Jo­sé Cid: a gran­de en­tre­vis­ta de­pois do Emmy

DI­AS DE­POIS DE RE­CE­BER UM GRAMMY, O CAN­TOR EDI­TOU `FA­DOS, FANDANGOS, MALHÕES E UMA VALSINHA', UM DIS­CO QUE É UM HI­NO À MÚ­SI­CA PO­PU­LAR POR­TU­GUE­SA

Correio da Manha - Sexta - - Primeira Página -

“NES­TE MO­MEN­TO TO­DA A GEN­TE, ATÉ OS PRÓ­PRI­OS FA­DIS­TAS, AN­DA POR AÍ A GRA­VAR BALADINHAS”

Já dis­se que es­te no­vo ál­bum, ‘Fa­dos, Fandangos, Malhões e uma Valsinha”, na ver­da­de não é um dis­co de fa­dos, nem de fandangos, nem de malhões. En­tão é o quê? Es­te é um ál­bum de world mu­sic em que as coi­sas não são com­ple­ta­men­te cha­pa­das, são ape­nas apro­xi­ma­das. É um dis­co que tem to­da a in­fluên­cia da mú­si­ca po­pu­lar por­tu­gue­sa e que ao ou­vi-lo te­mos a cer­te­za ab­so­lu­ta que é fei­to em Por­tu­gal. Acho que a ideia que ti­ve pa­ra fa­zer es­te dis­co é tam­bém pro­vo­ca­do­ra no sen­ti­do em que nes­te mo­men­to to­da a gen­te, até os pró­pri­os fa­dis­tas, an­dam por aí a gra­var umas baladinhas ro­mân­ti­cas ou en­tão ver­sões da Amá­lia, que fi­cam sem­pre pa­ra pi­or. Era qua­se co­mo se eu ago­ra me des­se na ca­be­ça de fa­zer uma ver­são de El­la Fitz­ge­rald.

Es­ta coi­sa da pro­vo­ca­ção é co­mo o Zé mais gos­ta de tra­ba­lhar não é, com­ple­ta­men­te con­tra­cor­ren­te? [ri­sos] Sim, gos­to mui­to, quan­to mais não se­ja pe­la ra­zão de que o que es­tá a dar já deu. Eu acho que to­dos nós te­mos de ter uma for­ma mui­to pró­pria de fa­zer­mos as coi­sas, al­go di­fe­ren­te da­qui­lo que es­tá a dar. Cla­ro que quan­do is­so acon­te­ce pro­vo­ca sem­pre dis­cus­são. Quem es­tá ha­bi­tu­a­do ao mains­tre­am não gos­ta, mas os ou­tros são ca­pa­zes de di­zer: “Is­to até tem pi­a­da.”

Mas quan­do co­me­çou a tra­ba­lhar nes­te dis­co já ti­nha is­so na ca­be­ça ou ele foi to­man­do es­sa di­re­ção? [ri­sos] Não. Es­te dis­co es­ta­va meio fei­to, por­que na ver­da­de não era pa­ra mim, era pa­ra o Zé Per­di­gão. Acon­te­ce que não che­gá­mos a um en­ten­di­men

to so­bre aqui­lo que se­ria o ál­bum e quan­do dei por mim ti­nha seis ou se­te can­ções em es­tú­dio, já fei­tas. Com o tem­po per­ce­bi que era por ali que eu que­ria ir, com te­mas co­mo o ‘Fa­do Pro­fi­lá­ti­co’, ‘Ai se eu Pu­des­se Vo­ar’ ou o ‘Fa­do do Ma­ri­nhei­ro Ame­ri­ca­no’. O Zé Per­di­gão se­guiu ou­tros ca­mi­nhos, an­da ago­ra a can­tar mor­nas com mui­to su­ces­so e eu de­ci­di dar se­gui­men­to ao ál­bum. Fiz mais uns te­mas co­mo ‘No Meu Fa­do Tem sem­pre um Blu­es’ e ‘Por Cal­les e Vi­e­las’ com le­tras de An­tó­nio Ta­va­res Telles e o dis­co fi­nal foi nas­cen­do.

Es­te é tal­vez o dis­co mais ca­ma­leó­ni­co da sua car­rei­ra, aque­le em que se ou­ve um mai­or nú­me­ro de so­no­ri­da­des. Is­so é da res­pon­sa­bi­li­da­de do Ama­deu Ma­ga­lhães, que é o ins­tru­men­tis­ta-ba­se des­te dis­co. Eu ti­ve, aliás, o pri­vi­lé­gio de ter ao meu la­do um dos mai­o­res mú­si­cos de mú­si­ca po­pu­lar de sem­pre. Ele es­te­ve nas gai­tas de fo­les, nos ca­va­qui­nhos, na con­cer­ti­na, nos adu­fes, na bra­gue­sa, en­tre ou­tros ins­tru­men­tos. E de­pois es­te dis­co ain­da con­tou com ou­tro gran­de mú­si­co na pro­du­ção e na mas­te­ri­za­ção que é o Xi­co Mar­tins.

Tem no­ção de que as pes­so­as pro­va­vel­men­te não es­tão à es­pe­ra de um dis­co des­tes do Jo­sé Cid?

Te­nho. Eu sei que es­te dis­co sur­pre­en­de, por­que tem sons a que já nos de­sa­bi­tuá­mos. É pre­ci­so vol­tar à nos­sa me­mó­ria e lem­brar às pes­so­as que te­mos uma iden­ti­da­de cul­tu­ral e uma so­no­ri­da­de que não pas­sa só pe­la gui­tar­ra por­tu­gue­sa. Nes­te dis­co há um te­ma ‘As Ve­lhas Lou­cas da Praia’, por exem­plo, que tem a gui­tar­ra de Lis­boa e a gui­tar­ra bra­gue­sa nu­ma sim­bi­o­se per­fei­ta.

