JOÃO PE­DRO GE­OR­GE

Sábado - - SUMÁRIO -

Bem sa­bi­do é que, pa­ra o fi­ló­so­fo do re­gi­me – Edu­ar­do Lou­ren­ço –, Por­tu­gal é um lu­gar es­tra­nho, alu­ci­na­do. So­fre de tan­tas do­en­ças men­tais, con­gre­ga em si tan­tas psi­co­pa­to­lo­gi­as que pa­re­ce fa­bri­ca­do de pro­pó­si­to pa­ra os psi­ca­na­lis­tas. Que mais po­de­ria pe­dir um psi­ca­na­lis­ta? Por­tu­gal é um pa­raí­so pa­ra os freu­di­a­nos, for­ne­ce ma­té­ria in­te­res­san­tís­si­ma pa­ra os cul­to­res da psi­ca­ná­li­se, es­tá re­ple­to de sin­to­mas que cons­ti­tu­em ver­da­dei­ras fer­ra­men­tas de tra­ba­lho pa­ra o psi­ca­na­lis­ta. Se ten­tás­se­mos cri­ar um país em la­bo­ra­tó­rio, co­mo Por­tu­gal, não da­ria cer­to (co­mo Por­tu­gal, de res­to, que tam­bém nun­ca deu cer­to). Quan­to mais se apro­fun­da na His­tó­ria de Por­tu­gal, mais in­ve­ro­sí­mil ela fi­ca. To­das as his­tó­ri­as da His­tó­ria de Por­tu­gal são, no fun­do, im­pro­vá­veis (o que só au­men­ta o seu fas­cí­nio), dão-nos ele­men­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra sa­ber que a gai­o­la em que vi­ve­mos não é um país, é um so­nho e um mito. É um ve­lho do­en­te de­so­ri­en­ta­do a quem es­tão sem­pre a acon­te­cer coi­sas que só acon­te­cem aqui, nes­te dor­mi­tó­rio da Eu­ro­pa; é um de­men­te que pre­ci­sa de cui­da­dos es­pe­ci­ais e a quem, de­pois de uma vi­a­gem de LSD que cor­reu mal, cos­tu­mam ser in­jec­ta­das do­ses ca­va­la­res de an­tip­si­có­ti­cos. De­pois de lan­çar vá­ri­os olha­res ao con­jun­to da His­tó­ria de Por­tu­gal e ao an­da­men­to da Li­te­ra­tu­ra Por­tu­gue­sa, Edu­ar­do Lou­ren­ço per­ce­beu que é im­pos­sí­vel en­ten­der a re­a­li­da­de por­tu­gue­sa sem ler um ma­nu­al de psi­qui­a­tria. Na ver­da­de, qua­se to­da a sua obra é uma acu­mu­la­ção de ves­tí­gi­os dis­per­sos do ima­gi­ná­rio por­tu­guês, da­qui­lo que nos ul­tra­pas­sa e que nos ne­ga­mos a ad­mi­tir, aqui­lo que re­al­men­te sob as coi­sas se es­con­de e atra­vés do qual, in­cons­ci­en­te­men­te, ve­mos e nos ve­mos no mun­do. O pro­jec­to in­te­lec­tu­al de Lou­ren­ço é fa­zer-nos ace­der aos do­mí­ni­os e às re­la­ções in­vi­sí­veis e cor­res­pon­dên­ci­as se­cre­tas que com­põem o in­cons­ci­en­te ou o recôn­di­to la­bi­rin­to in­te­ri­or de Por­tu­gal e que es­ca­pam à cons­ci­ên­cia dos Por­tu­gue­ses. Pa­ra tal, co­me­ça por sis­te­ma­ti­zar as pa­to­lo­gi­as psi­quiá­tri­cas mais co­muns, de­pois trans­fe­re-as pa­ra a so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa co­mo uma to­ta­li­da­de, on­de pe­los vis­tos se ve­ri­fi­ca uma dis­tri­bui­ção ho­mo­gé­nea de di­ver­sos tra­ços psi­co­ló­gi­cos, e cons­trói fi­nal­men­te uma no­ção es­qui­va, res­va­la­di­ça e va­ga que não quer di­zer na­da: a psi­que so­ci­al por­tu­gue­sa.

O que é a psi­que so­ci­al por­tu­gue­sa pa­ra Lou­ren­ço? É uma psi­que que so­fre de vá­ri­as ma­lei­tas, uma men­te on­de vi­ce­jam (e se ma­ni­fes­tam ci­cli­ca­men­te) de­lí­ri­os, alu­ci­na­ções, ob­ses­sões, pa­ra­nói­as, fan­tas­mas, tor­po­res, so­nam­bu­lis­mos, au­tis­mos, nar­ci­sis­mos, ma­so­quis­mos, au­to­fla­ge­la­ções, é um com­pos­to de es­qui­zo­fre­ni­as, ma­ni­as, de­pres­sões, neu­ro­ses, etc. To­dos es­tes fe­nó­me­nos que nos ro­dei­am são uma cons­tan­te his­tó­ri­ca e se não jus­ti­fi­cam, pe­lo me­nos aju­dam a ex­pli­car que Por­tu­gal se­ja um país flu­tu­an­te e ab­sur­da­men­te or­ga­ni­za­do, que se ca­rac­te­ri­za por uma ina­de­qua­ção cró­ni­ca en­tre os Por­tu­gue­ses e a re­a­li­da­de. Es­ta nos­sa in­ca­pa­ci­da­de de “exis­tir­mos e nos ver­mos tais co­mo so­mos”, ou de “nos com­pre­en­der­mos em ter­mos re­a­lis­tas”, faz com que os vo­cá­bu­los que po­vo­am o con­jun­to dos li­vros de Lou­ren­ço e que su­por­tam o pe­so do seu pen­sa­men­to per­ten­çam qua­se to­dos ao gé­ne­ro ina-

