De­vo dei­xar a co­mi­da do meu cão dis­po­ní­vel?

Correio da Manha - Sexta - - Lazer Animais - EN­VIE AS SU­AS DÚ­VI­DAS PA­RA: CONSULTORI­ODOSANIMAI­[email protected] POR PE­DRO PAI­VA ES­PE­CI­A­LIS­TA EM COM­POR­TA­MEN­TO ANI­MAL

Na ali­men­ta­ção do seu cão há vá­ri­os fa­to­res que de­ve ter em con­ta, uma vez que es­ta afe­ta a energia do ani­mal, as­sim co­mo a sua ca­pa­ci­da­de de mo­ti­va­ção e ex­plo­ra­ção. Se a co­mi­da lhe for ofe­re­ci­da de for­ma fá­cil e sem qual­quer fun­ci­o­na­li­da­de, sem pe­dir na­da em tro­ca, po­de­rá acar­re­tar al­guns pon­tos des­fa­vo­rá­veis.

Re­ti­ra va­lor ao seu prin­ci­pal re­cur­so quan­do lhe for­ne­ce ali­men­ta­ção sem lhe so­li­ci­tar ne­nhu­ma con­tra­par­ti­da;

Per­de qua­li­da­de nu­tri­ti­va sem­pre que a dei­xa ho­ras se­gui­das no pra­to;

Atrai bac­té­ri­as e in­se­tos se a dei­xar ao ar li­vre; ge­re de for­ma in­cons­ci­en­te as quan­ti­da­des de co­mi­da, po­den­do fa­cil­men­te al­te­rar a dose diá­ria re­co­men­da­da;

De­sen­vol­ve no cão, com al­gu­ma fa­ci­li­da­de, com­por­ta­men­tos de pro­te­ção de re­cur­sos. Em su­ma, ten­te es­ti­mu­lar di­a­ri­a­men­te o seu cão atra­vés de pe­que­nos exer­cí­ci­os pa­ra que ele con­si­ga o seu ali­men­to. Des­te mo­do, não só ele­va­rá os ní­veis de mo­ti­va­ção, co­mo es­ta­rá a edu­cá-lo e a trei­ná-lo, dan­do-lhe a opor­tu­ni­da­de de sa­tis­fa­zer uma das su­as mai­o­res ne­ces­si­da­des. Uma di­ca: evi­tar o ‘pra­to cheio’ é um dos tru­ques usa­dos pa­ra im­pe­dir o apa­re­ci­men­to de des­vi­os com­por­ta­men­tais. Nun­ca se es­que­ça que com es­ta al­te­ra­ção de há­bi­to, ao re­ti­rar a co­mi­da sem­pre à des­cri­ção do seu cão de­ve ter al­guns cui­da­dos re­do­bra­dos:

Ga­ran­ta sem­pre que o cão co­me a DDR (Dose Diá­ria Re­co­men­da­da);

Te­nha em con­ta a ida­de do cão, pois as ne­ces­si­da­des nu­tri­ci­o­nais de um ca­chor­ro são dis­tin­tas das de um cão adulto ou sé­ni­or;

Lem­bre que um ani­mal com mais ati­vi­da­de fí­si­ca po­de ne­ces­si­tar de uma ‘por­ção’ ex­tra de co­mi­da ou de uma ali­men­ta­ção que su­ple­men­te con­ve­ni­en­te­men­te o des­gas­te do seu cão;

As­se­gu­re que em ca­so de do­en­ça, a ali­men­ta­ção é ga­ran­ti­da de for­ma a pre­en­cher as ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas. O acon­se­lha­men­to com o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio vai aju­dá-lo a per­ce­ber não só qual a ali­men­ta­ção ade­qua­da, mas tam­bém de que for­ma po­de e de­ve ofe­re­cer a co­mi­da ao seu com­pa­nhei­ro de qua­tro pa­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.