En­tre­vis­ta

Sábado - - SUMÁRIO -

João Oli­vei­ra: pre­si­den­te do IPO fa­la dos pro­gres­sos na lu­ta con­tra o can­cro

“Po­de­mos di­zer que uma boa me­ta­de dos tu­mo­res de­sa­pa­re­ce pa­ra sem­pre”

Pro­lon­gar a so­bre­vi­vên­cia e au­men­tar a ta­xa de cu­ra tem si­do pos­sí­vel em di­ver­sos ti­pos de can­cro, co­mo o de san­gue, da ma­ma, do pul­mão, do tu­bo di­ges­ti­vo ou do in­tes­ti­no. “Apren­de­mos a li­dar com es­ta do­en­ça com me­nos an­gús­tia”, afir­ma João Oli­vei­ra, pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Por­tu­guês de On­co­lo­gia de Lis­boa (IPO). An­tes do no­vo edi­fí­cio – que de­ve­rá es­tar pronto em 2024, no cen­te­ná­rio do hos­pi­tal –, o IPO vai ter es­te ano um blo­co ope­ra­tó­rio com fun­ci­o­na­li­da­des mais mo­der­nas e uma no­va uni­da­de de trans­plan­te de me­du­la. Ape­sar de to­das as va­lên­ci­as, João Oli­vei­ra, de 63 anos, diz que os re­cur­sos hu­ma­nos con­ti­nu­am a ser a mai­or ne­ces­si­da­de. No Dia Mun­di­al do Can­cro, que se as­si­na­la a 4 de fe­ve­rei­ro, o IPO apre­sen­ta­rá um no­vo lo­gó­ti­po e um si­te, que fa­ci­li­ta­rá a co­mu­ni­ca­ção com os do­en­tes, mas “nun­ca subs­ti­tuin­do a in­te­ra­ção em con­sul­ta por con­tac­tos ele­tró­ni­cos”, ga­ran­te o pre­si­den­te.

Es­tar vi­vo de­pois de um can­cro é ca­da vez mais co­mum?

Sim. Há di­ver­sas do­en­ças em que tem si­do pos­sí­vel pro­lon­gar a so­bre­vi­vên­cia e au­men­tar a ta­xa de cu­ra, so­bre­tu­do nas he­ma­to­ló­gi­cas, nos de san­gue e do sis­te­ma lin­fá­ti­co. Os pro­gres­sos têm si­do enor­mes não só nes­sas do­en­ças, mas tam­bém nas mais fre­quen­tes, co­mo os car­ci­no­mas do tu­bo di­ges­ti­vo, do in­tes­ti­no gros­so ou do re­to. Os de­sen­vol­vi­men­tos da ci­rur­gia, as­so­ci­a­da à qui­mi­o­te­ra­pia e à ra­di­o­te­ra­pia, têm al­te­ra­do mui­to quer a lon­ge­vi­da­de quer a for­ma de vi­ver de pes­so­as que ti­ve­ram can­cro.

Quan­do fa­la em do­en­ças fre­quen­tes, re­fe­re-se tam­bém ao can­cro da ma­ma?

Re­fi­ro-me não só ao can­cro da ma­ma, mas so­bre­tu­do ao do in­tes­ti­no gros­so e tam­bém ao do pul­mão, que tem ti­do pro­gres­sos com me­di­ca­men­tos que per­mi­tem con­tro­lar a do­en­ça du­ran­te mais tempo.

Ao uti­li­zar a pa­la­vra “con­tro­lar”, sig­ni­fi­ca que o can­cro é ca­da vez mais uma do­en­ça cró­ni­ca?

A de­sig­na­ção de do­en­ça cró­ni­ca me­re­ce al­gu­ma cau­te­la quan­do clas­si­fi­ca­mos tu­mo­res. O can­cro con­ti­nua a ser uma do­en­ça com uma gran­de de­pen­dên­cia dos cui­da­dos de saú­de, a ter uma gra­vi­da­de po­ten­ci­al e a pre­o­cu­par as pes­so­as de uma ma­nei­ra di­fe­ren­te das ou­tras do­en­ças cró­ni­cas, co­mo as reu­má­ti­cas, car­di­o­vas­cu- la­res ou me­ta­bó­li­cas. De qual­quer mo­do, é im­por­tan­te su­bli­nhar o se­guin­te: de to­das as do­en­ças, com ex­ce­ção das in­fec­ci­o­sas, é na área da on­co­lo­gia que há mai­or ta­xa de cu­ra. Po­de­mos di­zer que uma boa me­ta­de dos tu­mo­res de­sa­pa­re­ce pa­ra sem­pre.