ni­ma­do ou imó­vel, co­mo “im­po­tên­cia”, “ir­re­a­li­da­de”, “si­lên­cio”, “alhe­a­men­to”, “de­sin­te­res­se”, “apa­tia” ou “pas­si­vi­da­de”.

Tu­do, en­tre nós, é irreal: “a li­te­ra­tu­ra é um irreal”, “o crí­ti­co é mais irreal do que nun­ca”, o dis­cur­so poé­ti­co é “pu­ra ir­re­a­li­da­de on­to­ló­gi­ca”, “a ene­vo­a­da pai­sa­gem de as­som­bro­so ir­re­a­lis­mo his­tó­ri­co, po­lí­ti­co e so­ci­al que é a nos­sa nos di­as que cor­rem”, “a ocul­ta­ção so­ci­o­ló­gi­ca da re­a­li­da­de Exér­ci­to as­si­na­la­va jus­ta­men­te o grau su­pre­mo do ir­re­a­lis­mo da so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa”, “o nos­so lon­go pas­sa­do de ir­re­a­lis­mo his­tó­ri­co e po- lí­ti­co”, a “al­ma his­to­ri­ca­men­te ali­e­na­da e oca­si­o­nal­men­te bê­be­da de to­do um po­vo ba­nha­do nas de­lí­ci­as de uma mi­to­lo­gia ir­re­a­lis­ta”, a “re­la­ção ir­re­a­lis­ta que man­te­mos con­nos­co mes­mos”, “o ir­re­a­lis­mo pro­di­gi­o­so da ima­gem que os Por­tu­gue­ses se fa­zem de si mes­mos” ou “a Na­ção in­tei­ra e ca­da de um nós em par­ti­cu­lar” es­ta­mos imer­sos num “ir­re­a­lis­mo his­tó­ri­co”.

Ao ir­re­a­lis­mo jun­ta-se o si­lên­cio ou mu­tis­mo: “a cor­ti­na de si­lên­cio que há 30 anos im­pe­de um mí­ni­mo de diá­lo­go na­ci­o­nal atin­ge nes­te mo­men­to o má­xi­mo de aber­ra­ção e de dra­ma­tis­mo”, “a vi­gên­cia do si­lên­cio, da não fa­la cul­tu­ral”, “si­lên­cio es­pes­so do que ha­bi­tu­al­men­te nos diz res­pei­to e nós ilu­di­mos com a aten­ção hi­per­tro­fi­a­da que pres­ta­mos ao alheio”, o “ir­res­pi­rá­vel e cri­mi­no­so si­lên­cio que cons­ti­tui a es­sên­cia do Re­gi­me”, o Exér­ci­to “ja­mais fa­la se­não pa­ra con­ser­var o seu pa­pel de mu­do su­pre­mo”. Por ou­tras pa­la­vras, “ter­mi­nou sem dúvida o si­lên­cio maiús­cu­lo da nos­sa an­ti­ga cul­tu­ra, mas pa­ra dar lu­gar a um plu­ra­lis­mo de si­lên­ci­os de al­gum mo­do tão per­ni­ci­o­sos co­mo o an­te­ri­or. Es­cu­sa­do se­rá di­zer que o si­lên­cio re­la­ti­vo às úl­ti­mas pe­ri­pé­ci­as da nos­sa aven­tu­ra im­pe­ri­al e do seu fim re­su­me e co­roa to­dos os ou­tros”. O si­lên­cio in­va­de tu­do em Lou­ren­ço, até os tí­tu­los da sua bi­bli­o­gra­fia: O Si­lên­cio dos In­te­lec­tu­ais, O(s) Si­lên­cio(s) de Má­rio So­a­res, Al­ba­no Mar­tins – En­tre Dois Si­lên­ci­os, An­ti­go e No­vo Si­lên­cio, En­tre o Ser e o Si­lên­cio, Eu­gé­nio de An­dra­de En­tre o Êx­ta­se e o Si­lên­cio. (Con­ti­nua)

P.S. Na cró­ni­ca an­te­ri­or pro­me­ti que es­ta se­ma­na me des­cen­tra­ria da obra de Edu­ar­do Lou­ren­ço e que fa­la­ria so­bre­tu­do da vul­ga­ri­za­ção, en­tre a nos­sa opinião es­cri­ta, da lin­gua­gem psi­quiá­tri­ca apli­ca­da a Por­tu­gal co­mo in­di­ví­duo co­lec­ti­vo. Não cum­pri, co­mo se vê. Lá che­ga­re­mos. Te­nham pa­ci­ên­cia. A cró­ni­ca, co­mo já te­rão per­ce­bi­do, é um sí­tio on­de se che­ga e don­de se sai por­vá­ri­os ca­mi­nhos.

MISS INÊS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.