“Só vol­to com o

A BEL­DA­DE PO­DE JÁ NÃO BRI­LHAR NA NO­VE­LA DE MA­RIA JOÃO COS­TA. MAS HÁ OU­TRA NA FORJA

Correio da Manha - Sexta - - Guia Do Lazer -

Afi­nal, a atriz po­de não es­tar de re­gres­so já na pró­xi­ma no­ve­la da TVI, que es­tá a ser es­cri­ta por Ma­ria João Cos­ta e que te­rá co­mo prin­ci­pal vilã Fer­nan­da Ser­ra­no. “To­da a gen­te diz que es­tá qua­se, mas não há ne­nhu­ma con­fir­ma­ção”, ex­pli­ca-nos Jes­si­ca. “Mas vou ser sin­ce­ra: só vol­to quan­do ti­ver o pa­pel cer­to. Saí de um óti­mo na ‘Her­dei­ra’ e por is­so que­ro vol­tar com um de­sa­fio igual ou ain­da mai­or pa­ra cres­cer co­mo atriz”, as­se­gu­ra-nos. Até por­que, ho­je, a me­ni­na bo­ni­ta da TVI tem de pen­sar que tem um fi­lho. “Não vou dei­xar o Oli­ver por qual­quer coi­sa .... Tu­do se pon­de­ra quan­do se tem um fi­lho nos bra­ços”.

Mes­mo que atriz não en­tre na no­ve­la de Ma­ria João Cos­ta, que já co­me­çou en­sai­os, po­de­rá fa­zer par­te da no­ve­la ru­ral que es­tá a ser cri­a­da por Ar­tur Ri­bei­ro pa­ra a TVI e que co­me­ça a ser gra­va­da em fe­ve­rei­ro. Jes­si­ca Athay­de man­tém con­tra­to de ex­clu­si­vi­da­de até ao iní­cio de 2021.

Es­tá em Por­tu­gal quan­do na re­a­li­da­de gra­va atu­al­men­te a no­ve­la ‘Éra­mos Seis’ na Glo­bo...

[Ri­sos] Vim qua­tro di­as a Por­tu­gal tra­ba­lhar e re­ce­ber um pré­mio do festival de ci­ne­ma de Foz Coa. Es­ti­ve lá dois di­as, de­pois fui à fes­ta da ‘GQ’, se­gue-se al­gu­ma pu­bli­ci­da­de e na se­gun­da fei­ra (2 de de­zem­bro) já es­tou a ca­mi­nho do Rio de Ja­nei­ro.

Quan­do é que pá­ra uns me­ses?

Eu ti­ve umas be­las fé­ri­as es­te ano. Mais de três me­ses. E no fi­nal do ano pas­sa­do tam­bém. Tu­do se faz.

En­tre­tan­to já tem pla­nos pa­ra o Na­tal? Vai ser no Bra­sil. Es­tou a gra­var to­dos os di­as e, ape­sar de eles da­rem al­guns di­as en­tre o Na­tal e o Ano No­vo, não dá pa­ra vir. O ano pas­sa­do foi em Por­tu­gal, es­te ano é no Bra­sil.

A gra­var ‘Éra­mos Seis’ es­tá a tra­ba­lhar com a Jo­a­na de Ve­ro­na. Tem a es­ta­do a aju­dá-la a am­bi­en­tar-se?

Pri­mei­ro, a no­ve­la é mui­to gi­ra e es­tá a ser um tre­men­do su­ces­so. Se­gun­do, ela não pre­ci­sa. Até por­que é bra­si­lei­ra na al­ma. Mas re­ce­bi-a de bra­ços aber­tos. A ela e ao Jo­sé Con­des­sa.

É o an­fi­trião, por­tan­to, de qual­quer ator por­tu­guês que che­ga ao Bra­sil?

[ri­sos] Um bo­ca­di­nho. Te­mos lá um gru­po gi­ro. Mas es­ta­mos to­dos a tra­ba­lhar mui­to, o que nem sem­pre nos per­mi­te es­tar jun­tos com tan­ta frequên­cia co­mo qu­e­re­mos. Mas ain­da ago­ra, an­tes de vir pa­ra Por­tu­gal, a Jo­a­na li­gou-me pa­ra com­bi­nar­mos um jan­tar com a Francisca [Pinto Ri­bei­ro, mu­lher] mal eu che­gas­se ao Bra­sil. E é gi­ro, sa­be bem...

Com três fi­lhos, co­mo é que or­ga­ni­za es­ta épo­ca de fes­tas nos tró­pi­cos?

De for­ma caó­ti­ca. Mas é gi­ro por­que o Na­tal é mes­mo pa­ra as cri­an­ças. Ten­ta­mos mes­mo que eles cur­tam o Na­tal.

Mas­ca­ra-se de Pai Na­tal?

Sim... ou al­gum ami­go. Eles ain­da acre­di­tam, até o mais ve­lho, pe­lo me­nos eu acho, e ten­ta­mos man­ter es­sa ima­gem de que o Pai Na­tal exis­te. O Vi­cen­te, que tem oi­to anos, já faz per­gun­tas até por­que re­pa­ra em de­ta­lhes co­mo as bo­tas do Pai Na­tal, que eram iguais às mi­nhas. Eu pa­ra já con­ti­nuo a ten­tar dis­far­çar, mas sei que mais tar­de ou mais ce­do ele vai des­co­brir. O pi­or é que se ele sa­be vai con­ta­mi­nar os ou­tros to­dos [ri­sos]. É o pro­ble­ma de ter mui­tos fi­lhos. Mas vol­tan­do atrás, o nos­so Na­tal é sem­pre mui­to fe­liz, ale­gre, com mui­tos ami­gos que cha­ma­mos pa­ra nos­sa ca­sa. A úni­ca coi­sa que nos cus­ta é mes­mo o ca­lor...ain­da não nos ha­bi­tuá­mos por­que ain­da as­so­ci­a­mos Na­tal a frio.

Mui­tos ato­res bra­si­lei­ros têm fu­gi­do pa­ra Por­tu­gal por­que se sen­tem in­se­gu­ros no Rio. O Ri­car­do co­mo é que vê is­so?

Es­tou prin­ci­pal­men­te aten­to por cau­sa dos meus fi­lhos e te­mos pre­cau­ções, mas ten­to não pen­sar no pi­or. Mas o Rio tem vá­ri­as ques­tões que não são de ago­ra. E eu es­tou lá há 15 anos. Cla­ro que exis­tem pe­ri­gos, daí evi­ta­rem-se cer­tos lo­cais, mas tam­bém te­mos de ver que nu­ma ci­da­de de mais de se­te mi­lhões de pes­so­as é na­tu­ral que ha­ja mais cri­me. Mas que­ro acre­di­tar que se es­tá a ten­tar pôr o Bra­sil mais se­gu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.