O jar­ri­nho de tin­to

Correio da Manha - Sexta - - Lazer A Ordem Das Coisas -

Pe­ri­o­di­ca­men­te, di­ga­mos que du­as ou três ve­zes por se­ma­na, al­mo­ço em cer­to res­tau­ran­te de bair­ro per­to do es­cri­tó­rio. Sim­ples, mo­des­to e, na mai­or par­te dos di­as, ou ho­nes­to (pei­xe gre­lha­do) ou sa­bo­ro­so (fran­go no for­no ou à pas­sa­ri­nho, es­tu­fa­dos à an­ti­ga ou ba­ca­lhau com grão). Em dois can­tos opos­tos da sa­la sen­tam-se dois ci­da­dãos de cer­ta ida­de: um com­ple­tou 100 anos de ida­de; o ou­tro es­tá pe­los 98. Vi­gi­am-se com ca­va­lhei­ris­mo e fran­que­za: quan­do um de­les en­tra no res­tau­ran­te, ve­ri­fi­ca se o ou­tro es­tá lá a fim de se cum­pri­men­ta­rem e con­fe­ri­rem que a eter­ni­da­de, afi­nal, é bem ca­paz de exis­tir.

De en­tre as vá­ri­as ex­pli­ca­ções pa­ra es­ta ma­ra­vi­lho­sa lon­ge­vi­da­de há du­as que co­lo­co no to­po da lis­ta: o pra­to do dia e o jar­ri­nho de tin­to, du­as no­tá­veis cri­a­ções do gé­nio hu­ma­no e, em es­pe­ci­al, da sua va­ri­an­te lu­si­ta­na. Em cer­tos di­as, es­co­lher um pra­to do me­nu não é fá­cil – por is­so, o “pra­to do dia” fa­ci­li­ta e resolve os di­le­mas: há dois de pei­xe e dois de car­ne, e o cli­en­te ha­bi­tu­al va­ria qb de ali­men­ta­ção. Quan­to ao “jar­ri­nho de tin­to”, é um mo­de­lo de mo­de­ra­ção, par­ci­mó­nia e be­ne­fí­ci­os pa­ra o com­por­ta­men­to do âni­mo car­día­co: uma pe­que­na quan­ti­da­de de vi­nho que sa­tis­faz o gos­to (são 30 cl), mas que se li­mi­ta a es­sa pe­que­na ex­cen­tri­ci­da­de vi­ní­co­la. Nem mais uma go­ta. Ou se­ja, tra­ta-se do se­gre­do de um bom epi­cu­ris­ta: não ab­di­car de um pra­zer e, si­mul­ta­ne­a­men­te, não ul­tra­pas­sar a me­di­da de uma cer­ta or­dem das coi­sas. Con­se­guir es­se equi­lí­brio é uma gran­de van­ta­gem.

O “jar­ri­nho de vi­nho” não faz de nós al­coó­la­tras nem nos lan­ça nos bra­ços da so­ber­ba ‘gour­met’ – ge­ral­men­te, tra­ta-se de um “vi­nho mé­dio” (é pre­ci­so ne­go­ci­ar es­sa ta­be­la), sem mui­to pe­so na con­ta da refeição, mas re­co­nhe­ci­da­men­te ca­paz de nos trans­por­tar pa­ra uma cer­ta las­si­dão e se­re­ni­da­de pós-pran­di­al. Os meus dois cen­te­ná­ri­os com­pa­nhei­ros de res­tau­ran­te – que eu tam­bém vi­gio, par­ti­ci­pan­do no jo­go – to­mam es­tes 30cl de vi­nho com in­fa­li­bi­li­da­de diá­ria, co­mo se se tra­tas­se de um tó­ni­co car­di­o­vas­cu­lar com re­cei­ta mé­di­ca. Um de­les, o mais ve­lho, que já ul­tra­pas­sou os cem anos de ida­de, tem mes­mo uma gar­ra­fa re­ser­va­da – dá pa­ra três re­fei­ções sem pe­nú­ria, a 25cl por do­se. Ob­ser­vo-os to­man­do os com­pri­mi­dos e co­men­do com ter­nu­ra a cal­dei­ra­da de pei­xe, o im­pe­ra­dor no for­no, as fa­ne­qui­nhas com ar­roz de to­ma­te, a vi­te­li­nha es­tu­fa­da, o ar­roz de pa­to ou os ca­ra­paus gre­lha­dos – e não pos­so dei­xar de elo­gi­ar es­ta prá­ti­ca (a do “jar­ri­nho de tin­to”) que lhes pro­lon­ga a exis­tên­cia e con­fe­re um to­que de pro­fun­da hu­ma­ni­da­de.

PRÁ­TI­CA CON­FE­RE UM TO­QUE DE HU­MA­NI­DA­DE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.