Fer­nan­do Luís

ATOR DE `TER­RA BRA­VA' FAZ BA­LAN­ÇO FE­LIZ DE 2019

Correio da Manha - Sexta - - A Semana Começa À -

Asua per­so­na­gem em ‘Ter­ra Bra­va’, da SIC, men­te vá­ri­as ve­zes ao fi­lho. Co­mo é que is­to vai aca­bar? Não tem me­do que ele des­cu­bra o seu pas­sa­do?

Já há va­ri­as men­ti­ras pe­lo meio, é ver­da­de. Um dos ob­je­ti­vos do Car­los é pro­te­ger o fi­lho. Ele não quer que o Ro­dri­go en­tre mui­to na vin­gan­ça por­que po­de cor­rer pe­ri­go de vi­da ou po­de ma­tar al­guém e o Car­los não quer que is­so acon­te­ça de to­do. To­das as pe­que­nas men­ti­ras que in­ven­ta são pa­ra pro­te­ger o fi­lho pa­ra ele não ir as­sim tão lon­ge nes­ta vin­gan­ça. Mas há coi­sas que fi­cam fo­ra do con­tro­lo.

Co­mo tem si­do dar vi­da a es­te Car­los? Tem si­do ma­ra­vi­lho­so. Já há mui­to tem­po que eu não fa­zia uma no­ve­la e es­tou a adorar. Eu não via no­ve­las e es­ta eu te­nho mui­ta cu­ri­o­si­da­de por­que as per­so­na­gens es­tão mui­to bem es­cri­tas e mui­to bem de­se­nha­das. To­das as noi­tes es­tou a ver a no­ve­la a ten­tar sa­ber o que vai acon­te­cer àque­le nú­cleo. Tem si­do uma ex­pe­ri­ên­cia fan­tás­ti­ca.

Cu­ri­o­sa­men­te vol­ta a fa­zer de ins­pe­tor. Sim, ago­ra es­tou nes­ta fa­se dos ins­pe­to­res e há de pas­sar um dia (ri­sos). Mas des­ta vez re­for­ma­do.

Es­ta­mos a pou­cos di­as do Na­tal. Co­mo é que vi­ve es­tes di­as de fes­ta?

Fa­ço um jan­tar de Na­tal com a mi­nha fa­mí­lia que ain­da me res­ta.

Dis­se que da fa­mí­lia que lhe res­tam são pou­cos...

Já não te­nho os meus pais. Te­nho os meus pri­mos e há mui­tas cri­an­ças. É di­ver­ti­do.

Quan­do se per­de es­ses fa­mi­li­a­res mais di­re­tos, per­de-se o es­pí­ri­to de Na­tal? Sim, en­con­tra-se de ou­tra ma­nei­ra, mas já não é a mes­ma coi­sa. Não tem na­da que ver com os anos an­te­ri­o­res de quan­do eles es­ta­vam pre­sen­tes. É di­fe­ren­te, mas na­da que não se dê a vol­ta e fi­que tu­do di­ver­ti­do.

Tem al­gu­ma tra­di­ção de Na­tal?

Não, fa­ze­mos aque­la tro­ca de pren­das. Mas já não com­pra­mos pre­sen­tes co­mo fa­zía­mos an­ti­ga­men­te, em que to­dos ti­nham de com­prar vá­ri­as pren­das. Mas ago­ra ado­tá­mos fa­zer ami­go se­cre­to e é di­ver­ti­do na mes­ma.

Tem al­gum pre­sen­te de in­fân­cia que o te­nha mar­ca­do?

Re­ce­bi uma tro­ti­ne­te e foi mui­to gi­ro de re­ce­ber.

Ce­le­bra es­ta da­ta fes­ti­va em Lis­boa ou pas­sa fo­ra?

Nas­ci em Se­tú­bal, mas vi­vo em Lis­boa e es­te ano o Na­tal se­rá em mi­nha ca­sa.

E pa­ra a pas­sa­gem de ano, já tem al­gu­ma coi­sa pla­ne­a­da?

Não, mas tam­bém de­vo pas­sar em ca­sa. Eu gos­to de pas­sar es­tas da­tas em ca­sa.

Que ba­lan­ço faz de 2019?

Foi um ano mui­to bom. Fiz coi­sas que me de­ram mui­to pra­zer. Aca­bei de fa­zer um es­pe­tá­cu­lo ‘O Pur­ga­tó­rio’, que es­te­ve no Te­a­tro Na­ci­o­nal du­ran­te no­ve di­as, e foi um es­pe­tá­cu­lo que me deu mui­to tra­ba­lho mas mui­to pra­zer. E de­pois foi es­ta sur­pre­sa de es­tar nes­ta no­ve­la que es­tou a adorar.

Que de­se­jos tem pa­ra 2020?

Que con­ti­nue a ter tra­ba­lho. Eu sem tra­ba­lho não con­si­go vi­ver. Aliás, vi­vo mas com mais di­fi­cul­da­de. Pa­ra além do di­nhei­ro, mas por­que não te­nho a ca­be­ça ocu­pa­da. Mas so­bre­tu­do saú­de, paz, amor, har­mo­nia e equi­lí­brio.

“QUAN­DO SE PER­DE FA­MI­LI­A­RES PRÓ­XI­MOS, O ES­PÍ­RI­TO NA­TA­LÍ­CIO JÁ NÃO É A MES­MA COI­SA”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.