À es­pe­ra do mi­la­gre

O PRO­GRA­MA DO CHEF MAIS LOU­CO DA TV JÁ TEM ES­TREIA AGENDADA. AGO­RA RES­TA À TVI REZAR PA­RA QUE O JUGOSLAVO MUL­TI­PLI­QUE AU­DI­ÊN­CI­AS

Correio da Manha - Sexta - - Primeira Página -

Ater­cei­ra tem­po­ra­da de ‘Pesadelo na Co­zi­nha’ já a es­tá a ser pre­pa­ra­da a to­do o gás. A par­tir de se­tem­bro, Ljubomir Stanisic vol­ta a ves­tir a far­da pa­ra as gra­va­ções do pro­gra­ma mais po­lé­mi­co da te­le­vi­são por­tu­gue­sa, que se re­ve­lou um ver­da­dei­ro fe­nó­me­no de au­di­ên­ci­as. A es­treia, ao que tu­do in­di­ca, es­tá pre­vis­ta pa­ra o úl­ti­mo tri­mes­tre do ano. Es­ta é, até ao mo­men­to, uma das ar­mas da TVI pa­ra re­cu­pe­rar a li­de­ran­ça nas au­di­ên­ci­as. No en­tan­to, es­se não é um mo­ti­vo de pre­o­cu­pa­ção pa­ra o chef jugoslavo, que vol­tou a acei­tar o de­sa­fio pe­lo ob­je­ti­vo do for­ma­to. “[O pro­gra­ma] fun­ci­o­na co­mo uma ten­ta­ti­va de mu­dar men­ta­li­da­des [dos pro­pri­e­tá­ri­os de res­tau­ran­tes] que es­tão a fa­zer as coi­sas er­ra­das”, de­ta­lhou em afir­ma­ções à Agên­cia Lu­sa. A pos­tu­ra de Stanisic

re­vol­ta uns e apai­xo­na ou­tros. O co­zi­nhei­ro ga­ran­tiu que na­da é a fin­gir. “[O que se vê na te­le­vi­são] é a re­a­li­da­de pu­ra e du­ra.” Além de ‘Pesadelo Co­zi­nha’, Felipa Garnel, atu­al res­pon­sá­vel pe­lo en­tre­te­ni­men­to do quar­to ca­nal, po­de­rá avan­çar com a es­treia de ‘Mas­ter­chef Por­tu­gal’. O for­ma­to es­tá gra­va­do e pron­to a es­tre­ar.

DIS­PU­TA­DO POR TE­LE­VI­SÕES

Stanisic ad­mi­tiu re­cen­te­men­te que o re­gres­so à TVI só foi pos­sí­vel gra­ças ao con­tra­to que as­si­nou com o ca­nal. O co­zi­nhei­ro re­ve­lou que nos úl­ti­mos me­ses re­ce­beu pro­pos­tas de vá­ri­as es­ta­ções: “Há pro­pos­tas do Da­ni­el Oliveira, da SIC, da RTP, da TVI, de to­do o la­do, mas a mi­nha vi­da é a co­zi­nha, não é te­le­vi­são”.

O NE­GÓ­CIO NOS AÇORES

Além do re­gres­so ao pe­que­no ecrã, Ljubomir tem vá­ri­os pro­je­tos em mãos – in­cluin­do a ges­tão de um no­vo res­tau­ran­te – Lí­que­en, nos Açores. A ideia, ex­pli­cou, pro­vo­cou um ver­da­dei­ro re­bo­li­ço. “Mui­ta gen­te no con­ti­nen­te dis­se-me que abrir um res­tau­ran­te nos Açores era coi­sa de ma­lu­co. Nin­guém apos­ta nos Açores. Só cá vêm pa­ra fes­ti­vais, on­de se co­zi­nha du­ran­te dois ou três di­as.” Pa­ra já, o chef pre­ten­de “es­pi­ca­çar” a res­tau­ra­ção no ar­qui­pé­la­go, que dis­se ter mui­to po­ten­ci­al eco­nó­mi­co. “A gastronomi­a é fa­bu­lo­sa”, elo­gi­ou.

“A MI­NHA VI­DA É A CO­ZI­NHA,

NÃO É A TE­LE­VI­SÃO”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.