A no­va `mi­li­o­ná­ria' da te­le­vi­são por­tu­gue­sa

AOS 35 ANOS, A APRE­SEN­TA­DO­RA SO­MA MAIS UM PRO­JE­TO AO SEU PERCURSO DE SU­CES­SO NO PE­QUE­NO ECRÃ: O `QU­EM QUER SER MILIONÁRIO ?', QUE RE­GRES­SA MUI­TO EM BRE­VE. MAN­TÉM-SE AIN­DA NO `5 PA­RA A MEIA NOI­TE'. ES­TRE­LA DA RTP GA­NHA 7 MIL EUROS POR MÊS

Correio da Manha - Sexta - - Tv Só Se Fala De... -

Oper­cur­so te­le­vi­si­vo de Fi­lo­me­na Cau­te­la, de 35 anos, es­tá ca­da vez mais re­che­a­do de pro­je­tos. A apre­sen­ta­do­ra tem si­do uma das gran­des apos­tas da RTP nos úl­ti­mos anos e ga­nha ago­ra um no­vo de­sa­fio: ‘Qu­em Quer Ser Milionário? - Al­ta Pres­são’. O pro­gra­ma de enor­me êxi­to do pri­mei­ro ca­nal, que já foi apre­sen­ta­do por Car­los Cruz, Ma­ria Eli­sa, Di­o­go In­fan­te, Jor­ge Ga­bri­el, Jo­sé Car­los Ma­la­to e Ma­nu­e­la Mou­ra Gu­e­des re­gres­sa à TV com mui­tas no­vi­da­des.

Pa­ra a no­va an­fi­triã, es­te é um mo­men­to de gran­de fe­li­ci­da­de.“Não é só a res­pon­sa­bi­li­da­de de con­du­zir um dos mai­o­res pro­gra­mas de en­tre­te­ni­men­to do Mun­do, é prin­ci­pal­men­te a hon­ra de me sen­tar na mes­ma ca­dei­ra on­de já es­ti­ve­ram al­guns dos mai­o­res no­mes da co­mu­ni­ca­ção e da apre­sen­ta­ção em Por­tu­gal que tan­to si­go e ad­mi­ro”, des­ta­cou Fi­lo­me­na Cau­te­la que, por en­quan­to, só tem um de­se­jo em men­te: “Pre­ten­do hon­rar o tra­ba­lho que foi fei­to e che­gar-lhes aos cal­ca­nha­res.”

A par des­te no­vo de­sa­fio, a es­tre­la da TV pú­bli­ca man­tém-se na con­du­ção do ‘5 Pa­ra a Meia Noi­te’, ao la­do de Inês Lo­pes Gon­çal­ves. Com a so­ma de mais um pro­je­to ao seu le­que de de­sa­fi­os, Cau­te­la vê tam­bém a con­ta ban­cá­ria a au­men­tar: ga­nha um or­de­na­do men­sal de 7 mil euros.

CON­FI­AN­TE... MAS POU­CO

Em­bo­ra so­me de­sa­fi­os na cai­xi­nha má­gi­ca, e até se­ja co­bi­ça­da pe­la con­cor­rên­cia, Fi­lo­me­na Cau­te­la não vi­ve a con­fi­an­ça e gar­ra que trans­mi­te. “Não dou es­se va­lor aqui­lo que fa­ço, vou vi­ven­do um dia de ca­da vez e es­pe­rar que so­bre­vi­va até ao fi­nal do dia. O que im­por­ta é ten­tar, den­tro do for­ma­to e con­di­ções que nos dão e às nor­mas a que me im­po­nho, im­pri­mir al­go que mu­da as pes­so­as que es­tão do ou­tro la­do”, dis­se em con­ver­sa com Da­ni­el Oli­vei­ra. A apre­sen­ta­do­ra as­su­me mes­mo que não con­se­gue mos­trar-se tal co­mo é.

“Em te­le­vi­são nun­ca sou aqui­lo que qu­e­ro ser. O que es­tá lá de mim é a aná­li­se que eu fa­ço do mun­do e a aná­li­se da­qui­lo que eu acho que a te­le­vi­são e o mun­do pre­ci­sam. De mim co­mo ci­da­dã vai es­tan­do. Já ti­ve mais aqui­lo de ser ex­pres­sa, te­nho mais cui­da­do e es­co­lho me­lhor os meus fó­runs. Sou mais in­te­li­gen­te do que era, con­si­go pas­sar a men­sa­gem de for­ma mais es­tra­té­gi­ca”, acres­cen­tou. Uma fi­gu­ra con­tro­ver­sa da TV, tam­bém de­vi­do ao es­ti­lo me­nos con­ven­ci­o­nal, ‘Me­na’ tem uma cer­te­za: “Não me acho ir­re­ve­ren­te, acho que exer­ço a mi­nha li­ber­da­de”.

Mas, an­tes de ser apre­sen­ta­do­ra, Fi­lo­me­na Cau­te­la era atriz. O úl­ti­mo pro­je­to de fic­ção em que par­ti­ci­pou foi a sé­rie ‘Mi­nis­té­rio do Tem­po’, da RTP, em 2017. Pa­ra trás fi­ca um ca­mi­nho de su­ces­so, so­bre­tu­do na pe­le de vi­lãs em ‘Mo­ran­gos com Açú­car’,‘Vin­gan­ça’ ou, mais re­cen­te­men­te, ‘San­ta Bár­ba­ra’ e ain­da um des­gos­to em re­la­ção às no­ve­las. “Nun­ca achei que fos­se ser apre­sen­ta­do­ra. Sem­pre pen­sei que fos­se ser atriz. Hou­ve uma al­tu­ra que me de­si­lu­di com o tra­ba­lho. Apa­re­ceu a apre­sen­ta­ção e foi trans­for­ma­dor”, re­ve­lou. Ape­sar de ter so­fri­do, não tem dú­vi­das que cres­ceu. “Ti­ve um pe­río­do de fal­ta de tra­ba­lho. Ti­ve uns pais que me re­ce­be­ram de bra­ços aber­tos. Fez-me mui­to bem, deu-me uma ‘cha­pa­do­na’ de hu­mil­da­de que faz fal­ta a mui­ta gen­te. Só saí da la­ma quan­do fi­quei far­ta de lá es­tar. Le­van­tei-me e fui vi­ven­do”.

FU­TU­RO SEM ME­DOS

Cons­ci­en­te da efe­me­ri­da­de do su­ces­so, Fi­lo­me­na Cau­te­la mos­tra-se dis­po­ní­vel pa­ra con­cre­ti­zar qual­quer de­sa­fio que lhe fa­ça sen­ti­do. “Em te­le­vi­são, ama­nhã não so­mos mes­mo nin­guém. Sei que ama­nhã is­to po­de de­sa­pa­re­cer e não me in­co­mo­da na­da”, com­ple­tou a no­va es­tre­la da RTP.

“NÃO TER TRA­BA­LHO DEU-ME UMA CHAPADA DE HU­MIL­DA­DE QUE FAZ FAL­TA A MUI­TA GEN­TE QUE TEM SU­CES­SO HO­JE EM DIA”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.