UM ES­CRA­VO QUE SE LI­BER­TA

ATOR RE­GRES­SA AOS PAL­COS NU­MA PE­ÇA AS­SI­NA­DA POR MA­NU­EL PU­RE­ZA E QUE RE­CE­BEU O PRÉ­MIO DE NO­VA DRA­MA­TUR­GIA DO INATEL

Correio da Manha - Sexta - - Êxito Teatro -

“É UM TEX­TO QUE LE­VA AS PES­SO­AS A QUESTIONAR­EM

OS SEUS DI­AS,

OS SEUS TRA­BA­LHOS”

Cris­tó­vão Cam­pos co­nhe­ce Ma­nu­el Pu­re­za por ter tra­ba­lha­do com ele quer em ci­ne­ma quer em te­le­vi­são. Por is­so, quan­do o re­a­li­za­dor o con­vi­dou pa­ra in­ter­pre­tar a sua pe­ça de es­treia, dis­se lo­go que “sim”. “Li o tex­to, achei-o de­sa­fi­an­te, e nem he­si­tei”, re­cor­da, ele que já es­tá em ce­na na Sa­la Es­tú­dio do Te­a­tro da Trin­da­de, em Lis­boa, com ‘Ini­mi­gos da Li­ber­da­de’. Uma pe­ça que ga­nhou o Pré­mio Mi­guel Ro­vis­co No­vos Tex­tos Te­a­trais, do Inatel, re­la­ti­va ao ano de 2018/2019.

“É uma ale­go­ria so­bre a con­di­ção hu­ma­na”, re­ve­la o ator, que, em pal­co, dá cor­po a um es­cra­vo cu­jo tra­ba­lho é trans­por­tar pe­dras de um la­do pa­ra o ou­tro. A cer­ta al­tu­ra, uma das pe­dras pá­ra de ro­lar. E os es­cra­vos (são três) in­ter­ro­gam-se so­bre o que é que is­so po­de­rá que­rer sig­ni­fi­car...

“É um tex­to fi­lo­só­fi­co, que le­va as pes­so­as a questionar­em os seus di­as, os seus tra­ba­lhos, as su­as re­la­ções com os co­le­gas e com as che­fi­as. Acho que, sen­do um tex­to den­so, in­te­res­sa a to­da a gen­te por­que tem que ver com a vi­da de to­dos nós.”

UM FI­NAL FE­LIZ

A cer­ta al­tu­ra da ação, e sem que se per­ce­ba mui­to bem co­mo nem porquê, os três

es­cra­vos li­ber­tam-se das su­as amar­ras. Tor­nam-se ho­mens li­vres – no que po­de ser en­ten­di­do co­mo uma luz de es­pe­ran­ça ao fun­do do tú­nel no con­tex­to da pe­ça. Ain­da por ci­ma, vão ten­tar aju­dar ou­tros gru­pos de es­cra­vos, tam­bém eles pre­sos. Cris­tó­vão Cam­pos diz que não con­se­gue pre­ver se o es­pe­tá­cu­lo se­rá, ou não, bem re­ce­bi­do pe­lo pú­bli­co a que se des­ti­na.

“Eu gos­ta­ria mui­to que as pes­so­as ade­ris­sem a es­te tra­ba­lho, mas a mi­nha fun­ção en­quan­to ator não é pre­o­cu­par-me com a re­ce­ção. Nem no te­a­tro, nem no ci­ne­ma, nem na te­le­vi­são”, afir­ma. “O que te­nho de fa­zer é cons­truir a mi­nha per­so­na­gem o me­lhor que pos­so e que sei. O res­to já não é co­mi­go.”

Foi há 20 anos que o ar­tis­ta plás­ti­co Pe­dro Ca­bri­ta Reis re­a­li­zou uma ex­po­si­ção in­di­vi­du­al no re­cen­te­men­te inau­gu­ra­do Mu­seu de Ser­ral­ves, no Por­to. Pa­ra ce­le­brar a da­ta, a ins­ti­tui­ção pre­pa­rou uma mos­tra de tra­ba­lho des­te cri­a­dor que vai apre­sen­tar, até 26 de ja­nei­ro, no Es­pa­ço Cor­pus Ch­ris­ti, em Vi­la No­va de Gaia. A mos­tra in­ti­tu­la-se ‘Ca­bri­ta: Obras na Co­le­ção de Ser­ral­ves’ e re­ve­la a di­ver­si­da­de do seu ta­len­to.

LI­LI­A­NA PE­REI­RA

Além de Cris­tó­vão Cam­pos, o es­pe­tá­cu­lo tem ain­da no elen­co João Cra­vei­ro e João Vi­cen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.