“Já pen­sei de­sis­tir vá­ri­as ve­zes”

Correio da Manha - Sexta - - Primeira Página - LU­CI­A­NO GO­MES

Ator in­ter­pre­ta o gran­de pa­pel da sua car­rei­ra em‘ Al­guém Per­deu’

QUAN­DO ME MU­DEI PA­RA POR­TU­GAL

FOI UM DRA­MA, AQUE­LA RE­VOL­TA NOR­MAL DE ADO­LES­CEN­TE. MAS ADAPTEI- ME DE­PRES­SA

AOS 37 ANOS, O ATOR VI­VE UMAFASE FE­LIZ COM ASUAPRIMEI­RA GRAN­DE PER­SO­NA­GEM NAFICÇÃO, NANOVELA‘ AL­GUÉM PER­DEU’. RE­A­LI­ZA­DO NO AMOR, CONFESSAQU­E SEMPREADIO­U O SO­NHO DE­TER FI­LHOS DE­VI­DO AO TRA­BA­LHO. NO EN­TAN­TO, GA­RAN­TE QUE ES­TÁ CADAVEZ MAIS PER­TO DE O CON­CRE­TI­ZAR

LU­CI­A­NO GO­MES nas­ceu em Fran­ça e des­de ce­do que so­nha ser ator. Mas foi em Por­tu­gal que se­guiu es­se ca­mi­nho. Ago­ra es­tá r a d i a n t e c o m a per­so­na­gem de Ti­a­go Mo­rei­ra, que de­sem­pe­nha na no­ve­la ‘ Al­guém Per­deu’, da CMTV.

A mu­dan­ça pa­ra Por­tu­gal acon­te­ce quan­do ain­da era ado­les­cen­te. Co­mo foi?

Eu e a mi­nha fa­mí­lia mu­dá­mo- nos pa­ra Por­tu­gal quan­do eu ti­nha 16 anos. Os meus pais ti­nham uma em­pre­sa em Fran­ça, mas o país es­ta­va a pas­sar uma fa­se mui­to pro­ble­má­ti­ca, uma gran­de in­qui­e­ta­ção a ní­vel so­ci­al e fi­nan­cei­ra, e eles acha­ram por bem vir pa­ra cá. Não que­ri­am que os fi­lhos pas­sas­sem por aqui­lo. Foi com­pli­ca­do por­que na­que­la ida­de já ti­nha o meu gru po d e a mi gos. Foi aque­la re­vol­ta nor­mal da ado­les­cên­cia. Pen­sas que o mun­do es­tá con­tra ti. Foi um dra­ma, mas co­mo ti­nha a mi­nha ir­mã, com tão pou­ca di­fe­ren­ça de ida­des, apoiá­mo- nos mui­to um ao ou­tro e in­te­grá­mo- nos ra­pi­da­men­te por cá.

Quan­do che­gou já vi­nha com a i deia de ser ator? Co­mo sur­giu es­sa pai­xão?

Sim. Em Pa­ris, on­de an­da­va na es­co­la, a edu­ca­ção pas­sa mui­to pe­lo te­a­tro. Foi lo­go aí que co­me­cei a fi­car con­ta­mi­na­do pe­la ma­gia dos con­ta­do­res de his­tó­ri­as, da ce­na do pal­co, de ou­tras vi­das que não aque­la que vi­ve­mos. Fa­zía­mos pe­ças na es­co­la e, des­de mui­to ce­do, co­me­çou lo­go a sur­gir aque­le pen­sa­men­to: “Eu que­ro ser ator”. Lem­bro- me per­fei­ta­men­te de me per­gun­ta­rem na es­co­la o que que­ria ser quan­do fos­se gran­de e de eu res­pon­der sem­pre: “Que­ro ser tu­do”. E a ver­da­de é que, co­mo ator, po­de­mos ser tu­do. En­tão foi fá­cil de­ci­dir. Em Por­tu­gal apos­tei na for­ma­ção e co­me­cei a pro­fis­si­o­na­li­zar- me no te­a­tro, on­de es­ti­ve mui­to tem­po.

E co­mo sur­giu o in­te­res­se em fa­zer te­le­vi­são?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.