E co­mo é que no meio des­te dis­co apa­re­ce o Gim­ba?

Pois é [ri­sos]. Eu acho que é a sur­pre­sa das sur­pre­sas, um mú­si­co pop que de re­pen­te me es­cre­ve um te­ma bri­lhan­te cha­ma­do ‘Se­te Bru­xas’, com­ple­ta­men­te des­con­tex­tu­a­li­za­do da obra de­le. E ain­da por ci­ma com um po­e­ma ge­ni­al. Ou se­ja, es­te dis­co, mes­mo den­tro da mú­si­ca po­pu­lar é um ar­co-íris. Não há uma mú­si­ca que se re­pi­ta.

Já ti­nha di­to que es­te ál­bum era o úl­ti­mo da car­rei­ra. É mes­mo?

Eu men­ti [ri­sos]. Te­nho já um ou­tro cha­ma­do ‘Vo­zes do Além’ que es­tá pron­to mas que é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te des­te. Vem na con­ti­nu­a­ção do ’10 000 anos De­pois En­tre Vé­nus e Mar­te’. Ca­da te­ma é es­cri­to por um po­e­ta di­fe­ren­te e to­dos eles abor­dam a ideia da re­en­car­na­ção ou do re­gres­so à ter­ra de­pois de Mar­te. Es­se dis­co sai­rá no fi­nal de 2020.

O que é que um Grammy traz de no­vo a al­guém que já tem 77 anos de vi­da e mais de 50 anos de car­rei­ra?

Es­te Grammy foi a ce­re­ja no to­po do bo­lo, mas o ver­da­dei­ro Grammy é a sim­pa­tia, a de­di­ca­ção das pes­so­as e o fac­to de ter os es­pe­tá­cu­los chei­os. Eu acho que sou um ca­so úni­co no Mundo. Acho que não há nin­guém da mi­nha ida­de a can­tar du­as ho­ras e meia sem­pre a abrir com a voz co­mo se ti­ves­se qua­ren­ta anos. Ve­jo pes­so­as de to­das as ge­ra­ções e is­so é o meu mai­or pré­mio.

A ce­ri­mó­nia em si em Las Ve­gas cor­res­pon­deu àqui­lo que eram as su­as ex

“É PRE­CI­SO LEM­BRAR A NOS­SA IDEN­TI­DA­DE”

pec­ta­ti­vas?

Sim, com­ple­ta­men­te. A em­pa­tia en­tre to­dos foi mui­to boa, es­pe­ci­al­men­te a mi­nha en­tre a Jo­an Ba­ez e a Oma­ra Por­tu­on­do. A Jo­an es­te­ve sem­pre mais dis­tan­te, mas a Oma­ra foi uma sim­pa­tia. É uma se­nho­ra já mui­to ve­lho­ta e que ti­nha to­do o di­rei­to de já não es­tar com pa­ci­ên­cia pa­ra aqui­lo. En­con­trei-a no hall do ho­tel e foi de uma dis­po­ni­bi­li­da­de enor­me.

E ofe­re­ceu a am­bas uns brin­cos em fi­li­gra­na!

Sim, elas fi­ca­ram en­can­ta­das. A pró­pria Jo­an Ba­ez que já ti­nha avi­sa­do que não que­ria fa­lar com nin­guém, ado­rou. En­con­trei-a na noi­te da vés­pe­ra da ce­ri­mó­nia, na ses­são fo­to­grá­fi­ca ofi­ci­al, e ofe­re­ci-lhos. Ela gos­tou tan­to que no dia se­guin­te sur­giu, na ce­ri­mó­nia, com eles pos­tos. Che­gou à me­sa de­pois de mim, olhou-me e pis­cou o olho. A par­tir daí o nos­so re­la­ci­o­na­men­to foi com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te. Eu sa­bia que ela ti­nha can­ta­do um te­ma do Ze­ca Afon­so, con­tei-lhe que o ti­nha co­nhe­ci­do pes­so­al­men­te e que eu pró­prio, ape­sar de não ser con­si­de­ra­do um can­tor de in­ter­ven­ção, te­nho 28 can­ções cen­su­ra­das pe­lo an­ti­go re­gi­me. Dis­se-lhe que tam­bém co­nhe­cia a lu­ta de­la con­tra a gu­er­ra do Vi­et­na­me e con­tra o or­gu­lho ame­ri­ca­no. Aca­bou a dar-me um bei­jo as­sim meio de fu­gi­da.

E o Zé deu uma ‘bi­ca­da’ nos bra­si­lei­ros que fal­ta­ram à ce­ri­mó­nia!

Pois, o Bra­sil es­tá nu­ma cri­se pro­fun­da. Dos seis no­me­a­dos só apa­re­ce­ram dois. Eu ti­ve pe­na por­que gos­ta­va mui­to de ter cum­pri­men­ta­do o Gil­ber­to Gil.

“ACHO QUE NÃO HÁ NIN­GUÉM DA MI­NHA IDA­DE A CAN­TAR DU­AS HO­RAS E MEIA SEM­PRE A ABRIR

CO­MO SE TI­VES­SE 40 ANOS”

1. Jo­sé Cid com Oma­ra Por­tu­on­do. A cantora cu­ba­na de 89 anos tam­bém foi dis­tin­gui­da, na ce­ri­mó­nia dos Grammy des­te ano, com um pré­mio de car­rei­ra 2. O mú­si­co por­tu­guês com a len­dá­ria cantora nor­te-ame­ri­ca­na Jo­an Ba­ez, a ter­cei­ra no­me­a­da da noi­te com um Li­fe Achi­ev­ment

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.