O que res­ta de uma re­fei­ção?

Correio da Manha - Sexta - - Lazer A Ordem Das Coisas -

Es­tar em ca­sa obri­ga-nos – por obri­ga­ção, de­vo­ção ou pu­ro pra­zer – a co­or­de­nar as re­fei­ções com mais cui­da­do. Há qu­em ain­da não ti­ves­se che­ga­do a es­se es­ta­do em que dá mais go­zo pre­pa­rar o jan­tar do que “jan­tar fo­ra”, mas o atu­al es­ta­do das coi­sas re­me­te-nos pa­ra o re­du­to do­més­ti­co du­ran­te uma boa tem­po­ra­da, o que for­ne­ce a opor­tu­ni­da­de ide­al de co­zi­nhar e de es­va­zi­ar a des­pen­sa ou o con­ge­la­dor.

Po­rém, há ou­tro pra­zer a re­ti­rar da pos­si­bi­li­da­de de ir co­zi­nhan­do em ca­sa, que é o de fa­zer aqui­lo que, na lin­gua­gem da eco­no­mia do­més­ti­ca do pas­sa­do sé­cu­lo, se cha­ma­va “a ar­te dos apro­vei­ta­men­tos”. As no­vas ge­ra­ções, ha­bi­tu­a­das a um re­gi­me de abun­dân­cia, ou de me­nos par­ci­mó­nia, em ge­ral co­nhe­cem pou­co des­sa ar­te – e da sa­be­do­ria que lhe es­tá na ba­se. Sa­be-se que cer­ta co­mi­da até é me­lhor “no dia se­guin­te” ou “na re­fei­ção se­guin­te”, mas eu fa­lo de ou­tra ma­té­ria: dos res­tos e de co­mo me es­can­da­li­za li­vrar-me de co­mi­da não con­su­mi­da. A mi­nha tia Ma­ria de São Jo­sé po­de­ria mi­nis­trar um cur­so de dou­to­ra­men­to nes­ta área dis­ci­pli­nar; mas aqui não tra­to de eco­no­mia do­més­ti­ca, e sim do pra­zer ver­da­dei­ro em re­a­pro­vei­tar a co­mi­da que so­bra do al­mo­ço de do­min­go ou do jan­tar de sá­ba­do. Tu­do ser­ve: co­zi­dos, as­sa­dos, es­tu­fa­dos, gre­lha­dos. E crus, na­tu­ral­men­te.

A gran­de van­ta­gem de co­zi­nhar es­tes ele­men­tos (ou se­ja, nes­te ca­so, “apro­vei­tar res­tos”) é que não te­re­mos tan­ta pi­e­da­de de­les no mo­men­to de os pi­car, tri­tu­rar, es­fa­ce­lar, fa­zer em ti­ras ou cor­tar em cu­bos; e es­ta­mos li­vres pa­ra in­ven­tar co­mi­da pro­cu­ran­do ape­nas sa­tis­fa­zer os três prin­cí­pi­os que de­vem nor­te­ar a ati­vi­da­de de uma co­zi­nha do­més­ti­ca: 1) con­ten­tar os que es­tão à me­sa; 2) ob­ter van­ta­gem do que se co­zi­nha; 3) man­ter um sen­ti­do ge­ral de eco­no­mia no lar. Há um se­cre­to pra­zer em reu­nir es­ses três pon­tos nu­ma só re­fei­ção: uma tar­te, uma em­pa­da, um ar­roz sal­te­a­do, uma ome­le­ta es­ta­pa­fúr­dia, uma san­duí­che bar­ro­ca, uma co­ber­tu­ra de ovo es­cal­fa­do ou es­tre­la­do, um pi­ca­di­nho, um des­fi­a­do, tu­do o que qui­ser­mos in­ven­tar até co­me­çar­mos a cons­truir a nos­sa pró­pria gra­má­ti­ca, ou se­ja, as nos­sas “re­gras de as­so­ci­a­ção” en­tre coi­sas que eram res­tos e que, de­pois, se trans­for­mam em in­gre­di­en­tes que trans­por­tam um sa­bor, uma me­mó­ria, um gos­to tur­vo e até ami­gá­vel.

Há, na­tu­ral­men­te, pes­so­as pou­co sen­sí­veis a es­te con­vi­te. Te­nho uma ra­zoá­vel pe­na de­las, por­que per­dem al­gu­mas ex­pe­ri­ên­ci­as in­te­res­san­tes. Co­zi­nho res­tos mui­tas ve­zes, até por­que gos­tei da­que­la re­fei­ção (de on­de eles vi­e­ram) da pri­mei­ra vez. E, co­zi­nhá-los, é pres­tar uma ho­me­na­gem à pró­pria co­mi­da que pre­pa­rá­mos.

CER­TA CO­MI­DA ATÉ É ME­LHOR

“NO DIA SE­GUIN­TE”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.