“GOS­TO DE ME OU­VIR EM POR­TU­GUÊS”

A CAN­TO­RA DEI­XOU PA­RA TRÁS O IN­GLÊS E LAN­ÇA O SEU PRI­MEI­RO DIS­CO IN­TEI­RA­MEN­TE NA LÍN­GUA MÃE. O NO­VO TRA­BA­LHO CON­TA COM LUÍ­SA SO­BRAL. SE­GUE-SE O PAL­CO EM VER­SÃO IN­TI­MIS­TA

Correio da Manha - Sexta - - Êxito Entrevista -

Ten­do em con­ta que há dois anos ga­nhou o Fes­ti­val da Can­ção com ‘O Jar­dim’, um dis­co can­ta­do em por­tu­guês era uma ine­vi­ta­bi­li­da­de no per­cur­so da Isau­ra?

Sim, acho que sim, em­bo­ra eu já pen­sas­se fa­zer coi­sas em por­tu­guês mui­to an­tes do fes­ti­val. Ele tal­vez te­nha da­do o em­pur­rão­zi­nho que fal­ta­va. Che­gou uma al­tu­ra em que achei que já ti­nha ex­plo­ra­do mui­tas das coi­sas que que­ria em in­glês e que fa­zia to­do o sen­ti­do ver co­mo cor­ri­am em por­tu­guês. Ti­nha de pas­sar por es­ta ex­pe­ri­ên­cia e o fac­to é que foi mais pra­ze­ro­sa do aqui­lo que eu acha­va que ia ser.

E co­mo é que foi es­se pro­ces­so de com­po­si­ção em por­tu­guês?

Foi mui­to in­te­res­san­te. Fiz uma par­ce­ria co­mi­go pró­pria [ri­sos]. A par­tir do mo­men­to em que de­ci­di que ia fa­zer um dis­co em por­tu­guês as­su­mi o com­pro­mis­so co­mi­go pró­pria de não fa­zer ab­so­lu­ta­men­te mais na­da em in­glês. De­pois as­su­mi um pa­pel mui­to mais ati­vo na pro­du­ção e ro­de­ei-me de pes­so­as que me ins­pi­ram co­mo a Luí­sa So­bral ou os Sal­to.

O con­teú­do do que can­ta va­ria con­so­an­te es­cre­va em in­glês ou em por­tu­guês? Eu acho que o con­teú­do não va­ria mui­to, por­que as mi­nhas can­ções são sem­pre mui­to bi­o­grá­fi­cas ou en­tão so­bre coi­sas que eu ob­ser­vo à mi­nha vol­ta. Não gos­to mui­to de in­ven­tar his­tó­ri­as. A for­ma co­mo eu es­cre­vo é que mu­da ra­di­cal­men­te. Não dá pa­ra es­cre­ver uma frase em in­glês e tra­du­zi-la pa­ra por­tu­guês. Ela vai sem­pre so­ar mui­to es­qui­si­ta.

Nes­te dis­co, a Isau­ra con­ti­nua fi­el à sua so­no­ri­da­de tão ca­rac­te­rís­ti­ca. Co­mo é que sen­te que o por­tu­guês se en­cai­xou ne­la? Eu acho que aca­bou por ser mais fá­cil do que pen­sa­va por­que te­nho uma for­ma mui­to par­ti­cu­lar de can­tar. Eu co­me­cei a apren­der a to­car gui­tar­ra e a fa­zer as pri­mei­ras can­ções aos 11 anos, em por­tu­guês. Por­tan­to, na­da dis­to foi com­ple­ta­men­te no­vo.

Sen­tia que tam­bém ha­via ex­pec­ta­ti­va das pes­so­as pa­ra ou­vir mais coi­sas em por­tu­guês da Isau­ra de­pois do Fes­ti­val? Sim, e es­sa foi uma ex­pec­ta­ti­va que me dei­xou mui­to fe­liz.

E os co­men­tá­ri­os, que vêm de den­tro e fo­ra de Por­tu­gal, não po­di­am ser mais elo­gi­o­sos. Há mes­mo um bra­si­lei­ro que es­cre­ve “Isau­ra di­van­do em por­tu­guês” [Ri­sos]. Sim, os co­men­tá­ri­os têm si­do mui­to bons. A ver­da­de é que eu tam­bém gos­to mui­to de me ou­vir em por­tu­guês. Nós po­de­mos can­tar em mui­tas lín­guas, mas a lín­gua com que cres­ce­mos é sem­pre es­pe­ci­al.

E ago­ra, co­mo vai pas­sar es­te dis­co pa­ra o pal­co?

Es­te dis­co vai vi­ver mui­to do pal­co. Eu sem­pre fiz concertos com ban­da, mas o no­vo espetáculo vai ser mui­to in­ti­mis­ta. Eu so­zi­nha em pal­co nu­ma ver­são mais ele­tró­ni­ca.

“TI­NHA DE PAS­SAR POR ES­TA EX­PE­RI­ÊN­CIA”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.