O en­con­tro de Ana Ba­ca­lhau

AR­TIS­TA EN­TRA EM NO­VA FA­SE COM `ME­MÓ­RIA'

Correio da Manha - Sexta - - A Semana Começa À Sexta -

Foi nu­ma ca­sa de­sa­bi­ta­da, na zo­na do Estoril, que Ana Ba­ca­lhau ves­tiu a pe­le de qua­tro per­so­na­gens di­fe­ren­tes pa­ra gra­var um no­vo videoclipe. O fil­me ilus­tra a can­ção ‘Me­mó­ria’, o pri­mei­ro sin­gle do pró­xi­mo dis­co da can­to­ra a edi­tar no fi­nal des­te ano. “Es­cri­ta pe­los Átoa, é uma can­ção vis­ce­ral que eu es­ta­va a pre­ci­sar, que fa­la so­bre as me­mó­ri­as de al­guém que es­tá des­truí­do, num mo­men­to di­fí­cil da vi­da mas que sa­be que tem de avan­çar e de se re­cons­truir”, ex­pli­ca a can­to­ra, que não dis­so­cia es­ta te­má­ti­ca dos tem­pos di­fí­ceis em que vi­ve­mos. O pe­que­no fil­me re­tra­ta qua­tro per­so­na­gens que po­dem mui­to bem re­pre­sen­tar, nes­te mo­men­to, ca­da um de nós. “Ca­da di­vi­são da ca­sa cor­res­pon­de a qua­tro per­so­na­gens: a Jú­lia, uma pes­soa de ida­de que re­pre­sen­ta a so­li­dão; a Lau­ra, uma ra­pa­ri­ga que es­tá per­di­da por­que não en­con­tra o seu ca­mi­nho; o Abel, que é um ho­mem que es­go­tou os seus triun­fos pro­fis­si­o­nais e, de­pois, eu pró­pria a lem­brar-me das ve­zes que so­fri e em que pus is­so cá pa­ra fo­ra em fren­te a to­dos”, re­ve­la.

A no­va can­ção que “ser­viu de ti­mo­nei­ra pa­ra o que aí vem” é a pri­mei­ra mú­si­ca de Ana Ba­ca­lhau no es­pa­ço de um ano, mas so­bre o no­vo dis­co a so­lo que es­tá a ser pre­pa­ra­do, pou­co se po­de avan­çar. “Ain­da es­tá nu­ma fa­se mui­to ini­ci­al ape­nas co­mi­go e com o pro­du­tor Twins em es­tú­dio. Es­tá tu­do a nas­cer ali mui­to à flor da pe­le”, avan­ça a can­to­ra. Cer­to é que o dis­co con­ta­rá com vá­ri­os no­mes da no­va ge­ra­ção da mú­si­ca por­tu­gue­sa e com es­se me­ga su­ces­so, ‘O Er­ro Mais Bonito’, te­ma lan­ça­do em 2019 com le­tra da pró­pria e mú­si­ca de Di­o­go Pi­çar­ra.

“Es­se dueto aju­dou-me a re­sol­ver coi­sas na mi­nha ca­be­ça. É uma can­ção com um re­gis­to tão di­fe­ren­te, mas foi tão bem re­ce­bi­da que de­pres­sa per­ce­bi que era por ali que que­ria ir. Por is­so, de­ci­di fa­lar com a no­va ge­ra­ção de mú­si­cos que tra­ba­lha a pop tão bem”.

SEM ME­DO DE MU­DAN­ÇAS

Cer­to tam­bém é que o dis­co te­rá uma so­no­ri­da­de mais pop do que aque­la a que a can­to­ra nos ha­bi­tu­ou. “An­tes eu ti­nha me­do de aban­do­nar aque­la so­no­ri­da­de mais tra­di­ci­o­nal que as pes­so­as co­nhe­ci­am, mas acho que me co­me­ço a des­li­gar das ex­pec­ta­ti­vas das pes­so­as em re­la­ção a mim. Is­so não po­dia ser um pe­so. Não pos­so es­tar pre­sa a um som. O mais im­por­tan­te é a nos­sa ver­da­de. Nós so­mos o nos­so pri­mei­ro e úl­ti­mo obs­tá­cu­lo e eu es­tou ca­da vez mais con­fi­an­te. Vai ser um dis­co bas­tan­te pop, mas uma pop à Ana Ba­ca­lhau”.

Re­cor­de-se que o dis­co de es­treia da can­to­ra, in­ti­tu­la­do ‘No­me Pró­prio’, foi lan­ça­do em ou­tu­bro de 2017. “Têm si­do anos mui­to im­por­tan­tes pa­ra mim. Os De­o­lin­da fo­ram um ber­ço e uma gran­de apren­di­za­gem, mas ago­ra sou eu que te­nho a úl­ti­ma pa­la­vra em tu­do. Aos pou­cos tam­bém me co­me­ço a per­ce­ber co­mo ar­tis­ta”, de­cla­ra a ar­tis­ta de 41 anos.

DUETO COM DI­O­GO PI­ÇAR­RA,

`O ER­RO MAIS BONITO', FOI DE­CI­SI­VO PA­RA ANA BA­CA­LHAU CO­NHE­CER UM NO­VO CA­MI­NHO

1. No no­vo videoclipe, Ana Ba­ca­lhau ves­te a pe­le de qua­tro per­so­na­gens di­fe­ren­tes 2. Du­ran­te os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra as gra­va­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.