Sem me­do das pa­la­vras

MAR­GA­RI­DA EMO­CI­O­NA­DA COM NO­VO RO­MAN­CE

Correio da Manha - Sexta - - Contents -

Éum re­gres­so aos gran­des ro­man­ces. Mar­ga­ri­da Re­be­lo Pin­to, de 54 anos, con­ti­nua a pro­mo­ver o seu mais re­cen­te tra­ba­lho, ‘A De­sor­dem Na­tu­ral das Coi­sas’. Ao lon­go de 240 pá­gi­nas, a es­cri­to­ra re­a­cen­de o co­ra­ção de Ma­fal­da, a pro­ta­go­nis­ta des­ta his­tó­ria, que se vê en­vol­vi­da num tri­ân­gu­lo amo­ro­so com o atu­al com­pa­nhei­ro, Ro­dri­go, e uma pai­xão avas­sa­la­do­ra do pas­sa­do, An­tó­nio. “Es­ta mu­lher vê-se nu­ma en­cru­zi­lha­da. Che­ga a um mo­men­to em que tem de acer­tar con­tas com o pas­sa­do. O Ro­dri­go não dá o sal­to. O An­tó­nio, por sua vez, fá-lo mui­to as­ser­ti­va­men­te. Es­te li­vro re­por­ta-nos ao pas­sa­do, ao pre­sen­te e ain­da a um es­pa­ço tem­po­ral pa­ra­le­lo”, re­fe­re a au­to­ra à ‘Sex­ta’.

As reações à obra têm si­do mui­to po­si­ti­vas, des­ta­ca Re­be­lo Pin­to: “É um li­vro que to­ca mui­to as pes­so­as. So­mos um País mui­to sau­do­sis­ta. Fa­lo de Por­tu­gal por­que é o que co­nhe­ço me­lhor. Es­ta his­tó­ria é uma vi­a­gem ao fun­do dos nos­sos sen­ti­men­tos e emo­ções. É um tex­to de amo­res pos­sí­veis e im­pos­sí­veis.”

“HÁ CA­PÍ­TU­LOS ERÓ­TI­COS”

O de­se­jo e a pai­xão são dois dos in­gre­di­en­tes nes­ta his­tó­ria de amor e de­sa­mor. Há dois ca­pí­tu­los que des­cre­vem de for­ma in­ten­sa e por­me­no­ri­za­da o en­vol­vi­men­to car­nal en­tre os pro­ta­go­nis­tas. Quem ler não se sen­ti­rá desrespeit­ado.“Ao fim de 17 anos co­mo es­cri­to­ra ga­nhei à-von­ta­de pa­ra fa­lar de se­xo de um for­ma ele­gan­te. Há ca­pí­tu­los eró­ti­cos es­cri­tos de ma­nei­ra crua. É um gran­de de­sa­fio ex­plo­rar es­te te­ma, mas nun­ca ti­ve me­do das pa­la­vras pa­ra des­cre­ver si­tu­a­ções, mo­men­tos... Já te­nho mui­to trei­no”, afir­ma Re­be­lo Pin­to.

DETOX DE­MO­RA­DO

Sair da pe­le de per­so­na­gens in­ten­sas é uma dor de ca­be­ça pa­ra mui­tos ato­res e atri­zes. O mes­mo acon­te­ce com Mar­ga­ri­da Re­be­lo Pin­to que, de­pois de se en­tre­gar de cor­po e al­ma aos ro­man­ces que es­cre­ve, so­fre ao de­sa­pe­gar-se. “De­mo­ro bas­tan­te tem­po a des­li­gar-me dos meus li­vros. Acho que es­te é um dos meus ro­man­ces mais for­tes, tal­vez por ir mui­to ao fun­do da pai­xão, dos sen­ti­men­tos. Sin­to que fi­co de­bai­xo da pe­le das per­so­na­gens”, ex­pli­ca. A au­to­ra de ‘Sei Lá’ re­ve­la que fa­lar de pai­xões é um dos seus pon­tos for­tes: “Um es­cri­tor re­fle­te o seu tem­po, é is­so que fa­ço nos meus li­vros ao ex­plo­rar o te­ma do amor. To­dos pre­ci­sa­mos da va­li­da­ção e do amor de al­guém.”

“AO FIM DE 17 ANOS CO­MO ES­CRI­TO­RA GA­NHEI À-VON­TA­DE PA­RA FA­LAR DE SE­XO DE FOR­MA ELE­GAN­TE”, DIZ RE­BE­LO PIN­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.