Gre­ves

Um acor­do por exe­cu­tar em Se­tú­bal, ou­tro ras­ga­do em Lis­boa e uma gu­er­ra sin­di­cal em Lei­xões. A ins­ta­bi­li­da­de es­tá pa­ra du­rar.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Bru­no Fa­ria Lo­pes

Con­ti­nua a ins­ta­bi­li­da­de nos por­tos

Oa­no ar­ran­cou nos por­tos na­ci­o­nais com mais um pré-anún­cio de gre­ve do sin­di­ca­to SEAL. A gre­ve dis­cri­mi­na so­bre­tu­do as car­gas fei­tas por um gru­po de ope­ra­do­res por­tuá­ri­os, o Gru­po Sou­sa, e afe­ta dois por­tos im­por­tan­te nas ilhas. Anu­la­da, por ago­ra, es­tá a gre­ve às ho­ras su­ple­men­ta­res que du­ra­va des­de me­a­dos de agos­to do ano pas­sa­do, com im­pac­to mais de­vas­ta­dor nos por­tos que o SEAL do­mi­na, o de Lis­boa e o de Se­tú­bal. Es­ta sus­pen­são par­ci­al da tur­bu­lên­cia es­tá, con­tu­do, pen­den­te das ne­go­ci­a­ções me­di­a­das pe­lo Go­ver­no e há mui­tos obs­tá­cu­los no ca­mi­nho. O fo­co da ten­são não saiu de on­de es­ta­va no Ve­rão pas­sa­do: na ba­ta­lha por in­fluên­cia sin­di­cal do SEAL no mai­or por­to do País, Lei­xões, uma in­fluên­cia que nem o sin­di­ca­to lo­cal, nem os ope­ra­do­res, nem o pró­prio Go­ver­no que­rem ver con­cre­ti­za­da. A in­ten­si­fi­ca­ção da gre­ve em Se­tú­bal em no­vem­bro e em de­zem­bro – com uma pa­ra­li­sa­ção to­tal que to­cou nos in­te­res­ses da joia da co­roa da in­dús­tria em Por­tu­gal, a VW Au­to­eu­ro­pa – con­cen­trou a aten­ção me­diá­ti­ca e po­lí­ti­ca. Mas a tur­bu­lên­cia du­ra­va já des­de o fim de ju­lho e na­da ti­nha a ver com os pre­cá­ri­os de Se­tú­bal, mas sim com as di­fi­cul­da­des de ex­pan­são do SEAL em Lei­xões.

An­tó­nio Ma­ri­a­no, lí­der do sin­di­ca­to mais aguer­ri­do – ou agres­si­vo, se­gun­do os crí­ti­cos – quer tor­nar o SEAL um sin­di­ca­to ver­da­dei­ra­men­te na­ci­o­nal. “Não po­de­mos con­ti­nu­ar dis­per­sos por sin­di­ca­tos lo­cais”, afir­mou em en­tre­vis­ta à SÁ­BA­DO em se­tem­bro de 2018. Pa­ra Ma­ri­a­no, es­ta am­bi­ção “é na­tu­ral fa­ce à mai­or con­cen­tra­ção do ca­pi­tal nos por­tos”, uma re­fe­rên­cia ao gru­po tur­co Yil­port, pre­sen­te em qua­se to­dos os ter­mi­nais de con­ten­to­res do País. A ten­ta­ti­va de ga­nhar quo­ta sin­di­cal em Lei­xões – on­de o SEAL re­pre­sen­ta uma mi­no­ria de as­so­ci­a­dos – es­tá a es­bar­rar na re­sis­tên­cia aber­ta do sin­di­ca­to lo­cal e dos ope­ra­do­res em Lei­xões. O SEAL quei­xa-se de que os seus as­so­ci­a­dos em Lei­xões es­tão a ser

pre­te­ri­dos no aces­so às ho­ras su­ple­men­ta­res, que po­dem va­ler até 40% do sa­lá­rio men­sal, o que clas­si­fi­cam de prá­ti­ca an­tis­sin­di­cal. Ma­ri­a­no cri­ti­ca as em­pre­sas que ope­ram em Lei­xões e não pou­pa o sin­di­ca­to lo­cal, que acu­sa de ser “o bra­ço ar­ma­do dos pa­trões”.

