De Sin­tra ao ca­bo da Ro­ca

COR­RI­DA FIM DA EU­RO­PA TEM 17 KM COM UM ELE­VA­DO GRAU DE DI­FI­CUL­DA­DE, DIS­PU­TA­DO NUM DOS PER­CUR­SOS MAIS BONITOS DO MUN­DO

Correio da Manha - Sexta - - Corpo E Mente -

ACor­ri­da Fim da Eu­ro­pa, que se dis­pu­ta no do­min­go, é uma das mais bo­ni­tas do pa­no­ra­ma na­ci­o­nal. Mas tem tan­to de bo­ni­ta co­mo de di­fí­cil. A co­me­çar pe­la dis­tân­cia de 17 km, que é bas­tan­te in­vul­gar. Fi­ca lon­ge do stan­dard de 10 km das pro­vas de es­tra­da e ain­da lon­ge dos 21,095 da meia-ma­ra­to­na. Além dis­so, bas­ta pas­sar pe­la ser­ra de Sin­tra pa­ra se per­ce­ber que se­rá ne­ces­sá­rio su­bir... su­bir mui­to.

A cum­prir a 30.ª edi­ção, a Cor­ri­da do Fim do Eu­ro­pa tem vin­do a ga­nhar pro­ta­go­nis­mo e, aci­ma de tu­do, atle­tas fiéis. É uma pro­va li­mi­ta­da a três mil par­ti­ci­pan­tes. A par­ti­da é da­da às 10h00 em Sin­tra - Vol­ta do Du­che jun­to à Fon­te Mou­ris­ca e a me­ta é ins­ta­la­da 17 km de­pois, no ca­bo da Ro­ca.

Pa­ra fa­zer fa­ce à von­ta­de dos par­ti­ci­pan­tes, uns com ob­je­ti­vos com­pe­ti­ti­vos e ou­tros mais vo­ca­ci­o­na­dos pa­ra a par­ti­ci­pa­ção, a or­ga­ni­za­ção pro­põe du­as par­ti­das. A prin­ci­pal às 10h00 e a ou­tra 15 mi­nu­tos de­pois. Ha­ve­rá, no en­tan­to, uma clas­si­fi­ca­ção que en­glo­ba to­dos os par­ti­ci­pan­tes, re­ti­ran­do a di­fe­ren­ça en­tre as par­ti­das. O per­cur­so é mes­mo o prin­ci­pal atra­ti­vo. A ser­ra de Sin­tra ofe­re­ce uma be­le­za na­tu­ral ao even­to, que tem no ca­bo da Ro­ca a ce­re­ja em ci­ma do bo­lo. Mas es­ta pro­va é mais do que um even­to des­por­ti­vo, é tam­bém um acon­te­ci­men­to que vi­sa a cons­ci­en­ci­a­li­za­ção pa­ra a de­fe­sa do am­bi­en­te.

RES­PON­SA­BI­LI­DA­DE ECO­LÓ­GI­CA

O re­gu­la­men­to da pro­va obri­ga os par­ti­ci­pan­tes a res­pei­ta­rem os lo­cais por on­de pas­sa a pro­va, res­pon­sa­bi­li­zan­do-os pe­lo lixo que po­dem dei­xar no lo­cal. As­sim, a or­ga­ni­za­ção pre­vê a des­clas­si­fi­ca­ção ime­di­a­ta de quem ati­rar gar­ra­fas ou em­ba­la­gens dos ali­men­tos ener­gé­ti­cos uti­li­za­dos pe­los atle­tas pa­ra o chão. Os par­ti­ci­pan­tes de­vem le­var con­si­go es­sas em­ba­la­gens, que po­dem de­po­si­tar nos re­ci­pi­en­tes pa­ra is­so re­ser­va­dos jun­to à par­ti­da e à me­ta. Afi­nal, co­mo a or­ga­ni­za­ção afir­ma, tra­ta-se da “cor­ri­da mais bo­ni­ta do Mun­do”.

PER­CUR­SO É MUI­TO BO­NI­TO MAS TAM­BÉM MUI­TO DI­FÍ­CIL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.