GRU­PO DE VOL­TA COM NO­VO DIS­CO

LÍ­DER DOS MÃO MOR­TA FA­LA SO­BRE O NO­VO DIS­CO, DA IN­FÂN­CIA EM VI­EI­RA DO MINHO E DA SUA RE­LA­ÇÃO COM AS RE­DES SO­CI­AIS

Correio da Manha - Sexta - - A Semana Começa À Guia Do Lazer - LA­ZER Mão Mor­ta

No Fim Era o Frio’, que ho­je é lan­ça­do, as­su­me-se co­mo uma nar­ra­ti­va dis­tó­pi­ca. Co­mo é que is­so fun­ci­o­na nes­te dis­co? Es­te frio do tí­tu­lo é o frio cos­mo­ló­gi­co, que se re­la­ci­o­na com o ce­ná­rio dis­tó­pi­co do fim do pla­ne­ta Ter­ra em que as­sen­ta a nar­ra­ti­va, mas é tam­bém – e so­bre­tu­do – o frio afe­ti­vo, de per­da, de de­sam­pa­ro, que per­cor­re o es­ta­do de es­pí­ri­to de­li­ran­te do nar­ra­dor, e a sua con­ju­ga­ção pre­ten­de dar res­pos­ta à fa­mo­sa ex­pres­são bí­bli­ca “no prin­cí­pio era o ver­bo”. ‘No Fim Era o Frio’ fun­ci­o­na qua­se co­mo um te­ma úni­co que atra­ves­sa to­do o dis­co, com di­ver­sas va­ri­a­ções, in­ter­ven­ções, cor­tes, re­pe­ti­ções, cres­cen­dos, di­nâ­mi­cas e que­bras a cri­a­rem uma pro­gres­são que acom­pa­nha o de­sen­ro­lar da his­tó­ria que vai acon­te­cen­do, nu­ma es­pé­cie de an­da­men­tos de uma mes­ma sin­fo­nia.

E a ní­vel de so­no­ri­da­de, é mui­to di­fe­ren­te de ‘Pe­lo Meu Re­ló­gio São Ho­ras de Ma­tar’ (2014)?

No dis­co an­te­ri­or qui­se­mos ex­pe­ri­men­tar um de­sa­ce­le­rar do tem­po das can­ções, ten­do daí re­sul­ta­do um am­bi­en­te pe­sa­do e de cer­to mo­do claus­tro­fó­bi­co, pro­pi­ci­a­dor da te­má­ti­ca que de­pois de­sen­vol­ve­mos, em con­so­nân­cia com os tem­pos mi­se­rá­veis e uni­di­men­si­o­nais que en­tão se vi­vi­am em Por­tu­gal; nes­te ‘No Fim Era o Frio’ a ideia foi de­sen­vol­ver um prin­cí­pio ca­ro à mú­si­ca ele­tró­ni­ca, a com­po­si­ção por mó­du­los, e tra­zê-lo pa­ra um ou­tro uni­ver­so, o da mú­si­ca elé­tri­ca, do que re­sul­tou um es­prai­a­men­to dos te­mas, que per­de­ram de to­do as ca­rac­te­rís­ti­cas tí­pi­cas de uma can­ção pa­ra se tor­na­rem lon­gos des­do­bra­res rít­mi­cos e/ou me­ló­di­cos.

Co­mo é que pre­ten­dem apre­sen­tar es­te tra­ba­lho em pal­co, nos con­cer­tos de ama­nhã no Hard­club, do Por­to, dia 11 de ou­tu­bro no LAV, em Lis­boa, e dia 31 no Ci­ne­te­a­tro Lou­le­ta­no, em Lou­lé?

