“A mor­te faz- nos per­ce­ber o que é im­por­tan­te”

Wil­ko John­son foi di­ag­nos­ti­ca­do com uma do­en­ca do­en­ça fa­tal. Sal­vou- se e vol­tou a to­car

Correio da Manha - Sexta - - Bolsa Tv -

O que se po­de es­pe­rar des­te con­cer­to no CCB, em Lis­boa? Um bom con­cer­to de rock’n’ roll, por­que is­so é o que sei e gos­to d e fa zer. ‘ Bl ow you r Mind’, o meu no­vo tra­ba­lho, é um dis­co de rock. O rock sem­pre foi o es­ti­lo que mais fa­lou das coi­sas da vi­da. E es­te dis­co não é di­fe­ren­te.

Es­ta di­gres­são mar­ca tam­bém o re­gres­so aos pal­cos após uma l uta ven­ce­do­ra con­tra o can­cro. No en­tan­to, che­ga­ram a dar- lhe ape­nas al­guns me­ses de vi­da. O que acon­te­ceu?

Foi há cer­ca de cin­co anos. Sen­ti um al­to enor­me na bar­ri­ga, fui ao mé­di­co e ele dis­se- me que era um can­cro no pân- cre­as, ino­pe­rá­vel, e que me res­ta­vam ape­nas al­guns me­ses de vi­da.

O q u e sen te u ma pes­soa qu­an­do ou­ve al­go as­sim?

É al­go ab­so­lu­ta­men­te es­tra­nho. É mui­to in­ten­so. A cla­re­za e a pro­fun­di­da­de dos pen­sa­men­tos são enor­mes. O sim­ples fac­to de se acor­dar vi­vo de ma­nhã e ser di­a­ri­a­men­te con­fron­ta­do com o fim é uma ava­lan­che sur­re­al de sen­ti­men­tos,

O MÚ­SI­CO BRITÂNICOW­ILKOJOHNSO­N FOI DI­AG­NOS­TI­CA­DO COM UM CAN­CRO INCURÁVELH­ÁCINCOANOS MAS, MIRACULOSA­MENTE, SAL­VOU- SE. AHISTÓRIAD­E UMAESTRELA­QUEVIVEU SEGUNDAVEZ “DE­CI­DI QUE NÃO IA PRO­CU­RAR TRA­TA­MEN­TOS MILAGROSOS. DE­CI­DI VI­A­JAR E TO­CAR ROCK”

mui­tos de­les con­tra­di­tó­ri­os. A mor­te é a úni­ca coi­sa que nos faz per­ce­ber o que é re­al­men­te im­por­tan­te e que nos mos­tra o quão to­los fo­mos em des­per­di­çar o nos­so tem­po, a nos­sa vi­da, com coi­sas sem im­por­tân­cia ne­nhu­ma. E, no en­tan­to, ape­sar da con­vic­ção da mor­te, con­ti­nu­a­mos vi­vos e a acor­dar, dia após dia...

O que re­sol­veu fa­zer?

De­ci­di que não ia an­dar por aía ten­tar des­co­brir tra­ta­men­tos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os nem milagrosos. Não ti­nha es­sa es­pe­ran­ça, os mé­di­cos ti­nham- me ne­ga­do. Por ou­tro la­do, eu pas­sei tam­bém pe­la ex­pe­ri­ên­cia de per­der a mi­nha mu­lher - o úni­co e gran­de amor da mi­nha vi­da - pa­ra o can­cro, uns anos an­tes. A ideia de reu­nir- me a ela con­for­ta­va- me. Por is­so de­ci­di di­ver­tir- me. Vi­a­jar pe­lo Mun­do e to­car rock, aqui e ali, on­de ca­lhas­se e hou­ves­se um pal­co. De­ci­di apro­vei­tar da mel hor for­ma o tem­po que me res­ta­va... ou pe­lo me­nos era is­so que eu pen­sa­va.

Com o se d eu o pon t o d e vi­ra­gem?

Foi num con­cer­to... eu es­ta­va a to­car e an­da­va por ali à vol­ta um fã e fotógrafo, cha­ma­do Char­lie Chan. Ele era ex­tre­ma­men­te rá­pi­do, ora es­ta­va nu­ma pon­ta do pal­co, ora nou­tra! Mas o que im­por­ta é que Char­lie Chan, além de fotógrafo era tam­bém mé­di­co e aca­bá­mos por con­ver­sar de­pois do con­cer­to. Ele dis­se- me mui­to se-

ri­a­men­te: “Vo­cê não po­de es­tar com um can­cro em fa­se ter­mi­nal co­mo diz. Não es­se ti­po de can­cro. Nun­ca te­ria for­ças. Por es­ta al­tu­ra, de­via es­tar já nu­ma ca­ma a de­fi­nhar”. Is­to foi pre­ci­sa­men­te pe­la al­tu­ra em que o pra­zo que os mé­di­cos me de­ram es­ta­va a ter­mi­nar. De fac­to eu sen­tia- me em for­ma, com­ple­ta­men­te sau­dá­vel. Por se­gun­dos, dei al­gu­ma hi­pó­te­se a mim mes­mo e pen­sei: ‘ Tal­vez es­te ti­po te­nha ra­zão!’. O Chan deu- me de­pois o con­tac­to de um mé­di­co e ci­rur­gi ão que el e co­nhe­cia e acon­se­lhou- me a pe­dir um se­gun­do di­ag­nós­ti­co.

E de­pois?

Fui l á. O ti po dis­se que i ri a con­se­guir tra ta r- me. Mais uma vez fo­ram emo­ções mui­to in­ten­sas... é di­fí­cil acre­di­tar nu­ma cu­ra qu­an­do já se es­tá men­ta­li­za­do pa­ra mor­rer. Ti­nha mui­tas dú­vi­das. Por­que es­ta­ria aqui­lo a acon­te­cer co­mi­go se eu até já es­ta­va pre­pa ra d o pa ra mor­rer? Mas mes­mo com es­tas dú­vi­das fui ope­ra­do. Cor­reu bem, ape­sar de ter si­do um pro­ces­so mui­to lon­go. Es­ti­ve qua­se um ano no hos­pi­tal em tra­ta­men­tos, mas cu­rei- me. Uns me­ses an­tes o Ro­ger Dal­trey ti­nha- me li­ga­do pa­ra gra­var­mos um dis­co jun­tos e o dis­co saiu na al­tu ra em que fu i i nter­na­do. Te­ve al­gum su­ces­so, an­dou nos tops mas eu per­di a par­te di­ver­ti­da por­que es­ti­ve qua­se um ano no hos­pi­tal! Con­tu­do, vi­vi ou­tra vez.

Dis­se ter des­co­ber­to o mais im­por­tan­te... O que é afi­nal? A fa­mí­lia, os ami­gos, aqui­lo que nos faz bem mas que dei­xa­mos sem­pre pa­ra de­pois.

“SER CON­FRON­TA­DO COM O FIM É UMA AVA­LAN­CHE SUR­RE­AL DE SEN­TI­MEN­TOS”

WIL­KO JOHN­SON TEM 71 ANOSE ES­CA­POU AO CAN­CRO. LEN­DA DOS DR. FE­EL­GO­OD TO­CA EM LIS­BOA DIA 12

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.