À PRO­CU­RA DE BLIMUNDA

JORNALISTA E ESCRITORA COM FOR­MA­ÇÃO EM HIS­TÓ­RIA LANÇOU MÃOS À OBRA E APRE­SEN­TA UM LIVRO SO­BRE EPI­SÓ­DI­OS ME­NOS CONHECIDOS DA NOS­SA HIS­TÓ­RIA. A PRI­MEI­RA EDI­ÇÃO JÁ ES­TÁ ESGOTADA!

Correio da Manha - Sexta - - Êxito Leituras -

Quan­do es­cre­veu ‘Me­mo­ri­al do Con­ven­to’ e cri­ou uma das su­as mais be­las e enig­má­ti­cas per­so­na­gens – a vi­den­te Blimunda – Jo­sé Sa­ra­ma­go sa­bia que, no sé­cu­lo XVIII, exis­tiu uma mu­lher de no­me Do­ro­teia que, em je­jum, ti­nha ‘vi­sões’. Olhan­do pa­ra as grá­vi­das con­se­guia sa­ber o se­xo dos be­bés; olhan­do pa­ra pes­so­as e ani­mais con­se­guia de­te­tar on­de se de­sen­vol­vi­am as su­as do­en­ças. Foi ela quem, a pe­di­do do pro­te­tor, o Rei D. João V, in­di­cou on­de se es­con­di­am as nas­cen­tes de água que ali­men­ta­ram a cons­tru­ção do Con­ven­to de Ma­fra. Por is­so, ci­en­te do seu poder, quan­do a In­qui­si­ção a cha­mou a de­por – pa­ra que ex­pli­cas­se de on­de lhe vi­nham as vi­sões – fal­tou à cha­ma­da e es­cre­veu uma car­ta a di­zer que não ia com­pa­re­cer. E não foi.

Es­ta é uma das mui­tas his­tó­ri­as que a jornalista e escritora Fátima Ma­ri­a­no re­co­lheu e reu­niu no vo­lu­me ‘Gran­des Mis­té­ri­os da His­tó­ria de Por­tu­gal’, a con­vi­te da edi­to­ra Con­tra­pon­to. Pe­di­ram-lhe que – da­da a sua for­ma­ção em His­tó­ria – en­con­tras­se epi­só­di­os me­nos conhecidos, sur­pre­en­den­tes e pas­sí­veis de ca­ti­var lei­to­res de to­das as ida­des, e a au­to­ra lançou mãos a um pro­je­to que diz ter da­do “mui­to tra­ba­lho, mas ain­da mais pra­zer”.

“Par­ti de uma lis­ta de his­tó­ri­as que já co­nhe­cia, mas ou­tras fo­ram-me in­di­ca­das por ami­gos e, ao lon­go da mi­nha in­ves­ti­ga­ção, fui ten­do sur­pre­sas agra­dá­veis”, diz ela, que gos­ta de fa­lar do epi­só­dio do car­guei­ro ‘An­go­che’. “É uma his­tó­ria que se pas­sou já no

sé­cu­lo XX, mas que me im­pres­si­o­nou mui­to”, con­ta. “O car­guei­ro ‘An­go­che’ de­sa­pa­re­ceu ao lar­go de Mo­çam­bi­que em 1971 – ou se­ja, em ple­na guer­ra co­lo­ni­al –, e foi en­con­tra­do uns di­as de­pois, par­ci­al­men­te quei­ma­do. Dos 24 ho­mens que es­ta­vam a bor­do, nem ras­to, e o úni­co ser vi­vo que se en­con­tra­va a bor­do era um cão. Até ho­je não se sa­be o que acon­te­ceu àque­les ho­mens”, diz Fátima Ma­ri­a­no.“O ca­so foi co­ber­to pe­la im­pren­sa de to­do o Mun­do e mui­to se es­pe­cu­lou so­bre o que po­de ter acon­te­ci­do. A ver­da­de, po­rém, nun­ca foi apu­ra­da.”

É por es­tas e ou­tras his­tó­ri­as que o livro, que saiu em ju­lho, já es­go­tou a pri­mei­ra edi­ção e ‘obri­gou’ a Con­tra­pon­to a anun­ci­ar uma se­gun­da. “Te­nho ami­gas mi­nhas cu­jos fi­lhos, crianças de 8, 9 ou 10 anos, de­vo­ra­ram o livro, o que me dei­xou mui­to sa­tis­fei­ta, por­que es­se era o ob­je­ti­vo a que me pro­pus: ter lei­to­res de to­das as fai­xas etá­ri­as.”

E co­mo Fátima Ma­ri­a­no ain­da fi­cou com vá­ri­as his­tó­ri­as na ga­ve­ta – epi­só­di­os que não ca­bi­am no pri­mei­ro vo­lu­me dos ‘Gran­des Mis­té­ri­os’ – não des­car­ta a pos­si­bi­li­da­de de vir a fa­zer um se­gun­do.“As­sim que o livro saiu, hou­ve mui­ta gen­te a vir con­tar-me his­tó­ri­as cu­ri­o­sas, por is­so, quem sa­be... No fun­do é ou­tra ma­nei­ra de sa­ber de His­tó­ria de Por­tu­gal...”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.