Al­ba­no Je­ró­ni­mo faz de Só­cra­tes em díp­ti­co de pe­ças de Mic­kaël de Oli­vei­ra

Mic­kaël de Oli­vei­ra es­cre­veu e en­ce­na Só­cra­tes Tem de Mor­rer, um díp­ti­co de du­as pe­ças em que Al­ba­no Je­ró­ni­mo é o fi­ló­so­fo con­de­na­do à mor­te e de­pois, num mun­do no­vo, re­en­car­na num gru­nho ame­ri­ca­no. A es­treia é quin­ta, dia 6, no São Luiz.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ri­ta Ber­trand

A te­o­ria so­crá­ti­ca de que só a mor­te per­mi­te o co­nhe­ci­men­to pu­ro é le­va­da ao li­mi­te – “e o li­mi­te é o ter­ro­ris­mo”, diz o au­tor

ES­TE SÓ­CRA­TES não é o ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro por­tu­guês, mas o fi­ló­so­fo gre­go cu­jo pen­sa­men­to re­sis­tiu ao tem­po gra­ças ao dis­cí­pu­lo Pla­tão, que o ver­teu em diá­lo­gos es­cri­tos, em obras co­mo Crí­ton ou Fé­don. Pa­ra cri­ar o seu no­vo es­pec­tá­cu­lo – Só­cra­tes Tem de Mor­rer, um díp­ti­co de du­as pe­ças, em es­treia na quin­ta-fei­ra, 6, no São Luiz –, Mic­kaël de Oli­vei­ra par­tiu pre­ci­sa­men­te des­ta úl­ti­ma, que nar­ra os úl­ti­mos di­as do fi­ló­so­fo no cár­ce­re, à es­pe­ra da exe­cu­ção (que de­se­ja) e em que enun­cia o seu dis­cur­so so­bre a imor­ta­li­da­de da al­ma (que tor­na a mor­te de­se­já­vel). No 1º episódio do díp­ti­co – A Mor­te de Só­cra­tes, um “iné­di­to, mui­to li­vre, se­gun­do o au­tor –, Al­ba­no Je­ró­ni­mo in­ter­pre­ta o fi­ló­so­fo, ro­de­a­do de ami­gos (os ac­to­res Pau­lo Pin­to, Pedro La­cer­da, Ma­ria Lei­te e Ana Bus­torff) que ten­tam con­ven­cê-lo a per­ma­ne­cer vi­vo. Con­tu­do, ele man­tém-se con­vic­to de que a mor­te é pre­fe­rí­vel, sen­do o cor­po um im­pe­di­men­to ao co­nhe­ci­men­to pu­ro, e eles aca­bam por con­cor­dar. Ela­bo­ram en­tão um pla­no pa­ra atin­gir es­se mun­do utó­pi­co, sá­bio, fun­dan­do um gru­po ter­ro­ris­ta (não é a vi­da de­pois da mor­te que os jus­ti­fi­ca a to­dos?) e uma aca­de­mia que o per­pe­tue. “Au­men­tei a te­o­ria até ao li­mi­te, e o li­mi­te é, ob­vi­a­men­te, o ter­ro­ris­mo”, jus­ti­fi­ca o au­tor, que no 2º episódio do díp­ti­co, A Vi­da de John Smith, de­se­nha “um mun­do pu­ri­fi­ca­do, num fu­tu­ro de fic­ção ci­en­tí­fi­ca, de­pois da im­plo­são da Ter­ra.” Aí, a aca­de­mia (e sua as­sem­bleia, que é um co­ro que, em pal­co, can­ta) ze­la pe­la uto­pia, “ide­o­lo­gia úni­ca que im­pli­ca ma­tar os ini­mi­gos”. Só que on­de há hu­ma­nos há con­fli­tos, e “nes­te pla­ne­ta em que os mor­tos-vi­vos, que sim­bo­li­zam o ou­tro, a al­te­ri­da­de, são a gran­de ame­a­ça, al­guns equa­ci­o­nam dei­xar de ma­tar e abor­tar a uto­pia”. Nes­te episódio, em que tu­do re­me­te pa­ra a dé­ca­da de 1990, “co­mo um mu­seu do an­ti­go mun­do”, Al­ba­no Je­ró­ni­mo tor­na-se John Smith, o an­ti-he­rói, gru­nho nor­te-ame­ri­ca­no. Sen­do ele um idi­o­ta, po­de­rá ser a re­en­car­na­ção de Só­cra­tes ou es­ta­rá ali por en­ga­no? Res­pos­tas no díp­ti­co que Mic­kaël de­fi­ne co­mo “uma tra­gé­dia com­ple­xa, co­mo a vi­da é, com mo­men­tos có­mi­cos, até hi­la­ri­an­tes, pa­ra rir, um lado po­lí­ti­co e al­gum me­lo­dra­ma”.

O se­gun­do episódio traz ao pal­co a uto­pia do pri­mei­ro, tor­na­da re­a­li­da­de. O pro­ble­ma são os mor­tos-vi­vos que é pre­ci­so ma­tar...

No pri­mei­ro episódio, Al­ba­no Je­ró­ni­mo é Só­cra­tes; no se­gun­do, re­nas­ce co­mo John Smith, um gru­nho; te­rão a mes­ma al­ma?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.