Cris­ti­na Fer­rei­ra So­nho des­truí­do e crí­ti­cas na noi­te dos Glo­bos de Ou­ro

Correio da Manha - Sexta - - Tv Tema Da Semana -

OS GLO­BOS DE OU­RO CONQUISTAR­AM A PRE­FE­RÊN­CIA DO PÚ­BLI­CO NO QUE RES­PEI­TA ÀS AU­DI­ÊN­CI­AS, MAS AS CRÍ­TI­CAS À APRE­SEN­TA­DO­RA SO­MAM-SE A CA­DA MI­NU­TO... OS VES­TI­DOS, O DIS­CUR­SO AO ACEI­TAR O PRÉ­MIO DE PER­SO­NA­LI­DA­DE DO ANO NO EN­TRE­TE­NI­MEN­TO E A HO­ME­NA­GEM A BÁR­BA­RA GUI­MA­RÃES ENSOMBRAM DIA MAIS DE­SE­JA­DO POR CRIS­TI­NA DES­DE A CHE­GA­DA À SIC

As ex­pec­ta­ti­vas eram enor­mes, mas aos olhos dos es­pec­ta­do­res es­tas saí­ram com­ple­ta­men­te fu­ra­das. Cris­ti­na Fer­rei­ra foi a es­co­lhi­da pa­ra con­du­zir a ga­la dos Glo­bos de Ou­ro, mas as crí­ti­cas aos ves­ti­dos que usou, ao dis­cur­so “pou­co hu­mil­de” aquan­do da vitória do Glo­bo de Ou­ro co­mo per­so­na­li­da­de do ano no en­tre­te­ni­men­to e os en­ga­nos e ner­vo­sis­mo ao lon­go da emis­são de­sa­pon­ta­ram os fãs. As crí­ti­cas são mais que mui­tas. Cris­ti­na ten­tou sur­pre­en­der por cin­co ve­zes com o guar­da-rou­pa. Usou qua­tro ves­ti­dos de co­nhe­ci­dos cri­a­do­res (Mi­ca­e­la Oli­vei­ra, João Ro­lo, Ro­ber­to Diz e Da­vid Fer­rei­ra) e ain­da um ou­tro modelo de­se­nha­do pe­la ven­ce­do­ra do passatempo aber­to ao pú­bli­co (do­na Eli­sa). A de­si­lu­são foi to­tal. “Já pas­sas­te da ida­de pa­ra te ves­ti­res de fa­da. És a apre­sen­ta­do­ra dos Glo­bos e és a que me­nos apa­re­ce. Só es­tás a fa­zer pas­sa­gem de mo­de­los”, “es­pe­tá­cu­lo fra­co, a Cris­ti­na só pen­sou no as­pe­to de­la” ou “os ves­ti­dos mais hor­ro­ro­sos fo­ram sem dú­vi­da os da Cris­ti­na”, es­tes fo­ram al­guns dos mi­lha­res de co­men­tá­ri­os de to­tal de­sa­gra­do dei­xa­dos pe­los es­pec­ta­do­res nas re­des so­ci­ais da SIC. A emis­são, cu­ja re­a­li­za­ção fi­cou a car­go de João Pa­trí­cio tam­bém foi al­vo de du­ros re­pa­ros. “Uma ver­da­dei­ra se­ca. Nem con­se­gui ver até ao fim! A apre­sen­ta­ção da ga­la sem na­tu­ra­li­da­de” ou “Sau­da­de das gran­des ga­las di­ver­ti­das. Foi mui­to po­bre e sem graça. Fal­tou hu­mor e ale­gria”. O pi­or mo­men­to, aos olhos do pú­bli­co, foi o dis­cur­so de Cris­ti­na após a con­quis­ta de um tro­féu co­mo per­so­na­li­da­de do ano no en­tre­te­ni­men­to. “Cris­ti­na, a rai­nha da hu­mil­da­de”, “pre­sun­ção e água ben­ta, Cris­ti­na” e “que con­ven­ci­da e ar­ro­gan­te”, fo­ram al­gu­mas das crí­ti­cas. No en­tan­to, há quem elo­gie o es­ti­lo de Cris­ti­na, ga­ran­tin­do que a es­tre­la se man­te­ve fi­el a si pró­pria, em es­pe­ci­al no mo­men­to em que sur­giu com um modelo com a ima­gem de Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma.

BÁR­BA­RA: A SUR­PRE­SA DA NOI­TE

O mo­men­to de gló­ria que de­ve­ria ter si­do de Cris­ti­na Fer­rei­ra foi pro­ta­go­ni­za­do por Bár­ba­ra Gui­ma­rães. A apre­sen­ta­do­ra re­gres­sou à TV pe­la ‘por­ta gran­de’ e pro­por­ci­o­nou um dos mo­men­tos mais emo­ci­o­nan­tes dos Glo­bos. A pró­pria SIC co­ro­ou a ex-an­fi­triã do even­to mais im­por­tan­te do ca­nal. “Bár­ba­ra Gui­ma­rães, a ‘Rai­nha’ dos Glo­bos de Ou­ro, emo­ci­o­na­da ao re­ce­ber o ca­ri­nho do pú­bli­co”, lê-se na pu­bli­ca­ção fei­ta no Ins­ta­gram da es­ta­ção. O pú­bli­co não fi­cou in­di­fe­ren­te: “O mo­men­to da noi­te”, “Bár­ba­ra vol­ta de­pres­sa à te­le­vi­são” ou “os mi­nu­tos que sal­va­ram a ga­la.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.