Mas a vi­da vol­ta a ser a mes­ma?

Uma pes­soa di­ag­nos­ti­ca­da com can­cro vai ter a vi­da mo­di­fi­ca­da com­ple­ta­men­te. Po­de-se mui­to bem vi­ver com um pas­sa­do de can­cro ou com um can­cro con­tro­la­do, mas ser so­bre­vi­ven­te de can­cro im­pli­ca uma no­ção de li­ga­ção com um pas­sa­do an­gus­ti­an­te, por cau­sa dos ris­cos de re­ci­di­va. A gran­de mo­di­fi­ca­ção nas so­ci­e­da­des oci­den­tais, em que Por­tu­gal se in­clui, é que apren­de­mos a vi­ver me­lhor com a ideia de can­cro, os prog­nós­ti­cos me­lho­ra­ram e apren­de­mos a li­dar com o can­cro com me­nos an­gús­tia.

Os ca­sos de can­cro têm au-men­ta­do?

Há mais ca­sos de can­cro por­que se vi­ve mais. No fun­do, o can­cro faz par­te da vi­da. As cé­lu­las que se al­te­ram de for­ma a mul­ti­pli­ca­rem-se e a pre­ju­di­ca­rem o fun­ci­o­na­men­to dos ór­gãos são nos­sas e os fe­nó­me­nos que dão ori­gem a es­sa des­re­gu­can­cros

la­ção das cé­lu­las acon­te­cem, de uma for­ma ge­ral, por aca­so. Por­tan­to, quan­to mais tempo es­ti­ver­mos vi­vos mai­or é a pro­ba­bi­li­da­de de ter­mos can­cro. Nes­se sen­ti­do, o au­men­to de nú­me­ro de ca­sos tem au­men­ta­do, mas na pro­por­ção da ida­de, não.

Já es­ta­mos ao ní­vel dos me­lho­res da Eu­ro­pa?

Es­ta­mos. Os pro­gres­sos clí­ni­cos são ado­ta­dos em to­do o la­do, em si­mul­tâ­neo. Po­de-se fa­lar mui­to na des­pe­sa que is­so im­pli­ca, mas não tem si­do um obs­tá­cu­lo.

Em 2018, a des­pe­sa em me­di­ca­men­tos no IPO apro­xi­mou-se dos 50 mi­lhões. O au­men­to de ano pa­ra ano é por­que há mais con­su­mo ou por­que os pre­ços são mais ele­va­dos?

A des­pe­sa é ca­da vez mai­or por­que ca­da no­vo me­di­ca­men­to é sem­pre mais ca­ro que o an­te­ri­or. São mais ca­ros por­que há sem­pre quem pa­gue, não há ne­nhum país que se te­nha re­cu­sa­do a pa­gar. De­pois, exis­te uma ten­dên­cia pa­ra achar que to­dos os me­di­ca­men­tos no­vos são os me­lho­res e nem sem­pre é as­sim.

O IPO con­se­gue dar resposta a tu­do ou pre­ci­sá­va­mos de ou­tro hos­pi­tal co­mo es­te em Lis­boa?

Eu não acho que pre­ci­se­mos de ou­tro IPO. Jul­go que os mei­os que te­mos em Por­tu­gal, no Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de, são glo­bal­men­te su­fi­ci­en­tes pa­ra dar resposta. Não es­tou a fa­lar dos pro­ble­mas cir­cuns­tan­ci­ais co­mo os re­cur­sos hu­ma­nos…

A fal­ta de re­cur­sos hu­ma­nos, no­me­a­da­men­te de anes­te­sis­tas, é um dos mai­o­res dra­mas no IPO?

O exem­plo dos anes­te­sis­tas é pre­men­te por­que eles são ne­ces­sá­ri­os em qua­se to­das as ati­vi­da­des que fa­ze­mos nes­te hos­pi­tal. A ati­vi­da­de tra­di­ci­o­nal dos anes­te­sis­tas, que é ador­me­cer as pes­so­as du­ran­te uma in­ter­ven­ção ci­rúr­gi­ca, ocu­pa ape­nas 30% do seu tempo, o res­to é nos exa­mes en­dos­có­pi­cos, em anes­te­sia de cri­an­ças pa­ra TACs e res­so­nân­ci­as mag­né­ti­cas, em tra­ta­men­tos de ra­di­o­te­ra­pia, na clí­ni­ca da dor ou nos ser­vi­ços de cui­da­dos in­ten­si­vos.

