A OU­TRA AN­NE FRANK

ES­TE É O DIÁ­RIO DE UMA ADO­LES­CEN­TE CO­MO OU­TRA QUAL­QUER. OU NÃO? CAR­RY UL­REI­CH TI­NHA 15 ANOS QUAN­DO OS NAZIS IN­VA­DI­RAM A CI­DA­DE ON­DE VI­VIA E AME­A­ÇA­RAM DE MOR­TE OS QUE ERAM CO­MO ELA: JUDEUS

Correio da Manha - Sexta - - Êxito Leituras -

Quan­do vi­si­tou a ca­sa de An­ne Frank, em Ames­ter­dão, de­pois do fim da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, Car­ry Ul­rei­ch as­si­nou o li­vro de vi­si­tas com: ‘A An­ne Frank com fi­nal fe­liz’. E é as­sim que tem si­do co­nhe­ci­da des­de en­tão. Car­ry ti­nha ape­nas 15 anos quan­do a ci­da­de de Ro­ter­dão, na Ho­lan­da, on­de vi­via, foi se­ve­ra­men­te cas­ti­ga­da pe­los bom­bar­dei­ros nazis e ra­pi­da­men­te ocu­pa­da pe­las tro­pas de Adolf Hi­tler. A par­tir de cer­ta al­tu­ra tor­nou-se ób­vio pa­ra ela – bem co­mo pa­ra o res­to da sua fa­mí­lia – que o seu des­ti­no era aca­bar num cam­po de ex­ter­mí­nio pa­ra judeus. Uma fa­mí­lia ca­tó­li­ca abriu-lhe as por­tas e os Ul­rei­ch vi­ve­ram os três anos se­guin­tes na clan­des­ti­ni­da­de, sem po­de­rem sair à rua, na es­pe­ran­ça de que a guer­ra, um dia, ter­mi­nas­se. Mui­to à ima­gem do que acon­te­ceu com An­ne Frank, na ci­da­de vi­zi­nha...

COM UM FI­NAL FE­LIZ

Só que ao con­trá­rio do que acon­te­ceu com An­ne Frank, a fa­mí­lia Ul­rei­ch não foi de­nun­ci­a­da e ela con­se­guiu as­sis­tir, ra­di­an­te, ao fim das atro­ci­da­des. Co­mo re­gis­tou na ma­nhã de do­min­go de 29 de abril de 1945: “Hi­tler es­tá mo­ri­bun­do. Himm­ler ma­tou Gö­ring a ti­ro. On­tem, Himm­ler propôs a ren­di­ção in­con­di­ci­o­nal. To­dos nós es­ta­mos lou­cos de ale­gria”, es­cre­veu. De­pois da guer­ra, Car­ry Ul­rei­ch casou, mu­dou-se pa­ra Is­ra­el, foi mãe e foi avó. O diá­rio es­te­ve en­tre os seus pa­péis du­ran­te mui­tos anos até que, já com mui­ta ida­de, de­ci­diu que se­ria bom par­ti­lhá-lo com o res­to do Mun­do e en­tre­gou-o a um dos seus fi­lhos, edi­tor. Ago­ra, ‘De Noi­te So­nho com a Paz – Diá­rio 1941-1945’ che­ga a Por­tu­gal (Por­to Edi­to­ra), bem a tem­po de re­cor­dar um tem­po ne­gro que ne­nhum de nós de­ve al­gu­ma vez es­que­cer. Na úl­ti­ma en­tra­da no diá­rio, a 30 de maio de 1945, Car­ry per­gun­ta­va-se:

“Quan­do vi­rão tem­pos me­lho­res? No fun­do, pa­ra que ser­viu es­te mar de lá­gri­mas, es­ta lon­ga ca­mi­nha­da? Pa­ra me­re­cer o céu?”

NO FIM DA GUER­RA, CAR­RY CASOU E MU­DOU-SE PA­RA IS­RA­EL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.