“TOCÁVAMOS EM FARDOS DE PA­LHA”

BAN­DA DE ÉVORA É UM DOS NO­MES EM CAR­TAZ DO FES­TI­VAL F. FALÁMOS COM JOÃO DIREITINHO SO­BRE O NO­VO DIS­CO, ‘SEM ME­DOS’

Correio da Manha - Sexta - - Êxito Entrevista -

Ovos­so se­gun­do dis­co cha­ma-se ‘Sem Me­dos’. Is­to quer di­zer que os ti­ve­ram an­tes?

Sim, cla­ro que ti­ve­mos, mas acho que fo­ram es­ses me­dos que nos fi­ze­ram cres­cer. Nós éra­mos mui­to miú­dos qu­an­do co­me­çá­mos. Tí­nha­mos ape­nas 18 anos qu­an­do as­si­ná­mos pe­la nos­sa edi­to­ra, uma mul­ti­na­ci­o­nal ain­da por ci­ma, e acho que o nos­so pri­mei­ro ál­bum foi uma adap­ta­ção ao mer­ca­do mu­si­cal. Por is­so, foi fun­da­men­tal ou­vir as pes­so­as mais ex­pe­ri­en­tes que já cá an­da­vam. Es­te ‘Sem Me­dos’ é ago­ra um ál­bum fei­to sem fil­tros e sem re­cei­os que foi de­se­nha­do sem pen­sar em rá­di­os ou te­le­vi­sões.

No te­ma de aber­tu­ra do dis­co can­tam “Nós vi­e­mos de bai­xo/e es­ta­mos fo­ca­dos, com ru­mo e direção”. Há aqui uma in­ten­ção da vos­sa par­te em mos­trar que o su­ces­so do pri­mei­ro dis­co não foi sor­te de prin­ci­pi­an­te?

Sim, nes­se te­ma nós ten­ta­mos es­cla­re­cer mui­to aqui­lo que são os Átoa. No iní­cio fo­mos al­vo de mui­tas com­pa­ra­ções e che­gou a ser di­to que éra­mos um pro­du­to cri­a­do pe­la edi­to­ra. Cla­ro que não te­mos que nos jus­ti­fi­car a nin­guém, mas que­ría­mos ter um iní­cio de dis­co sem me­dos, em que as pes­so­as sou­bes­sem re­al­men­te aqui­lo que so­mos e de on­de vi­e­mos. É que nós co­me­çá­mos mes­mo por bai­xo, so­fre­mos mui­to e ab­di­cá­mos de mui­ta coi­sa. No iní­cio, ía­mos de car­ro pa­ra os concertos com os ins­tru­men­tos ao co­lo, ato­la­dos em ma­te­ri­al de tal for­ma que mal vía­mos a es­tra­da. Os pri­mei­ros concertos fo­ram em ci­ma de fardos de pa­lha no Alen­te­jo, mui­tas ve­zes em lo­cais com mui­ta la­ma e mui­ta chu­va. Só de­pois é que apa­re­ceu a edi­to­ra, mas o tra­ba­lho é to­do nos­so. Ho­je até so­mos os pro­du­to­res dos

nos­sos ví­de­os.

Os Átoa co­me­ça­ram nu­ma ci­da­de no Alen­te­jo, lon­ge dos gran­des cen­tros ur­ba­nos, ain­da mui­to jo­vens. O que é que mu­dou, en­tre­tan­to, em vo­cês?

Eu acho que o que mais mu­dou foi a nos­sa per­ce­ção da di­men­são do mun­do mu­si­cal. Qu­an­do es­tá­va­mos a gra­var em Évora, a par­tir da ga­ra­gem, o nos­so ob­je­ti­vo era que a nos­sa mú­si­ca apa­re­ces­se no Diá­rio do Sul ou pas­sas­se na rá­dio Di­a­na [ri­sos]. Ho­je to­ca­mos em al­guns dos mai­o­res pal­cos na­ci­o­nais. Com o tem­po co­me­çá­mos a per­ce­ber que ha­via mui­to mais pa­ra lá do nos­so pe­que­ni­no Alen­te­jo. Che­gar ao Por­to, a Lis­boa ou ao Al­gar­ve e ver que há uma re­a­li­da­de di­fe­ren­te da nos­sa, mos­tra-nos quão pe­que­ni­nos nós so­mos. Acho que foi, por exem­plo, qu­an­do co­me­çá­mos a par­ti­lhar ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tros mú­si­cos, co­mo os D.A.M.A, o Agir ou o Di­o­go Pi­çar­ra que de­mos o sal­to.

“FO­RAM OS ME­DOS QUE NOS FI­ZE­RAM

CRES­CER”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.