CON­CER­TOS DE MA­DON­NA EM LIS­BOA

SAI­BA O QUE ES­PE­RAR

Correio da Manha - Sexta - - Primeira Página -

Aba­gun­ça glo­ri­o­sa­men­te in­sa­na dos seus so­nhos” ou “o tes­te­mu­nho da ge­ni­a­li­da­de que exis­te na sua lou­cu­ra”. Foi as­sim que a re­vis­ta Rol­ling Sto­ne des­cre­veu a no­va digressão de Ma­don­na, ‘Madame X’ que dia 12 che­ga ao Co­li­seu dos Re­crei­os, em Lis­boa, pa­ra uma ma­ra­to­na de 8 da­tas (a can­to­ra atua ain­da di­as 14, 16, 18, 19, 21, 22 e 23 de ja­nei­ro). É ver­da­de que, nos úl­ti­mos di­as de 2019, a rai­nha da pop foi obri­ga­da a can­ce­lar o úl­ti­mo es­pe­tá­cu­lo da digressão nor­te-ame­ri­ca­na por mo­ti­vos de saú­de e de­vi­do ao que a pró­pria cha­mou de “do­res in­des­cri­tí­veis”, mas en­tre­tan­to Ma­don­na já es­te­ve em re­pou­so pe­las ilhas Mal­di­vas e de­ve­rá es­tar re­cu­pe­ra­da pa­ra Por­tu­gal.

Pen­sa­do pa­ra sa­las mais pe­que­nas, on­de se en­qua­dra pre­ci­sa­men­te o co­li­seu de Lis­boa, o es­pe­tá­cu­lo ‘Madame X’ é um pan­de­mó­nio, no bom sen­ti­do, um qua­se par­que de di­ver­sões mu­si­cal cri­a­do por

NO CONCERTO OU­VE-SE FA­DO E GUI­TAR­RA POR­TU­GUE­SA

uma men­te ar­tís­ti­ca que de re­pen­te se viu al­ta­men­te in­flu­en­ci­a­da por Por­tu­gal, pe­la mú­si­ca por­tu­gue­sa e lu­só­fo­na. Nos es­pe­tá­cu­los re­a­li­za­dos até ao mo­men­to, Ma­don­na deu es­pa­ço à gui­tar­ra por­tu­gue­sa to­ca­da pe­lo pe­que­no gé­nio de 16 anos, Gas­par Va­re­la, can­tou um fa­do pa­ra lem­brar a ami­ga Ce­les­te Ro­dri­gues, re­cor­dou Ce­sá­ria Évo­ra com ‘Sô­da­de’ e fez es­cu­tar as Ba­tu­ka­dei­ras de Ca­bo Ver­de, pe­lo que há uma enor­me ex­pe­ta­ti­va pa­ra per­ce­ber o que a rai­nha da pop irá apre­sen­tar ago­ra em Por­tu­gal, país que es­co­lheu e que a aco­lheu em 2017. Mas há ou­tras in­fluên­ci­as no es­pe­tá­cu­lo ‘Madame X’, co­mo tam­bém já exis­ti­am no dis­co, da pop à mú­si­ca la­ti­na, do rock à qua­se mú­si­ca sa­cra. ‘Madame X’ é um exer­cí­cio de es­ti­lo em tor­no da mú­si­ca que em pal­co se trans­for­ma nu­ma mon­ta­nha rus­sa, nu­ma ex­pe­ri­ên­cia úni­ca que tan­to se es­tra­nha co­mo se en­tra­nha. Não se­rá por aca­so que o es­pe­tá­cu­lo co­me­ça com uma fra­se de Ja­mes Baldwin: “A ar­te exis­te pa­ra pro­var que to­da a se­gu­ran­ça é uma ilu­são e os ar­tis­tas es­tão aqui pa­ra per­tur­bar a paz”. O es­pe­tá­cu­lo que, en­tre ban­da, co­reó­gra­fos, equi­pa téc­ni­ca, bai­la­ri­nos, de­sig­ners, con­ta di­re­ta e in­di­re­ta­men­te com a co­la­bo­ra­ção de cer­ca de 200 pes­so­as, es­tá di­vi­di­do em vá­ri­os atos e con­ta com um ali­nha­men­to com per­to de 25 te­mas, en­tre os quais ‘Ex­press Your­self’, ‘Pa­pa Don’t Pre­a­ch’, ‘Li­ke a Prayer’ ou ‘Res­cue Me’.

DIGRESSÃO EN­VOL­VE MAIS DE 200

PES­SO­AS

REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.