O QUE VER EM BELGRADO

Vi­a­gem à ca­pi­tal da Ju­gos­lá­via e ao seu char­me in­tem­po­ral sem gran­des si­nais da gu­er­ra

Sábado - - SUMÁRIO - Por Filipe La­me­las

HABITUÁMO-NOS a di­a­bo­li­zar os sér­vi­os, o que até ser­viu bem os in­te­res­ses de quem pla­ne­ou o des­mem­bra­men­to da Ju­gos­lá­via. O nor­mal, aliás, sem­pre foi di­zer que os sér­vi­os são “os maus”, que con­tro­la­ram e sub­ju­ga­ram, in­fin­da­vel­men­te, as ou­tras na­ções dos Bal­cãs. Ain­da as­sim, em 1914, em Vi­e­na, ca­pi­tal do po­de­ro­so im­pé­rio aus­tro­bar­de­a­men­tos,

Quan­do se che­ga a Belgrado per­ce­be-se que Kus­tu­ri­ca ti­nha ra­zão quan­do re­tra­tou os sér­vi­os co­mo uma es­pé­cie de bons ma­lan­dros

-hún­ga­ro, era co­mum ouvir-se um jin­gle que ti­nha co­mo re­frão “to­dos os sér­vi­os de­vem mor­rer”. Pe­la mes­ma al­tu­ra, es­cre­veu-se um po­e­ma, na Eslovénia, mais tar­de imor­ta­li­za­do no

slo­gan “sér­vi­os nos sal­guei­ros”, par­ti­cu­lar­men­te apre­ci­a­do pe­las forças fas­cis­tas da Croá­cia, na II Gu­er­ra Mun­di­al.

E no meio dis­to tu­do, quan­do che­ga­mos a Belgrado, ve­mos que, afi­nal, Kus­tu­ri­ca ti­nha ra­zão quan­do, em Un­der­ground:

Era uma Vez um País, re­tra­tou os sér­vi­os co­mo uma es­pé­cie de “bons ma­lan­dros”. Li­ção nú­me­ro um: evi­tar apa­nhar um tá­xi na es­ta­ção de com­boi­os. Os bons ma­lan­dros não fa­zem mal a nin­guém e só que­rem ga­nhar uns tro­cos à cus­ta dos tu­ris­tas. Ain­da as­sim, por €15 e por­que não sou ale­mão, pre­fi­ro fa­zer 2.800 me­tros a pé. Não fos­se uma boa al­ma sér­via a cha­mar ou­tro tá­xi (com um cus­to de €3,50) e te­ria ido, de mo­chi­la às cos­tas até ao apar­ta­men­to.

O char­me in­tem­po­ral

Ti­nham pas­sa­do se­te anos des­de a úl­ti­ma visita (e no­ve des­de a pri­mei­ra) e Belgrado man­tém aque­le char­me in­tem­po­ral de quem pou­co se in­te­res­sa pelo que se passa no res­to do mun­do. Pra­ti­ca­men­te sem si­nais ou ci­ca­tri­zes de gu­er­ra e de bom- tor­nou-se de­ma­si­a­do vi­bran­te pa­ra per­der tem­po a la­men­tar-se com es­tó­ri­as do pas­sa­do.

Sem­pre ti­ve a sen­sa­ção de que Belgrado cria as su­as pró­pri­as ten­dên­ci­as e que, com uma dig­ni­da­de pro­vo­ca­do­ra, não é uma ci­da­de pen­sa­da pa­ra o tu­ris­ta. Ain­da que os seus ha­bi­tan­tes se­jam an­fi­triões ím­pa­res, de mil cui­da­dos e de­li­ca­de­zas com as quais os por­tu­gue­ses – que tan­to se ga­bam da sua hos­pi­ta­li­da­de – po­dem so­men­te so­nhar al­me­jar, Belgrado in­sis­te em não ser con­quis­ta­da por hor­das de tu­ris­tas. Eram 11 e qual­quer coi­sa, já pró­xi­mo da meia-noi­te, de uma se­gun­da-fei­ra, quan­do che­guei e não pu­de dei­xar de pen­sar que, àque­la ho­ra, Ma­drid, Bar­ce­lo­na, Pa­ris ou Lon­dres, fi­ca­vam no bol­so de Belgrado, que, tal co­mo há qua­se 10 anos, con­ti­nua per­ma­nen­te­men­te vi­va e pul­san­te.

