Jus­ti­ça

Re­cur­so após re­cur­so, adi­ou a pri­são até ao li­mi­te. Vai en­trar na ca­deia de Évo­ra – mas só qua­tro anos de­pois da pri­mei­ra con­de­na­ção.

Sábado - - SUMÁRIO - Por Ale­xan­dre R. Ma­lha­do

As he­si­ta­ções na pri­são de Ar­man­do Va­ra

Éo fim da li­nha pa­ra Ar­man­do Va­ra no pro­ces­so Fa­ce Oculta. Dez anos após ter si­do cons­ti­tuí­do ar­gui­do e de­pois de qua­tro anos de re­cur­sos des­de a pri­mei­ra con­de­na­ção, o ex-mi­nis­tro dos go­ver­nos de An­tó­nio Gu­ter­res e Jo­sé Só­cra­tes vai dar en­tra­da no Es­ta­be­le­ci­men­to Pri­si­o­nal de Évo­ra pa­ra cum­prir uma pe­na de cin­co anos de pri­são, após a sen­ten­ça ter tran­si­ta­do em jul­ga­do no dia 11 de de­zem­bro de 2018.

OS CRI­MES

São três os cri­mes de trá­fi­co de in­fluên­cia pe­los quais foi con­de­na­do pe­lo Tri­bu­nal de Avei­ro no dia 5 de se­tem­bro de 2014. Em 2009, en­tão vi­ce­pre­si­den­te do BCP, Va­ra re­ce­beu cer­ca de 25 mil eu­ros pa­ra exer­cer in­fluên­cia jun­to de Má­rio Li­no, mi­nis­tro das Obras Pú­bli­cas do go­ver­no de Jo­sé Só­cra­tes, a fa­vor do sucateiro Ma­nu­el Go­di­nho, lí­der do gru­po O2 e o pro­ta­go­nis­ta do ca­so Fa­ce Oculta, pe­la “re­de ten­ta­cu­lar” de fa­vo­res que cri­ou, co­mo des­cre­ve o Tri­bu-nal de Avei­ro. O cri­me de trá­fi­co de in­fluên­cia pe­lo so­ci­a­lis­ta fi­cou pro­va­do em três oca­siões. Em 2006, por in­flu­en­ci­ar o mi­nis­tro Má­rio Li­no a in­ter­ce­der a fa­vor da O2 num de­sen­ten­di­men­to ju­di­ci­al com a Re­fer. De acor­do com a sen­ten­ça em pri­mei­ra ins­tân­cia, fei­ta pe­lo co­le­ti­vo li­de­ra­do pe­lo juiz Raul Cor­dei­ro, Ar­man­do Va­ra pro­mo­veu “con­tac­tos com Má­rio Li­no”, no sen­ti­do da “re­so­lu­ção e su­pe­ra­ção do di­fe­ren­do en­tre a O2 e a Re­fer, com pre­va­lên­cia dos in­te­res­ses de Ma­nu­el Go­di­nho e da sua em­pre­sa e, bem as­sim, da ne­ces­si­da­de de a Re­fer al­te­rar o seu com­por­ta­men­to co­mer­ci­al pa­ra com a O2”. Vol­tou a pra­ti­car es­te cri­me em du­as oca­siões em 2009: quan­do o sucateiro de Ovar lhe so­li­ci­tou que vol­tas­se a in­flu­en­ci­ar Li­no – des­ta vez pa­ra afas­tar Luís Par­dal da li­de­ran­ça da

VA­RA FOI CON­SI­DE­RA­DO CUL­PA­DO DE TRÊS CRI­MES DE TRÁ­FI­CO DE IN­FLUÊN­CIA

AS PRO­VAS

h Há des­de es­cu­tas te­le­fó­ni­cas a fi­chei­ros in­for­má­ti­cos, pas­san­do pe­los tes­te­mu­nhos do pre­si­den­te da Re­fer, da en­tão se­cre­tá­ria de Es­ta­do Ana Pau­la Vi­to­ri­no e de Na­mér­cio Cu­nha, ex-bra­ço­di­rei­to de Go­di­nho. A jus­ti­ça por­tu­gue­sa con­si­de­ra que a pro­va do­cu­men­tal e tes­te­mu­nhal exis­ten­te no pro­ces­so Fa­ce Oculta de­mons­tra a acei­ta­ção, pe­lo ar­gui­do, de abu­sar da sua in­fluên­cia jun­to do Go­ver­no. Em tes­te­mu­nho, Ana Pau­la Vi­to­ri­no re­ve­lou que Má­rio Li­no lhe ha­via di­to que a O2 era “uma em­pre­sa amiga do PS e que ha­via pes­so­as im­por­tan­tes no par­ti­do mui­to pre­o­cu­pa­das com o com­por­ta­men­to in­fle­xí­vel do [Luís] Par­dal”, lí­der da Re­fer. Re­cor­de-se que Go­di­nho vi­ria a so­li­ci­tar a Va­ra que in­flu­en­ci­as­se o mi­nis­tro pa­ra afas­tar a en­tão se­cre­tá­ria de Es­ta­do e o lí­der da Re­fer, Luís Par­dal, que dis­se ter re­ce­bi­do três te­le­fo­ne­mas de Li­no. Nu­ma das cha­ma­das, o mi­nis­tro das Obras Pú­bli­cas ins­tou Par­dal “a mo­di­fi­car o com­por­ta­men­to da Re­fer pa­ra com a O2” e “a pro­cu­rar a re­so­lu­ção do con­ten­ci­o­so que as opu­nha”. En­tre a pro­va do­cu­men­tal es­tá um fi­chei­ro in­ti­tu­la­do “Fi­chei­ro Di­gi­tal 130 – Pas­ta de Brin­des”, on­de eram lis­ta­das as “pren­das de Na­tal” ofe­re­ci­das por Ma­nu­el Go­di­nho a po­lí­ti­cos e a ad­mi­nis­tra­do­res de em­pre­sas. De acor­do com o do­cu­men­to, ex­pli­ca­do pe­lo au­tor Na­mér­cio Cu­nha, Va­ra te­rá re­ce­bi­do 7.473 eu­ros em pre­sen­tes, en­tre 2004 e 2008: “Dois re­ló­gi­os”, um es­to­jo com de­can­ta­dor Her­da­de

