Pa­pel de pe­so pa­ra um bom ator

Correio da Manha - Sexta - - A Semana De... -

EM 1982, QUAN­DO O V I H ( V Í R U S DA I MUNODEFICI­ÊNCIA HU­MA­NA) era, ain­da, uma do­en­ça pou­co ou na­da co­nhe­ci­da e mui­to me­nos se sa­bia qual a me­lhor terapêutic­a pa­ra a tra­tar, um ho­mem ga­nhou fa­ma a tra­fi­car to­da a es­pé­cie de dro­gas que pu­des­sem pro­lon­gar a vi­da dos do­en­tes. Es­se ho­mem cha­ma­va- se Ro­nald Dick­son Wo­o­dro­of e mor­reu aos 42 anos, de­pois de ter con­traí­do sida. A sua his­tó­ria – e a his­tó­ria do Clu­be de Dal­las ( co­mo fi­cou co­nhe­ci­do o gru­po que ven­dia dro­gas ain­da não apro­va­das pe­lo go­ver­no), é con­ta­da nes­te fi l me q u e va l e u a Ma t h ew McCo­naughey o Ós­car pa­ra Me­lhor Ator do ano. O pró­prio ad­mi­te que o mais di­fí­cil des­te pa­pel foi per­der 25 qui­los pa­ra dar cor­po a um paciente de sida. “Co­mia pouquís­si­mo, es­ta­va sem­pre cheio de fo­me, e ir­ri­ta­dís­si­mo, e sa­bia que ia con­ti­nu­ar a ser as­sim du­ran­te mui­to tem­po”, re­ve­la o ator que con­tra­ce­na com Ja­red Le­to, no pa­pel de uma tran­se­xu­al tam­bém in­fe­ta­da com o vírus mor­tí­fe­ro. “Tu­do o que po­dia co­mer e ra a c l a ra d e d o i s ovos e um pei­to de fran­go”, acres­cen­ta o ator, que foi una­ni­me­men­te el ogi ado por es­te pa­pel trans­fi­gu­ra­dor.

ATOR TE­VE DE PER­DER 25 QUI­LOS PA­RA DAR COR­PO A UM DO­EN­TE INFETADO COM O VÍRUS DA SIDA. A DI­E­TA QUA­SE O ENLOUQUECI­A, MAS O RE­SUL­TA­DO DEI­XOU O MUN­DO DAS AR­TES DE BO­CA ABER­TA E VA­LEU- LHE UM ÓS­CAR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.