Vic­to­ria Guer­ra “ELO­GI­OS SÃO SEM­PRE BONS”

A ATRIZ É A PROTAGONIS­TA DE `AU­GA SE­CA', PRO­DU­ÇÃO QUE A RTP ES­TREIA ES­TA NOI­TE. SÉ­RIE PAS­SA-SE EN­TRE POR­TU­GAL E VI­GO E É RE­SUL­TA­DO DE UMA PAR­CE­RIA DA TE­LE­VI­SÃO PÚ­BLI­CA COM A TV GALICIA

Correio da Manha - Sexta - - Entrevista -

Co­mo sur­giu o con­vi­te pa­ra a sé­rie?

O con­vi­te sur­giu por par­te da pro­du­to­ra SP Por­tu­gal. Eu tra­ba­lho com a SP há mui­tos anos no la­do das novelas – sen­do que acho que es­ta é a pri­mei­ra sé­rie de­les. A ‘Au­ga Se­ca’ é uma co­pro­du­ção com a Ga­li­za e o con­vi­te par­tiu de­les.

Até en­tão a Vic­to­ria nun­ca ti­nha fei­to um po­li­ci­al. Co­mo é que foi a pre­pa­ra­ção pa­ra es­te tra­ba­lho?

A ques­tão do th­ril­ler po­li­ci­al cheio de mis­té­rio foi uma coi­sa que me in­te­res­sou mui­to. No ca­so da mi­nha per­so­na­gem, de­pois da morte do ir­mão (Paulo, in­ter­pre­ta­do por João Ar­rais) ela não quer acre­di­tar que o ir­mão se te­nha sui­ci­da­do e aca­ba por se mu­dar pa­ra Vi­go e ten­tar per­ce­ber o que acon­te­ceu. E aca­ba por ser um bo­ca­do de­te­ti­ve. Ela é uma mu­lher li­vre e mui­to so­zi­nha. En­tão há um la­do mis­te­ri­o­so e in­gé­nuo nas ten­ta­ti­vas que ela faz de ten­tar per­ce­ber o que acon­te­ceu. Eu acho que foi is­so que me in­te­res­sou. E ti­ve de apren­der ga­le­go pa­ra es­ta per­so­na­gem.

Co­mo foi es­se pro­ces­so?

Foi di­fí­cil, por­que é sem­pre uma coi­sa mais téc­ni­ca, mas ti­ve um pro­fes­sor fan­tás­ti­co. Fui mui­to bem re­ce­bi­da por to­das as pes­so­as.

Co­mo foi a ex­pe­ri­ên­cia de es­tar a gra­var em Vi­go?

Foi es­pe­ta­cu­lar. É sem­pre bom quan­do saí­mos da nos­sa zo­na de con­for­to. A pai­sa­gem, sen­do di­fe­ren­te, aju­da-nos lo­go por­que o nos­so ima­gi­ná­rio vai a ou­tro sí­tio e é óti­mo. Foi mui­to bom tra­ba­lhar com a equi­pa lá, que faz sé­ri­es há mui­tos anos, e foi mui­to bom apren­der com eles. Foi mes­mo uma ex­pe­ri­ên­cia en­ri­que­ce­do­ra.

A si­nop­se é mui­to va­ga mas tu­do co­me­ça por um cri­me re­la­ci­o­na­do com o trá­fi­co de ar­mas. De que for­ma é que Lisboa e Vi­go se re­la­ci­o­nam?

De­vi­do à Guer­ra Co­lo­ni­al de Angola. Is­so é um pon­to mui­to gi­ro e mui­to por­tu­guês e de que gos­tei mui­to quan­do li, por­que dá uma con­sis­tên­cia e uma ve­ra­ci­da­de a es­ta his­tó­ria. Vi­go é uma ci­da­de por­tuá­ria e a em­pre­sa des­ta fa­mí­lia tem que ver com o trans­por­te de bar­cos. O trá­fi­co de ar­mas faz to­do o sen­ti­do por­que é com um ex-mi­li­tar.

O fac­to de es­tar a fa­zer um po­li­ci­al, al­go que nun­ca ti­nha fei­to, traz ou­tro en­tu­si­as­mo?

Fi­co sem­pre en­tu­si­as­ma­da com os pro­je­tos. Mas pa­ra mim en­quan­to atriz é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te por­que há es­te la­do po­li­ci­al que é fei­to em to­dos os paí­ses há anos e que nós, em Por­tu­gal, fa­ze­mos mui­to pou­co. Es­ta sé­rie tem um la­do meio th­ril­ler po­li­ci­al nór­di­co que me fas­ci­nou mui­to. É tu­do mui­to mis­te­ri­o­so e es­tá tu­do nos acontecime­ntos.

Du­ran­te a apre­sen­ta­ção da sé­rie re­ce­beu vá­ri­os elo­gi­os so­bre o seu tra­ba­lho. Co­mo re­a­ge a es­tes elo­gi­os?

Um elo­gio é sem­pre bom. No ca­so des­te pro­je­to fi­co con­ten­te por­que a mi­nha per­so­na­gem é protagonis­ta e ter de fa­lar uma lín­gua di­fe­ren­te, o tra­ba­lho e o es­for­ço co­lo­ca­do ti­ve­ram de ser mai­o­res. E ou­vir por par­te dos ga­le­gos que o meu ga­le­go é per­fei­to é dos me­lho­res elo­gi­os. Ape­sar de fi­car con­ten­te fi­co sem jei­to, mas de­ve-se a eles na ver­da­de.

“É UMA MU­LHER LI­VRE E MUI­TO SO­ZI­NHA, HÁ UM LA­DO MIS­TE­RI­O­SO MUI­TO GRAN­DE NES­TA PER­SO­NA­GEM”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.