HÁ LO­BOS NA PO­LÍ­TI­CA

ES­CRI­TOR USOU A SUA EX­PE­RI­ÊN­CIA CO­MO AU­TAR­CA PARA RE­VE­LAR CO­MO SÃO OS BAS­TI­DO­RES DE UM MUN­DO QUE ES­TÁ CHEIO DE GEN­TE AM­BI­CI­O­SA E SEM ES­CRÚ­PU­LOS

Correio da Manha - Sexta - - Êxito Leituras - Jorge Ti­no­co

“ACHO QUE TE­MOS O DE­VER

DE IN­CO­MO­DAR. DE NÃO NOS LIMITARMOS A EN­CO­LHER OS OM­BROS”

Jorge Ti­no­co foi vi­ce-pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Amares, em Bra­ga, mas a ex­pe­ri­ên­cia não cor­reu bem. Em vez de amu­ar, de­ci­diu es­cre­ver ‘A Des­lum­bra­da Vi­da de João No­vi­lho’ (Guer­ra & Paz), um li­vro que con­ta a as­cen­são me­teó­ri­ca de um po­lí­ti­co am­bi­ci­o­so, que não olha a mei­os para atin­gir os seus fins. A obra – que foi apre­sen­ta­da por João Soares na As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca e tem re­ce­bi­do crí­ti­cas en­tu­siás­ti­cas – não pre­ten­de ser au­to­bi­o­grá­fi­ca, mas “é cla­ro” que se ins­pi­ra na passagem do au­tor pe­la au­tar­quia. “O meu li­vro tem ou­tras di­men­sões: a di­men­são pas­si­o­nal, a di­men­são his­tó­ri­ca, a di­men­são so­ci­o­ló­gi­ca... Mas a sua ba­se é a po­lí­ti­ca e aqui­lo que me acon­te­ceu – e acon­te­ce a ou­tras pes­so­as na po­lí­ti­ca... A for­ma co­mo se usa e abu­sa do po­der, a fal­ta de trans­pa­rên­cia no exer­cí­cio dos car­gos pú­bli­cos. O João Soares dis­se que es­te No­vi­lho mais pa­re­ce um touro de­sem­bes­ta­do, ca­paz de tu­do. E es­tas pes­so­as – que exis­tem na po­lí­ti­ca atu­al – são pe­ri­go­sas.” A his­tó­ria de João No­vi­lho tem lu­gar num “país in­ven­ta­do”. Na vi­da re­al Jorge Ti­no­co tra­ba­lha, há 18 anos, na Co­mis­são para a Dis­su­a­são da To­xi­co­de­pen­dên­cia, um tra­ba­lho que o re­a­li­za. “É um pra­zer e uma hon­ra fa­zer um tra­ba­lho que é útil e que es­tá a ter um re­co­nhe­ci­men­to ca­da vez mai­or, tan­to cá den­tro co­mo lá fo­ra. O mo­de­lo por­tu­guês es­tá a ser re­co­men­da­do em vá­ri­os paí­ses do Mun­do e foi de­ba

ti­do nas pró­pri­as Na­ções Uni­das, on­de foi le­va­do co­mo exem­plo a se­guir”, con­ta à re­vis­ta Sex­ta.

Li­cen­ci­a­do em Lín­guas e Li­te­ra­tu­ras Mo­der­nas, com for­ma­ção em Ci­ên­ci­as So­ci­ais e li­ga­ções ao mun­do do as­so­ci­a­ti­vis­mo, Jorge Ti­no­co tem ou­tros li­vros pu­bli­ca­dos. O pri­mei­ro a sair ao pú­bli­co foi ‘Tu­do Me­nos Se­ra­fins’, uma re­co­lha de con­tos que tem co­mo re­fe­rên­cia o uni­ver­so dos se­mi­ná­ri­os – que tam­bém frequentou – e o se­gun­do, ‘O Mar de Pau­la’, “é um ro­man­ce a du­as vo­zes que tem um fundo psi­co­ló­gi­co”. Mas Jorge Ti­no­co tem mais coi­sas na ga­ve­ta. E pro­me­te vol­tar à es­cri­ta. “Não te­nho o rit­mo de es­cre­ver to­dos os di­as. Na lei­tu­ra tam­bém sou as­sim: pas­so di­as sem ler na­da e de­pois agar­ro-me a um li­vro e fi­co ob­ce­ca­do a ler vá­ri­os di­as se­gui­dos...”

Tam­bém pro­me­te que con­ti­nu­a­rá a dar ex­pres­são à sua veia crí­ti­ca. “Acho que te­mos o de­ver de in­co­mo­dar. De não nos limitarmos a en­co­lher os om­bros quan­do ou­vi­mos uma no­tí­cia so­bre cor­rup­ção. De­ve­mos agir”, con­clui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.