RE­GRAS DE INDUMENTÁR­IA NO NA­TAL DE MO­LE­DO

Correio da Manha - Sexta - - Emcertos Aspectos -

NO NATALAGRAV­ATAÉ DISPENSÁVE­L, PA­RA DESGOSTO DAMINHASOB­RINHAMARIA­LUÍSA

UMA DAS POU­CAS VAN­TA­GENS DE SER UM con­ser­va­dor que nun­ca foi li­be­ral é não nos es­can­da­li­zar­mos mui­to com as coi­sas do mun­do; a ci­vi­li­za­ção dei­xa- nos à mar­gem, com a sua so­ber­ba e so­fis­ti­ca­ção, des­li­zan­do pa­ra lu­ga­res es­tra­nhos on­de per­noi­ta de­pois de um jor­na­da de gló­ria. Ou­tra van­ta­gem no­tá­vel é que, ao con­trá­rio dos que pas­sa­ram par­te da sua vi­da a com­por­tar- se co­mo ‘ ra­di­cais’, nun­ca ti­ve­mos ne­ces­si­da­de de jus­ti­fi­car mu­dan­ças bru­tais e des­con­for­mes – do co­mu­nis­mo pa­ra o li­be­ra­lis­mo, do cris­ti­a­nis­mo pa­ra o cul­to dos ori­xás, dos fa­tos as­ser­to­a­dos pa­ra o tra­je de bo­ne­crei­ro, do cor­te com to­pe­te pa­ra a cal­ví­cie ar­ti­fi­ci­al. Man­ti­ve­mo- nos me­dío­cres, não fa­zen­do gran­de es­for­ço pa­ra agra­dar nem pro­cu­ran­do es­can­da­li­zar pe­lo gos­to de pa­re­cer­mos di­fe­ren­tes do que éra­mos: uma fa­mí­lia de ve­lhos ban­do­lei­ros mi­nho­tos já re­ti­ra­dos, con­ser­van­do as su­as len­das, gra­tos por al­gu­ma lon­ge­vi­da­de e pe­la par­ci­mó­nia que nos ga­ran­tia uma boa re­la­ção com os mé­di­cos do dis­tri­to de Vi­a­na.

O ve­lho Dou­tor Ho­mem, meu pai, di­zia que o gran­de se­gre­do da exis­tên­cia era sa­ber en­ve­lhe­cer – ou es­tar de acor­do com a ida­de, mas evi­tan­do en­vel h ecer; e, n o ca­so de en­ve­lhec e r , g u a r d a r aque­la pe­que­na vai­da­de que nos sal­va em mo­men­tos de de­sâ­ni­mo.

To­dos os anos, pe­lo Na­tal, so­mos pos­tos à pro­va em ma­té­ria de vai­da­de. Com fa­ma de“des­con­traí­dos” e “in­for­mais” ( pa­ra quem des­co­nhe­ce que a sim­pli­ci­da­de dá mui­to tra­ba­lho), os con­vi­da­dos pa­ra o jan­tar de dia 24 en­fren­tam pro­ble­mas de eti­que­ta, em­bo­ra não tão gra­ves co­mo os do ve­lho Dou­tor Ho­mem, meu pai, que usa­va gra­va­ta aos al­mo­ços de do­min­go. Do­na Es­ter, mi­nha mãe, acha­va que de­vi­am exis­tir di­as de ce­ri­mó­nia in­ques­ti­o­ná­vel, co­mo o jan­tar de ani­ver­sá­rio do seu ca­sa­men­to com aque­le ca­va­lhei­ro que tan­to amá­va­mos, o al­mo­ço de Pás­coa, o jan­tar de Na­tal e o ani­ver­sá­rio do Se­nhor Dom Mi­guel. Nes­sas oca­siões apre­sen­tá­va­mo- nos de sa­pa- tos en­gra­xa­dos, fa­to dis­cre­to, gra­va­ta e bo­tões de pu­nho, tu­do ra­zo­a­vel­men­te fo­ra de mo­da – por­que não há na­da tão exe­crá­vel co­mo a mo­da em vi­gor. Em Mo­le­do, no Na­tal, a gra­va­ta é dispensáve­l, pa­ra desgosto da mi­nha so­bri­nha Ma­ria Luí­sa, a es­quer­dis­ta da fa­mí­lia, que apre­cia um ho­mem de bri­os e usa à me­sa um co­lar da Tia Hen­ri­que­ta, a jóia de Vi­la Praia de Ân­co­ra. Mas há uma cer­ta ideia do mo­men­to. Do­na Elai­ne, a go­ver­nan­ta des­te ere­mi­té­rio, apre­cia o ges­to – por­que as­sim hon­ra­mos me­lhor a sua mag­ní­fi­ca co­mi­da. E o pre­sé­pio do mun­do, na ver­da­de.

TO­DOS OS ANOS, PE­LO NA­TAL, SO­MOS POS­TOS À PRO­VA EM MA­TÉ­RIA DE VAI­DA­DE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.