To­das nuas e aos gri­tos pe­la rua fo­ra, as ma­nas até ao li­xo fo­ram!

AS GÉMEAS MAR­TA E MA­RI­A­NA, 27 ANOS, ES­TÃO COM OS CA­BE­LOS EM PÉ! E NÃO É SÓ POR PASSAREM FRIO, SEM ROU­PAS NEM MAN­TAS EM CA­SA. É PE­LA RE­LA­ÇÃO TREMIDA QUE TÊM!

Correio da Manha - Sexta - - Destaque ‘ -

NÃO É DE AD­MI­RAR QUE MA­RI­A­NA E MAR­TA TE­NHAM MU­DA­DO DE CA­SA as­sim que ter­mi­na­ram as gra­va­ções de ‘ Co­me­çar do Ze­ro’. As ir­mãs qui­se­ram par­ti­ci­par nes­ta ‘ ex­pe­ri­ên­cia so­ci­al’ ra­di­cal mas an­te­ci­pa­ram que, de­pois, vi­ria a ‘ res­sa­ca’, no­me­a­da­men­te mui­ta ver­go­nha do que fi­ze­ram. Por is­so, a ca­sa on­de mo­ra­vam, nu­ma rua cal­ma de Alcântara, já es­ta­va pa­ra ar­ren­dar ain­da an­tes de elas apa­re­ce­rem nuas na te­le­vi­são. De fac­to, não foi fá­cil, ape­sar de te­rem si­do ape­nas dez di­as de gra­va­ções.

As gémeas mal se en­ten­dem e co­me­çam por ex­pli­car que a par­ti­ci­pa­ção em ‘ Co­me­çar do Ze­ro’ ser­vi­ria pa­ra as apro­xi­mar. Ou não! As­sim que fo­ram au­to­ri­za­das a ir ao con­ten­tor, ‘ es­ta­ci­o­na­do’ a cer­ca de um qui­ló­me­tro de ca­sa, ti­ve­ram de des­cer uma das ru­as mais mo­vi­men­ta­das da fre­gue­sia e mui­tos fo­ram os fre­gue­ses que re­pa­ra­ram nas du­as me­ni­nas, en­co­lhi­das, e ta­pa­das por uma man­ta que en­tre­tan­to con­se­gui­ram an­ga­ri­ar en­tre a vi­zi­nhan­ça. Só que co­mo o frio aper­ta­va, lá fo­ram nos cai­xo­tes do li­xo en­con­tra­ram uns car­tões pa­ra se aque­ce­rem um bo­ca­di­nho.

No ca­so das ir­mãs ape­nas lhes so­brou o tec­to, por­que tu­do o res­to es­ta­va den­tro da­que­la cai­xa enor­me azul e com to­do um mun­do má­gi­co de ob­je­tos do quo­ti­di­a­no, de re­pen­te pre­ci­o­sos.

Na ho­ra de es­co­lher o que le­var, em pri­mei­ro, pa­ra ca­sa, vol­ta­ram os gri­tos e o es­bra­ce­jar, das gémeas des­nu­das. A bar­maid Ma­ri­a­na mos­tra- se mais cui­da­do­ra e pen­sa no bem- es­tar co­mum. Pa­ra es­ta gé­mea, os pri­mei­ros bens a le­var pa­ra ca­sa de­vem ser o col­chão e uma man­ta, pa­ra que pos­sam ter con­for­to na ho­ra de dor­mir. Is­to de­pois de ter re­gres­sa­do do tra­ba­lho, du­ran­te a ma­dru­ga­da, e ter vis­to Mar­ta la­va­da em lá­gri­mas, com frio e mui­tos ner­vos à flor da pe­le.

Já a dan­ça­ri­na de‘po­le dan­ce’ e ins­tru­to­ra de fit­ness pre­fe­ria re­cu­pe­rar as rou­pas. Lá se acal­ma­ram e le­va­ram o col­chão­zi­nho pa­ra re­fre­ar os âni­mos.

AN­TES DE ANDAREM NUAS PE­LA RUA, AS GÉMEAS TRAÇARAM O PLA­NO DE FU­GA: ‘ FU­GI­RAM’ DE CA­SA APÓS AS GRA­VA­ÇÕES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.