“Exis­te uma ten­dên­cia pa­ra achar que to­dos os me­di­ca­men­tos no­vos são os me­lho­res e nem sem­pre é as­sim” “No âm­bi­to ci­rúr­gi­co, o IPO tem uma di­fe­ren­ci­a­ção in­ve­já­vel nos tu­mo­res di­ges­ti­vos, to­rá­ci­cos e nos de ca­be­ça e pes­co­ço”

Os hos­pi­tais pri­va­dos ofe­re­cem-lhes me­lho­res con­di­ções?

Não sei se são me­lho­res, o que sei é que o ser­vi­ço pú­bli­co tem ti­do di­fi­cul­da­de em fi­xar es­ses pro­fis­si­o­nais. As­sim co­mo os mé­di­cos e não só. To­das as es­pe­ci­a­li­da­des são aqui ne­ces­sá­ri­as e não se jul­gue que o ní­vel de es­pe­ci­a­li­za­ção é ape­nas dos mé­di­cos e dos en­fer­mei­ros – mais fa­cil­men­te pa­ra­mos um blo­co ope­ra­tó­rio por uma gre­ve dos as­sis­ten­tes ope­ra­ci­o­nais do que por uma gre­ve dos mé­di­cos. Pa­ra os pro­fis­si­o­nais com for­ma­ção pa­ra li­dar com a pres­ta­ção de cui­da­dos a do­en­tes não é fá­cil ga­nha­rem o mes­mo se es­ti­ve­rem nu­ma cai­xa de su­per­mer­ca­do. Ten­ta­mos ca­ti­vá-los pe­las con­di­ções de tra­ba­lho e pe­lo re­co­nhe­ci­men­to. Ago­ra, é um cír­cu­lo vi­ci­o­so: se te­mos me­nos pes­so­as, os rit­mos de tra­ba­lho ul­tra­pas­sam o que é ra­zoá­vel e nin­guém se sente sa­tis­fei­to nes­sas cir­cuns­tân­ci­as.

É as­sim tão com­pli­ca­do re­cru­tar pes­so­as?

São pre­ci­sas au­to­ri­za­ções vá­ri­as dos Mi­nis­té­ri­os da Saú­de e das Fi­nan­ças. Mas a ques­tão mais im­por­tan­te é que não che­ga subs­ti­tuir: é pre­ci­so ar­ran­jar quem te­nha trei­no nas fun­ções por­que des­de o as­sis­ten­te ope­ra­ci­o­nal até ao es­pe­ci­a­lis­ta clí­ni­co as com­pe­tên­ci­as só se ad­qui­rem com a ex­pe­ri­ên­cia.

As lis­tas de es­pe­ra têm au­men­ta­do?

Au­men­tam e di­mi­nu­em em fun­ção das épo­cas. Aliás, as lis­tas de es­pe­ra nun­ca fo­ram eli­mi­na­das em par­te ne­nhu­ma do mun­do. A ten­dên­cia de qual­quer sis­te­ma é pa­ra a com­pli­ca­ção, não é pa­ra a sim­pli­ci­da­de. Se con­se­guís­se­mos gas­tar um pou­co de tempo a exa­mi­nar em ca­da ca­so o que é mes­mo ne­ces­sá­rio, ga­nhá­va­mos em efe­ti­vi­da­de e di­mi­nuía­mos as lis­tas de es­pe­ra.

Qual é a es­pe­ci­a­li­da­de que es­tá mais sa­tu­ra­da?

Tal­vez ha­ja mai­or ina­dap­ta­ção en­tre os nos­sos re­cur­sos e a pro­cu­ra na área de uro­lo­gia. Exis­te uma gran­de frequên­cia de tu­mo­res da prós­ta­ta, in­de­pen­den­te­men­te da im­por­tân­cia de­les, ou se­ja, nem to­dos são mui­to gra­ves. Mas pa­ra quem os tem são da mai­or gra­vi­da­de e é na­tu­ral que as pes­so­as quei­ram ser tra­ta­das. Há tu­mo­res da área uro­ló­gi­ca mui­to mais gra­ves do que o da prós­ta­ta, co­mo o da be­xi­ga, por exem­plo.

Há al­gum tempo, saí­ram no­tí­ci­as de que o IPO não ti­nha ca­pa­ci­da­de pa­ra as­se­gu­rar ma­mo­gra­fi­as de vi­gi­lân­cia a mu­lhe­res que ti­ve­ram can­cro da ma­ma. Con­ti­nua a não ter?