Na vi­a­gem de tá­xi, a ca­mi­nho do apar­ta­men­to – qual­quer lo­cal em Sta­ri Grad (zo­na an­ti­ga da ci­da­de) é uma boa op­ção pa­ra fi­car, des­de Dor­col, Te­ra­zi­je ou até Ska­dar­li­ja, de­pen­den­do do ti­po de per­noi­ta que se pre­ten­de –, quan­do atra­ves­sá­mos a Pra­ça da Re­pú­bli­ca, re­lem­brei a mag­ni­fi­cên­cia e a be­le­za da­que­la ci­da­de. Co-

Ce­tinjs­ka, an­tes zo­na se­mi-in­dus­tri­al vo­ta­da ao aban­do­no, é ho­je em dia um dos es­pa­ços mais vi­bran­tes da ci­da­de, ape­li­da­da de Lit­tle Ber­lin

me­tei que Belgrado tem qual­quer coi­sa que a apro­xi­ma de Ma­drid e, a jul­gar pe­la ex­pres­são da mi­nha in­ter­lo­cu­to­ra, a ob­ser­va­ção fez sen­ti­do. Tal­vez se­ja o rit­mo, a ar­qui­tec­tu­ra ou, tão-só, a for­ma co­mo as ru­as fo­ram de­se­nha­das. De­pois de pas­sar pelo apar­ta­men­to (op­tei por fi­car em Te­ra­zi­je, não mui­to lon­ge do sump­tu­o­so Ho­tel Mos­co­vo, o que se re­ve­lou acer­ta­do), pen­sei que, da­do o adi­an­ta­do da ho­ra, ti­nha de me so­cor­rer de uma Piz­za Hut ou de um McDo­nald’s. Mal eu sa­bia que ia, de fac­to, jan­tar piz­za – só não uma piz­za qual­quer. Na ver­da­de, já por vol­ta das 24h, fui le­va­do até a um sí­tio – que es­tou cer­to que se o

chefL­ju­bo­mir pu­des­se, ten­ta­ria en­cer­rar – cha­ma­do Buc­ko (que sig­ni­fi­ca chubby ou ana­fa­do, no nos­so por­tu­guês). Cha­mo-lhe sí­tio por­que não era pro­pri­a­men­te um res­tau­ran­te mas uma es­pé­cie de bal­cão com uma ja­ne­la mi­nús­cu­la, que da­va pa­ra a rua, com uma fi­la in­fin­dá­vel e sem tu­ris­tas à vis­ta, que ser­via umas piz­zas com um top­ping in­vul­gar: be­ef

sa­lad. De­pois de, sen­ta­do no pas­seio, e ao fim de du­as fa­ti­as, me ter aper­ce­bi­do que não ia co­mer o res­to da piz­za dis­se “vo­cês comem mui­to”. Co­mo res­pos­ta ti­ve o sor­ri­so iró­ni­co sér­vio, além do epí­te­to de fra­co. E é por is­so que eles são tão es­pe­ci­ais: tão rá­pi­do nos re­ve­lam os se­gre­dos da sua ci­da­de co­mo a se­guir nos ri­di­cu­la­ri­zam pe­la nos­sa au­sên­cia de “ser­bi­a­nis­mo”.

Ain­da que a ida pa­ra o apar­ta­men­to me pa­re­ces­se uma op­ção, até por­que já era qua­se 1h de se­gun­da-fei­ra, foi-me su­ge­ri­da uma ida até Ska­dar­li­ja, a Mont­mar­tre Sér­via, pa­ra um co­po. De­pois de ter si­do ape­li­da­do de fra­co, não po­dia re­cu­sar.

