UM LI­VRO DE MOLEDO E A GENEROSIDA­DE DOS LEI­TO­RES

O LI­VRO FARÁO SEU CA­MI­NHO, IG­NO­RA­DO EN­TRE OS ALMANAQUES IGNORADOS. RESTAM OS LEI­TO­RES

Correio da Manha - Sexta - - Emcertos Aspectos -

O TIO AL­BER­TO ES­CRE­VIA, QUA­SE TO­DOS OS ANOS, uma car­ta à im­pren­sa da Ga­li­za aler­tan­do pa­ra “ques­tões de qua­li­da­de” das os­tras, amêi­jo­as e ma­ris­cos da sua cos­ta, de Ri­ba­deo – no li­mi­te – a Ar­ca­de, na pro­vín­cia de Pon­te­ve­dra. Qu­an­do es­co­lhia o ‘ Fa­ro de Vi­go’ co­mo des­ti­na­tá­rio, o bi­blió­fi­lo e gas­tró­no­mo de São Pedro de Ar­cos apri­mo­ra­va o tex­to, aper­fei­ço­an­do- o du­ran­te uma ou du­as se­ma­nas, e es­co­lhen­do ci­ta­ções que tan­to po­di­am in­cluir a se­nho­ra con­des­sa de Al­ta­mi­ra co­mo um po­e­ta de Oren­se pou­co co­nhe­ci­do. D. Ál­va­ro Cun­quei­ro, que na al­tu­ra era di­rec­tor do jor­nal, pu­bli­ca­va o iní­cio da car­ta na pri­mei­ra pá­gi­na, com con­ti­nu­a­ção e des­ta­que na se­gun­da. Ge­ral­men­te, um dos seus cor­re­li­gi­o­ná­ri­os da ci­ên­cia gas­tro­nó­mi­ca, D. Mar­cos, um co­mer­ci­an­te da Co­ru­nha e re­ci­ta­dor de Ra­mon Ca­ba­nil­las ( com qu­em pas­sa­va uma se­ma­na de ter­mas no Ge­rês), es­cre­via- lhe um pos­tal de fe­li­ci­ta­ções, se bem evi­tan­do men­ci­o­nar tra­tar- se do ‘ Fa­ro de Vi­go’, uma vez que na Co­ru­nha não se apre­ci­a­vam mui­to as re­fe­rên­ci­as à ci­da­de vi­zi­nha, nem à sua im­pren­sa. Se­ja co­mo for, tra­ta­va- se de um mo­men­to par­ti­cu­lar­men­te im­por­tan­te na vi­da da fa­mí­lia.

Desd e es­ses anos ses­sen­ta até ho­je, cou­be- me a mim – um po­bre mi­nho­to pra­ti­ca­men­te da i da­de do Ti­ta­nic e da in­ven­ção da pe­ni­ci­li­na – con­ti­nu­ar, sem a mes­ma qua­li­da­de e brio li­te­rá­rio, a veia jor­na­lís­ti­ca do Tio Al­ber­to. Há on­ze anos, num mês de De­zem­bro frio e chu­vo­so, ex­pli­quei es­tes por­me­no­res ao Dr. Oc­tá­vio Ri­bei­ro an­tes de inau­gu­rar es­ta co­lu­na no jor­nal que des­de en­tão re­ce­be os meus tex­tos ( pri­mei­ro atra­vés da Dra. Fer­nan­da Ca­chão e, de­pois, pe­lo Dr. Pau­lo Fon­te, que ge­ne­ro­sa­men­te fin­gem uma se­re­ni­da­de in­vul­gar de se­ma­na a se­ma­na, en­quan­to aguar­dam “pe­la cró­ni­ca”). Avai­da­de de um ve­lho, no en­tan­to, não tem li­mi­tes – e a Dra. Ce­li­na, a nos­sa bi­bli­o­te­cá­ria de Ca­mi­nha, pas­sou por cá no úl­ti­mo do­min­go, tra­zen­do um exem­plar do no­vo li­vro que reú­ne as cró­ni­cas dos úl­ti­mos anos, ‘ O Cre­pús­cu­lo de Moledo’. Tu­do se de­ve a es­tas du­as al­mas que não ces­sam de sur­pre­en­der- me: a pró­pria Dra. Ce­li­na, com o seu en­tu­si­as­mo, co­men­tan­do por­me­no­res da vi­da lo­cal de Moledo; e a mi­nha so­bri­nha Ma­ria Luí­sa, que se­ma­nal­men­te, ao do­min­go à tar­de ( an­tes de re­gres­sar a Bra­ga, on­de vi­ve), pas­sa ao com­pu­ta­dor o que es­cre­vo du­ran­te a se­ma­na. O li­vro fa­rá o seu ca­mi­nho, ig­no­ra­do en­tre os almanaques que tam­bém são ignorados. Res­ta a generosida­de dos meus lei­to­res, inex­pli­cá­vel e in­fi­ni­ta. Sem eles, eu era uma es­pé­cie de so­li­tá­rio in­vi­sí­vel, per­ple­xo e aban­do­na­do na es­ca­da­ria do san­tuá­rio de São Ben­to da Por­ta Aber­ta.

SEM OS LEI­TO­RES EU ERA UMA ES­PÉ­CIE DE SO­LI­TÁ­RIO ABAN­DO­NA­DO EM SÃO BEN­TO DA POR­TA ABER­TA

TEX­TO ES­CRI­TO COM A AN­TI­GA GRAFIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.