O lí­der sin­di­cal em Lei­xões res­pon­de que é o SEAL que re­cu­sa que o con­tra­to co­le­ti­vo do por­to se­ja es­ten­di­do aos seus as­so­ci­a­dos. “Não há qual­quer dis­cri­mi­na­ção de tra­ba­lha­do­res em Lei­xões”, afir­mou Aris­ti­des Pei­xo­to à SÁ­BA­DO em se­tem­bro. “O que há é uma acu­sa­ção ca­lu­ni­o­sa do SEAL que pre­ten­de ver os seus tra­ba­lha­do­res pri­vi­le­gi­a­dos re­la­ti­va­men­te aos res­tan­tes, pa­ra dar a ima­gem de su­ces­so ne­go­ci­al que não con­se­gue atin­gir”, dis­se. A mi­nis­tra do Mar apon­tou, en­tre­tan­to, que a Au­to­ri­da­de pa­ra as Con­di­ções do Tra­ba­lho não en­con­trou in­dí­ci­os de más prá­ti­cas. O cli­ma é de gu­er­ra: há re­gis­to de um epi­só­dio de ten­são fí­si­ca nu­ma reu­nião e quei­xas de estivadores de Lei­xões, que não se jun­ta­ram à gre­ve de so­li­da­ri­e­da­de pe­los de Se­tú­bal, de ame­a­ças. Es­tas es­tão a ser in­ves­ti­ga­das pe­la PJ, se­gun­do no­ti­ci­ou em de­zem­bro o JN. A acu­sa­ção de dis­cri­mi­na­ção dos estivadores do SEAL foi a prin­ci­pal ra­zão que le­vou o sin­di­ca­to a con­vo­car uma “gre­ve de so­li­da­ri­e­da­de” em to­dos os por­tos no ve­rão pas­sa­do. O pré-anún­cio sur­giu du­as se­ma­nas após o fe­cho do acor­do sa­la­ri­al em Lis­boa, que le­vou me­ses a ne­go­ci­ar. Em resposta, os ope­ra­do­res ras­ga­ram o acor­do. Nes­te mo­men­to, a me­di­a­ção do Go­ver­no ten­ta re­sol­ver três fren­tes ne­go­ci­ais: le­var o acor­do de Se­tú­bal a bom por­to (ain­da não há con­tra­to co­le­ti­vo de tra­ba­lho fe­cha­do); ten­tar re­cu­pe­rar um acor­do pa­ra Lis­boa; e pro­cu­rar re­sol­ver o nó de Lei­xões. Em to­das es­tas fren­tes há obs­tá­cu­los. Em Lis­boa, apu­rou a

SÁ­BA­DO, há pou­ca von­ta­de dos ope­ra­do­res de res­sus­ci­ta­rem um acor­do de au­men­to sa­la­ri­al de 4% após uma de­bi­li­tan­te gre­ve de me­ses. Em Lei­xões, a opo­si­ção à am­bi­ção do SEAL é to­tal e pa­re­ce in­cluir o pró­prio pri­mei­ro-mi­nis­tro que, no au­ge da cri­se em Se­tú­bal, tra­tou o SEAL de for­ma in­vul­gar­men­te du­ra, clas­si­fi­can­do-o co­mo “um for­tís­si­mo con­di­ci­o­na­men­to ao bom fun­ci­o­na­men­to do por­to” que “fe­liz­men­te [o sin­di­ca­to] não es­tá dis­se­mi­na­do por mui­tos por­tos”. Fon­te ofi­ci­al do SEAL diz aguar­dar o des­fe­cho das ne­go­ci­a­ções e afir­ma que a even­tu­al in­ten­si­fi­ca­ção das gre­ves de­pen­de­rá do re­sul­ta­do dos ple­ná­ri­os. Em 2018, os estivadores que ade­ri­ram sa­cri­fi­ca­ram uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va do seu sa­lá­rio na gre­ve às ho­ras ex­tra – a co­e­são em 2019 se­rá um tes­te à ca­pa­ci­da­de de li­de­ran­ça de An­tó­nio Ma­ri­a­no. En­tre­tan­to, con­ti­nua a pai­rar o es­pec­tro da ins­ta­bi­li­da­de nos por­tos de Lis­boa e de Se­tú­bal, com da­nos pa­ra vá­ri­as in­dús­tri­as: da pas­ta de pa­pel aos ci­men­tos, pas­san­do pe­la Au­to­eu­ro­pa e vá­ri­as ou­tras em­pre­sas que ve­em agra­va­dos os cus­tos e os pra­zos de ex­por­ta­ção.

An­tó­nio Ma­ri­a­no li­de­ra o sin­di­ca­to mais com­ba­ti­vo – ou agres­si­vo, se­gun­do os crí­ti­cos – nos por­tos na­ci­o­nais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.