O en­can­to de Ska­dar­li­ja não é de ago­ra e em fi­nais do sé­cu­lo XIX já era um lo­cal afa­ma­do, on­de a eli­te cul­tu­ral e ar­tís­ti­ca da re­gião se en­con­tra­va e, mui­tas ve­zes, vi­via, sen­do dé­ca­das an­tes co­nhe­ci­do co­mo o Bair­ro dos Ci­ga­nos. A fa­ma man­te­ve-se des­de en­tão e a rua, que ron­da os 500 me­tros, pa­re­ce per­ma­nen­te­men­te ocu­pa­da por um es­pí­ri­to boé­mio que, de fac­to, já não é des­tes tem­pos.

O “de­se­jo das don­ze­las”

Além de vá­ri­os res­tau­ran­tes afa­ma­dos, há um con­jun­to de ba­res clás­si­cos que, além da cer­ve­ja, se de­di­cam à pre­pa­ra­ção de cock­tails. Li­ção nú­me­ro dois: pa­ra um bar­man sér­vio, o ho­mem tem de be­ber uma bebi­da com te­or al­coó­li­co superior ao da mu­lher que o acom­pa­nha (es­ta coi­sa do “fra­co” es­tá-lhes en­tra­nha­da). Mas ain­da que es­ta noi­te te­nha si­do re­ser­va­da pa­ra uma bebi­da, uns di­as de­pois re­gres­sa­ria a Ska­dar­li­ja pa­ra uma re­fei­ção. O am­bi­en­te da rua, por vol­ta da ho­ra de jan­tar, é subs­tan­ci­al­men­te di­fe­ren­te: mais familiar e, ao mes­mo tem­po, com um to­que tra­di­ci­o­na­lis­ta. Uma vez mais, gra­ças ao hu­mor sér­vio, su­ge­ri­ram-me que, co­mo pra­to prin­ci­pal, es­co­lhes­se ka­ra­dor­de­va sni­cla, uma es­pé­cie de bi­fe en­ro­la­do e pa­na­do, com um re­cheio de quei­jo, que – sou­be de­pois – é co­nhe­ci­do co­mo o “de­se­jo das don­ze­las”, de­vi­do à sua for­ma fá­li­ca. En­quan­to al­guém se di­ver­tia à mi­nha cus­ta, Ska­dar­li­ja con­ti­nu­a­va a aco­lher um con­jun­to de ban­das de rua que se de­men­tei

di­ca­vam a to­car mú­si­ca po­pu­lar dos Bal­cãs e, de al­gu­ma for­ma, a se­du­zir os tu­ris­tas que por ali pas­sa­vam.