FA­LA­VA EM CÓ­DI­GO COM O SUCATEIRO MA­NU­EL GO­DI­NHO E RE­CE­BIA PRE­SEN­TES PA­RA FA­CI­LI­TAR NE­GÓ­CI­OS

de Pra­ta, uma ca­ne­ta Du­pont e uma ca­ne­ta Mont­blanc. Quan­to à con­tra­par­ti­da de 25 mil eu­ros, o tri­bu­nal va­lo­rou as pro­vas in­di­re­tas. Ma­nu­el Go­di­nho ti­nha um te­le­fo­ne ape­nas pa­ra fa­lar com Va­ra, atra­vés do qual fa­la­vam em có­di­go: de acor­do com o tri­bu­nal, o sucateiro nun­ca di­zia ex­pli­ci­ta­men­te 25 mil eu­ros, mas sim “25 qui­ló­me­tros”, por exem­plo.

A LEN­TI­DÃO

h A in­ves­ti­ga­ção de­mo­rou pou­co mais de um ano: co­me­çou no DI­AP do Bai­xo Vou­ga em abril de 2009, ten­do ter­mi­na­do em ou­tu­bro de 2010. O jul­ga­men­to co­me­çou um ano de­pois, em no­vem­bro de 2011, e de­mo­rou qua­se três anos: 188 ses­sões de­pois, Ar­man­do Va­ra foi con­de­na­do em pri­mei­ra ins­tân­cia. Re­cur­so após re­cur­so, a sen­ten­ça só tran­si­tou em jul­ga­do qua­tro anos de­pois. Da con­de­na­ção em pri­mei­ra ins­tân­cia pa­ra a de­ci­são do Tri­bu­nal da Re­la­ção, dois anos e se­te me­ses. Da Re­la­ção pa­ra o Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal (TC), um ano e três me­ses. A gran­de de­mo­ra re­gis­tou-se em se­gun­da ins­tân­cia, na de­ci­são dos re­cur­sos, quan­do dois de­sem­bar­ga­do­res re­la­to­res ini­ci­al­men­te de­sig­na­dos so­li­ci­ta­ram es­cu­sa ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Ju­di­ci­al. E no pos­te­ri­or en­vio pa­ra o TC, quan­do a de­fe­sa fez pe­di­dos de nu­li­da­de do acór­dão da Re­la­ção.

Mes­mo pa­ra dar en­tra­da na ca­deia es­tá a de­mo­rar. A Re­la­ção do Por­to es­que­ceu-se de en­vi­ar par­te do pro­ces­so Fa­ce Oculta re­la­ti­va a Ar­man­do Va­ra pa­ra o Tri­bu­nal Ju­di­ci­al de Avei­ro, im­pe­din­do a emis­são do man­da­do de de­ten­ção do ex-mi­nis­tro.

OS VÁ­RI­OS CA­SOS

h Va­ra foi visado em dois megaprocessos (Fa­ce Oculta e Ope­ra­ção Marquês) e al­vo de uma con­tra­or­de­na­ção de 50 mil eu­ros da Co­mis­são do Mer­ca­do de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CMVM) por ale­ga­da ne­gli­gên­cia na CGD. Con­tu­do, o Tri­bu­nal da Re­la­ção de Lis­boa aca­bou por anu­lar es­ta mul­ta de Va­ra em ju­lho de 2014. No ca­so Ope­ra­ção Marquês, foi acu­sa­do em ou­tu­bro de 2017 de cin­co cri­mes: um de cor­rup­ção pas­si­va de ti­tu­lar de car­go po­lí­ti­co, dois de bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e dois de frau­de fis­cal qua­li­fi­ca­da. Ou se­ja, mes­mo na ce­la, Ar­man­do Va­ra po­de­rá ain­da vir a ser jul­ga­do pe­los cri­mes de que é acu­sa­do na Ope­ra­ção Marquês, ca­so o juiz Ivo Ro­sa de­ci­da pro­nun­ci­ar o ar­gui­do.

FOI VISADO EM DOIS MEGAPROCESSOS (FA­CE OCULTA E OPE­RA­ÇÃO MARQUÊS). AIN­DA PO­DE SER ACU­SA­DO NO SE­GUN­DO

Re­fer e a sua se­cre­tá­ria de Es­ta­do Ana Pau­la Vi­to­ri­no, que tu­te­la­va a re­de fer­ro­viá­ria na­ci­o­nal – e Do­min­gos Pai­va Nu­nes, ad­mi­nis­tra­dor da EDP Imo­bi­liá­ria (Gru­po EDP), pa­ra que as em­pre­sas de Ma­nu­el Go­di­nho fos­sem con­tra­ta­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.