A nos­sa ideia é apre­sen­tar o dis­co to­do se­gui­do. Po­di­am ser ex­traí­dos ex­cer­tos, mó­du­los/blo­cos, pa­ra se­rem apre­sen­ta­dos co­mo te­mas se­pa­ra­dos – e no fu­tu­ro po­de­re­mos vol­tar a fa­zê-lo, co­mo o te­mos fei­to des­de o iní­cio de 2018 em con­cer­tos avul­so –, mas nes­tes con­cer­tos de apre­sen­ta­ção do dis­co o que nos pa­re­ce es­ti­mu­lan­te é apre­sen­tar a mú­si­ca do dis­co na sua in­te­gra­li­da­de, co­mo ex­pe­ri­ên­cia de en­vol­vi­men­to to­tal no am­bi­en­te e

“A IDEIA É FA­ZER UM ES­PE­TÁ­CU­LO EM DU­AS PAR­TES, A PRI­MEI­RA DE APRE­SEN­TA­ÇÃO DO DIS­CO E A SE­GUN­DA DE RE­PER­TÓ­RIO”

na nar­ra­ti­va da sua dis­to­pia, com ce­ná­rio e lu­zes es­pe­ci­al­men­te pen­sa­dos pa­ra is­so e a fa­ze­rem a pon­te com o ce­ná­rio e lu­zes dos an­te­ri­o­res es­pe­tá­cu­los de dan­ça. Mas não qu­e­re­mos ape­nas apre­sen­tar o dis­co, pe­lo que a ideia é fa­zer um es­pe­tá­cu­lo em du­as par­tes, uma pri­mei­ra de apre­sen­ta­ção in­te­gral do dis­co e uma se­gun­da de re­per­tó­rio, co­mo um nor­mal con­cer­to rock & roll dos Mão Mor­ta.

Lan­çou re­cen­te­men­te o li­vro ‘Ga­ra­tu­jos do Minho’. De que for­ma é que cres­cer en­tre Vi­ei­ra do Minho e Bra­ga o mol­dou en­quan­to pes­soa?

Pas­sei gran­de par­te da in­fân­cia em Vi­ei­ra do Minho, nas fal­das da ser­ra da Ca­brei­ra, em con­tac­to mui­to pró­xi­mo com a vi­da ru­ral e ser­ra­na, e is­so dei­xou-me mar­cas, co­mo o gos­to pe­la Na­tu­re­za e pe­lo re­co­lhi­men­to – dei­xou-me bicho do ma­to, co­mo se cos­tu­ma di­zer!

Acha que es­te ti­po de vi­vên­cia faz fal­ta à no­va ge­ra­ção, con­su­mi­da pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as e re­des so­ci­ais?

A mim faz-me fal­ta, se­gu­ra­men­te, de vez em quan­do. Quan­to à no­va ge­ra­ção, faz-lhe tan­ta fal­ta a ela co­mo o fez às an­ti­gas, de vi­vên­ci­as ex­clu­si­va­men­te ur­ba­nas – mas não te­nho no­tí­cia de que se te­nham da­do mal com es­sa fal­ta…

Qual é a sua re­la­ção com as re­des so­ci­ais? Tem Fa­ce­bo­ok, Ins­ta­gram…?

Te­nho Ins­ta­gram pri­va­do há mui­tos anos – na al­tu­ra ins­ta­lei-o co­mo apli­ca­ti­vo pa­ra tra­ba­lhar fo­to­gra­fi­as e só de­pois me dei con­ta de que es­se apli­ca­ti­vo tam­bém fun­ci­o­na­va co­mo re­de so­ci­al, na al­tu­ra ain­da mui­to de­ser­ta, e por es­se mo­ti­vo dei­xei-o fi­car. Quan­do o Ins­ta­gram se co­me­çou a po­vo­ar apa­guei-lhe to­do o con­teú­do e ti­rei-o do te­le­fo­ne, mas de fac­to nun­ca con­se­gui sair – sou um bocado in­fo­ex­cluí­do e nun­ca me con­se­gui li­ber­tar tec­ni­ca­men­te da con­ta! Mas ain­da bem – en­quan­to es­ti­ve sem a apli­ca­ção dei-me con­ta de que fi­ca­ra sem mui­ta da in­for­ma­ção de da­tas e no­mes que le­gen­da­vam as fo­to­gra­fi­as, pe­lo que de­ci­di re­tor­nar, ser­vin­do-me ela des­de en­tão es­sen­ci­al­men­te co­mo agen­da his­tó­ri­ca de lo­cais, ban­das e acon­te­ci­men­tos on­de es­ti­ve ou que vi… Não te­nho nem nun­ca ti­ve qu­al­quer ou­tra apli­ca­ção li­ga­da a re­des so­ci­ais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.