Fa­mí­lia é ar­ra­sa­da pe­la mor­te de uma cri­an­ça

UMA TRA­GÉ­DIA MAR­CA O INÍ­CIO DA HIS­TÓ­RIA DA NO­VE­LA DA CMTV, QUE ES­TREIA ES­TA SE­GUN­DA- FEI­RA À NOI­TE. A MOR­TE DE UMA CRI­AN­ÇA DEI­XA UMA FA­MÍ­LIA DE­VAS­TA­DA E MAR­CA O DES­TI­NO DE VÁ­RI­AS PER­SO­NA­GENS NES­TA TRA­MA DA AU­TO­RIA DE ANTÓNIO BAR­REI­RA

Correio da Manha - Sexta - - Novela ‘ -

SO­ZI­NHA EM CA­SA E A TO­MAR CON­TA DO NE­TO, JOÃO VI­CEN­TE, que se en­con­tra a dor­mir na sa­la, Ma­da­le­na ( Ana­be­la Tei­xei­ra), é sur­pre­en­di­da com a vi­si­ta de um ho­mem com quem man­tém uma pai­xão se­cre­ta. O fac­to de a cri­an­ça es­tar a fa­zer uma ses­ta, per­mi­te à mu­lher de Ro­dri­go ( António Pe­dro Cer­dei­ra) en­tre­gar- se à pai­xão com es­te mis­te­ri­o­so ho­mem e os dois aca­bam na ca­ma.

Mas en­quan­to Ma­da­le­na es­tá ren­di­da ao pra­zer, o fi­lho de Le­o­nor ( Ma­fal­da Luís de Cas­tro) acor­da, vai jo­gar à bo­la pa­ra o jar­dim da enor­me quin­ta da fa­mí­lia e aca­ba por cair na pis­ci­na. Pou­co de­pois, o amante de Ma­da­le­na vai em­bo­ra e es­ta de­ci­de ir ver o ne­to. É en­tão que tem um ter­rí­vel pres­sen­ti­men­to. Vai até às alaà pro­cu­ra da cri­an­ça e fi­ca de­ses­pe­ra­da quan­do não a en­con­tra. Corre em pâ­ni­co até ao jar­dim e, ao che­gar à pis­ci­na, lan­ça um gri­to ao ver o cor­po do pe­que­no João Vi­cen­te a boi­ar. Em lá­gri­mas, Ma­da­le­na apres­sa- se a ti­rar a cri­an­ça de den­tro de água e ten­ta re­a­ni­má- la. Ma sé tar­de de­mais. João Vi­cen­te es­tá mor­to.

En­tre­tan­to, Le­o­nor e o ma­ri­do, Bruno ( Nu­no Ja­nei­ro), são in­for­ma­dos da mor­te do fi­lho. In­con­so­lá­veis, di­ri­gem- se ime­di­a­ta­men­te pa­ra ca­sa, on­de cor­rem em di­re­ção ao cor­po do fi­lho, que já es­tá aser­lev ado pe­loIN EM. Ano­tí­ci­aé trans­mi­ti­da pe­la CMTV e to­dos os co­nhe­ci­dos da fa­mí­lia fi­cam a par do drama que as­som­bra­rá, pa­ra sem­pre, a fa­mí­lia Mas­ca­re­nhas.

A sen­tir- se per­di­da e res­pon­sá­vel pe­lo su­ce­di­do, Ma­da­le­na ten­ta fa­lar com a fi­lha pa­ra ex­pli­car que a mor­te de João Vi­cen­te foi um aci­den­te, mas Le­o­nor re­cu­sa- se a ou­vir a mãe. En­quan­to is­so, nas re­des so­ci­ais co­me­ça a cir­cu­lar os bo­a­tos de que a cri­an­ça te­rá mor­ri­do en­quan­to Ma­da­le­na

be­bia chá com as ami­gas.

Le­o­nor não con­se­gue ul­tra­pas­sar a mor­te do fi­lho. De­pois de cho­rar ao la­do do ma­ri­do, a olhar pa­ra a fo­to­gra­fia da cri­an­ça, a fi­lha de Ma­da­le­na, com­ple­ta­men­te des­con­tro­la­da, to­ma com­pri­mi­dos com ál­co­ol e ati­ra o cor­po con­tra a pa­re­de numa ten­ta­ti­va de aca­bar com a pró­pria vi­da, sen­do im­pe­di­da por Bruno e Ro­dri­go.

No dia do fu­ne­ral, Le­o­nor en­fren­ta a mãe e diz- lhe que não a quer no úl­ti­mo adeus do ne­to. O pa­dras­to ten­ta cha­má- la à ra­zão, mas ela mos­tra- se co mpl e t a men t e d e c i d i d a quan­to à au­sên­cia de Ma­da­le­na nes­te tris­te dia e in­si­nua que pre­fe­ria que ela es­ti­ves­se mor­ta. De­pois da ce­ri­mó­nia fú­ne­bre, Le­o­nor mos­tra as cin­zas do fi­lho à mãe e diz- lhe que aqui­lo é o que res­ta de­le.

TRAI­ÇÃO A mu­lher de Ro­dri­go é sur­pre­en­di­da pe­la vi­si­ta de um ho­mem mis­te­ri­o­so, uma pai­xão que a ar­re­ba­ta e a le­va pa­ra o quar­to. Jul­gan­do que o ne­to es­tá a dor­mir pro­fun­da­men­te, Ma­da­le­na en­tre­ga- se a es­te mo­men­to de pai­xão sem qual­quer he­si­ta­ção. Por re­ve­lar fi­ca a iden­ti­da­de do amante.

FU­NE­RAL Le­o­nor cul­pa a mãe da mor­te de João Vi­cen­te e re­jei­ta que te­nha si­do um aci­den­te que po­dia acon­te­cer a qual­quer um por­que com ela, acre­di­ta, não te­ria acon­te­ci­do. Mui­to re­vol­ta­da, Le­o­nor in­si­nua mes­mo que pre­fe­ria que a mãe es­ti­ves­se mor­ta. Bruno ten­ta acal­mar a mu­lher, mas Le­o­nor não ce­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.