O IPO tem ca­pa­ci­da­de pa­ra fa­zer a vi­gi­lân­cia das do­en­tes que ti­ve­ram can­cro da ma­ma. Ago­ra, não é ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­rio que se­ja o IPO a fa­zer as ma­mo­gra­fi­as de to­das as do­en­tes. Há en­ten­di­men­tos com os cen­tros de saú­de de mo­do a que as pes­so­as se­jam se­gui­das pe­los mé­di­cos de fa­mí­lia, sem­pre com o bac­kup do IPO.

Em bre­ve, vão ter um no­vo blo­co ope­ra­tó­rio e uma no­va uni­da­de de trans­plan­te de me­du­la. As res­tan­tes ne­ces­si­da­des vão acom­pa­nhar o au­men­to de ci­rur­gi­as?

Te­re­mos um blo­co ope­ra­tó­rio com mais ca­pa­ci­da­de, mas so­bre­tu­do com fun­ci­o­na­li­da­des mais mo­der­nas e na uni­da­de de trans­plan­te de me­du­la va­mos du­pli­car a ca­pa­ci­da­de. As res­tan­tes ne­ces­si­da­des te­rão de acom­pa­nhar, se­ja em re­co­bros ou em cui­da­dos in­ten­si­vos. Es­ses pro­ble­mas es­tão a ser re­sol­vi­dos. En­vol­ve o re­cru­ta­men­to de pes­so­as, que é a mai­or ne­ces­si­da­de.

Acre­di­ta que o no­vo edi­fí­cio es­ta­rá pronto no cen­te­ná­rio do Ins­ti­tu­to, em 2024?

Cla­ro que acre­di­to! Ain­da não te­mos o fi­nan­ci­a­men­to com­ple­to, mas há coi­sas avan­ça­das que me le­vam a es­tar oti­mis­ta. O edi­fí­cio no­vo – que fi­ca­rá vi­ra­do pa­ra a Pra­ça de Es­pa­nha – vai al­ber­gar boa par­te do mo­vi­men­to am­bu­la­tó­rio des­te hos­pi­tal e cus­ta­rá 40 mi­lhões de eu­ros. Uma par­te do di­nhei­ro es­tá as­se­gu­ra­da.

Me­ta­de?

Ain­da não é me­ta­de…

Há uns anos tu­do apon­ta­va pa­ra que o IPO saís­se da zo­na da Pra­ça de Es­pa­nha. Acha im­por­tan­te que o hos­pi­tal se man­te­nha no cen­tro de Lis­boa?

Sem­pre achá­mos que era im­por­tan­te o IPO fi­car no cen­tro da ci­da­de. Ao lon­go de qua­se du­as dé­ca­das, não se fi­ze­ram me­lho­ra­men­tos no hos­pi­tal por cau­sa da pos­si­bi­li­da­de de sair da­qui. En­tre­tan­to, es­sa pers­pe­ti­va foi en­cer­ra­da e con­cen­trá­mo-nos na me­lho­ria das ins­ta­la­ções. Te­mos mo­di­fi­ca­do to­dos os ser­vi­ços de in­ter­na­men­to, que têm ho­je mui­to mais con­for­to.

O IPO con­ti­nua a ser o hos­pi­tal que tem a mais mo­der­na tec­no­lo­gia de di­ag­nós­ti­co do País?

Não gos­to de com­pe­ti­ções des­sas, mas a es­se ní­vel te­mos con­se­gui­do es­tar no to­po. Vêm do­en­tes de to­do o País pa­ra pro­ce­di­men­tos em que so­mos mui­to es­pe­ci­a­li­za­dos. No âm­bi­to ci­rúr­gi­co, o IPO con­ti­nua a ter uma di­fe­ren­ci­a­ção in­ve­já­vel nos tu­mo­res di­ges­ti­vos, to­rá­ci­cos e so­bre­tu­do os de ca­be­ça e pes­co­ço. É di­fí­cil en­con­trar um con­jun­to de mei­os e ca­pa­ci­da­des pro­fis­si­o­nais superiores às que aqui te­mos.

O pre­si­den­te do IPO de Lis­boa fo­to­gra­fa­do no hos­pi­tal, na sex­ta-fei­ra, dia 4

João Oli­vei­ra é es­pe­ci­a­lis­ta em he­ma­to­lo­gia clí­ni­ca e on­co­lo­gia mé­di­ca, tem 63 anos e en­trou no IPO há 28

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.