A mi­nha ex­pe­ri­ên­cia mais mar­can­te no que a jan­ta­res diz res­pei­to acon­te­ceu, no en­tan­to, na ida ao Lit­tle Bay. As­sim que en­tra­mos na sa­la so­mos sur­pre­en­di­dos por uma de­co­ra­ção bar­ro­ca, on­de a ta­lha dou­ra­da abun­da, que mi­me­ti­za as es­pe­ci­fi­ci­da­des de uma sa­la de te­a­tro clás­si­ca. In­clu­si­va­men­te, além da­qui­lo que po­de­mos de­sig­nar por me­sas nor­mais, há um con­jun­to de ca­ma­ro­tes (com cor­ti­nas que po­dem ser cor­ri­das e ter pri­va­ci­da­de to­tal) que ser­vem co­mo es­pa­ço de re­fei­ção. O me­nu é va­ri­a­do e a car­ta de vi­nhos in­fin­dá­vel (in­clui vi­nhos por­tu­gue­ses). Os pra­tos são ela­bo­ra­dos, a con­fec­ção mui­to aci­ma da mé­dia e o ser­vi­ço é ir­re­pre­en­sí­vel. Is­to so­ma­do à be­le­za e à ori­gi­na­li­da­de do es­pa­ço fa­zem com que a ex­pe­ri­ên­cia se­ja úni­ca. Belgrado con­vi­da a lon­gos pas­sei­os pe­las ru­as e pra­ças, sem re­cei­os de nos per­der­mos ou de ir pa­rar a sí­ti­os me­nos acon­se­lhá­veis. Na re­gião de Sta­ri Grad, ca­da pra­ça ou rua tem uma fun­ção ou uma am­bi­ên­cia pró­pria e é nor­mal, em pou­cos me­tros, sen­tir­mos que estamos em ci­da­des di­fe­ren­tes. E se é pa­ra an­dar, além do pas­seio pe­la zo­na da Pra­ça da Re­pú­bli­ca e de Te­ra­zi­je, há sem­pre a op­ção de ca­mi­nhar pe­las lon­gas ave­ni­das até se en­con­trar um pe­da­ço da his­tó­ria dos Bal­cãs, co­mo su­ce­de, por exem­plo, com Sve­ti Sa­va, a mai­or igre­ja or­to­do­xa da­que­la re­gião e a se­gun­da mai­or do mun­do. Tam­bém se jus­ti­fi­ca a ca­mi­nha­da de 20 mi­nu­tos do cen- tro ao mu­seu Tes­la, que, além de vá­ri­os ob­jec­tos pes­so­ais do in­ven­tor sér­vio, tem uma visita gui­a­da que per­mi­te uma in­te­rac­ção com al­gu­mas das in­ven­ções (ori­gi­nais e não ape­nas ré­pli­cas) mais mar­can­tes de Ni­ko­la Tes­la. Se é pa­ra dar cor­da aos sa­pa­tos, uma ida a Knez Mihai­lo­va é obri­ga­tó­ria. Não só por ser uma das mais be­las ru­as pe­des­tres da re­gião dos Bal­cãs mas tam­bém por­que é um lo­cal de co­mér­cio por ex­ce­lên­cia, um Chi­a­do à di­men­são de Belgrado, cir­cun­da­do por al­guns dos edi­fí­ci­os mais mar­can­tes da ci­da­de. Num re­gis­to mais tran­qui­lo, no úl­ti­mo dia em Belgrado op­tei pelo pe­que­no-al­mo­ço em Pe­ka­ra Trip­ko­vic, de­pois de ser sub­me­ti­do a uma la­va­gem ce­re­bral. A ver­da­de é que a ida va­leu a pe­na por aque­le que é, de­fi­ni­ti­va­men­te, o me­lhor

bu­rek da ci­da­de.

De­pois de ter saí­do de Belgrado e en­tra­do na Sér­via “mais pro­fun­da”, con­ti­nu­ei com a sen­sa­ção de que aque­la é a mi­nha ci­da­de de elei­ção. Não só por­que os sér­vi­os são um po­vo in­crí­vel mas, aci­ma de tu­do, por­que Belgrado con­ti­nua a ser aque­la ci­da­de que não quer saber. Con­ti­nua a di­tar as su­as re­gras, os seus rit­mos e a con­ta­gi­ar os vi­si­tan­tes com um char­me ini­gua­lá­vel. Belgrado é o me­lhor se­gre­do dos Bal­cãs, aque­le que não par­ti­lho com nin­guém.

Va­le a pe­na uma ida à gen­tri­fi­ca­da Sa­va­ma­la, que se tor­nou num dos lu­ga­res mais icó­ni­cos – no que à di­ver­são diz res­pei­to – da ci­da­de

Vis­ta pa­ra o Da­nú­bio a par­tir da Ka­le­meg­dan, a for­ta­le­za de Belgrado, pon­to obri­ga­tó­rio pa­ra fo­to­gra­fi­as

Ka­le­meg­dan, a for­ta­le­za de Belgrado, e o res­pec­ti­vo par­que são lo­cais a vi­si­tar, es­pe­ci­al­men­te por quem vai a Belgrado pe­la pri­mei­ra vez

À es­quer­da, o ho­tel Mosk­va, um dos mais icó­ni­cos da ci­da­de, e à di­rei­ta o bair­ro de Ska­dar­li­ja, zo­na boé­mia de Belgrado

Knez Mihai­lo­va é imperdível não só por ser uma das mais be­las ru­as pe­des­tres dos Bal­cãs mas por­que é um lo­cal de co­mér­cio

Guar­dar uma noi­te pa­ra um jan­tar ou um co­po em Ska­dar­li­ja é um must da ci­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.