si­ma Isa­bel de Bra­gan­ça que con­ven­ceu o ma­ri­do, Fer­nan­do VII, a abrir as co­lec­ções da co­roa ao pra­zer pú­bli­co em 1819, num pro­ces­so que cul­mi­na­ria na pas­sa­gem de mu­seu re­al a na­ci­o­nal em 1868. O Pra­do é o pri­mei­ro con­tac­to de mi­lhões de es­pa­nhóis – e de mi­lha­res de por­tu­gue­ses – com o re­a­lis­mo fa­bu­la­dor de Bot­ti­cel­li (as ce­nas da His­tó­ria de Nas­ta­gio De­gli Ones­ti), o sim­bo­lis­mo abra­si­vo de Bos­ch (O Jar­dim das De­lí­ci­asTer­re­nas, ex­pan­din­do a pa­rá­bo­la de As Ten­ta­ções de Santo An­tão), o abis­sal enig­ma nar­ra­ti­vo de Ve­láz­quez (LasMe­ni­nas, es­sa lon­ga-me­tra­gem lyn­chi­a­na de 1657), o ape­ti­te om­ní­vo­ro da gu­er­ra (Sa­tur­no De­vo­ran­do a Su Hi­jo).

As te­las do Pra­do ins­pi­ra­ram ar­tis­tas mo­der­nos e con­tem­po­râ­ne­os co­mo Ma­net, Pi­cas­so e Pol­lock na de­nún­cia do hor­ror e na rei­ni­ci­a­ção do mis­té­rio. Uma vez por ano, o lí­der do Vox, o bas­co San­ti­a­go Abas­cal, po­de­ria en­fi­ar-se no seu Se­at, pa­rar no Pa­seo del Pra­do, atra­ves­sar as ga­le­ri­as, sen­tar-se em fren­te ao Los Fu­si­la­mi­en­tos en la Mon­taña del Prín­ci­pe Pío de Goya e pou­sar a Smith & Wes­son que nun­ca lar­ga – com­prou-a “pri­mei­ro pa­ra pro­te­ger o meu pai, ago­ra pa­ra pro­te­ger os meus fi­lhos”. Tal­vez apren­des­se al­gu­ma coi­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.