~ “É uma re­la­cao ~ de­frus­trac‘ aoe ~ AGRESSAO”

Quin­ti­no Ai­res, psi­có­lo­go e co­men­ta­dor do re­a­lityshow, ana­li­sa os com­por­ta­men­tos do ca­sal e ga­ran­te que en­tre César e Gabriela não há amor

TV Guia - - Reality Tv - COFINA MEDIA | FOTOS ISABEL LARANJO TEXTO

En­tra­ram jun­tos e com a es­tra­té­gia de não mos­tra­rem que eram na­mo­ra­dos. Só que as es­tra­té­gi­as são fa­lí­veis. As­sim foi: ao fim de pou­co tem­po, Gabriela e César aca­ba­ram por as­su­mir que eram na­mo­ra­dos cá fo­ra. Com is­so, au­men­ta­ram os amu­os e cho­ros de Gabriela e um afas­ta­men­to de César. Es­ta­rá o fa­dis­ta a “en­tre­gar” o jo­go à na­mo­ra­da, en­tran­do nu­ma nova es­tra­té­gia de jo­go, fa­zen­do de­la ví­ti­ma e tor­nan­do-a uma po­ten­ci­al fa­vo­ri­ta ou ven­ce­do­ra? “O jo­go é não é as­sim tão fá­cil de fa­zer. Te­mos ti­do mui­to bons con­cor­ren­tes que en­tram com uma es­tra­té­gia mas que, com o pas­sar do tem­po, a dei­xam cair. É uma ten­dên­cia na­tu­ral”, ob­ser­va Quin­ti­no Ai­res, psi­có­lo­go e co­men­ta­dor da Ca­sa dos Se­gre­dos.

IN­CA­PAZ DETER UMA RE­LA­ÇÃO

Se­rá, de fac­to, Gabriela uma ví­ti­ma? E César um ma­ni­pu­la­dor, frio e dis­tan­te? “Eles têm uma re­la­ção mui­to com­pli­ca­da. Tra­ta-se de uma re­la­ção de frus­tra­ção e agres­são. A Gabriela pe­de aten­ção, pe­de que o César cui­de de­la. Só que, pa­ra ele, é nor­mal es­tar afas­ta­do de­la. Há uma sis­te­má­ti­ca frus­tra­ção dos de­se­jos da Gabriela que le­vam de­pois à agres­são ver­bal e às dis­cus­sões com o César.”

Re­cor­de-se que Gabriela che­gou a ape­li­dar o na­mo­ra­do de “mer­da” e ati­rar-lhe com ex­pres­sões co­mo “não va­les na­da!” César man­tém uma apa­ren­te cal­ma. Só se re­vol­tou uma vez, até agora, ati­ran­do uma ca­dei­ra ao chão e par­tin­do pa­ra a dis­pu­ta com a na­mo­ra­da. “O César não me pa­re­ce ma­ni­pu­la­dor, por­que não faz is­so de pro­pó­si­to. Ele tem uma per­so­na­li­da­de ima­tu­ra e é au­to-cên­tri­co e in­ca­paz de ter uma re­la­ção amo­ro­sa. Tem pou­ca ca­pa­ci­da­de de em­pa­tia e, por is­so, não sen­te o so­fri­men­to da Gabriela”.

A con­cor­ren­te, por sua vez, le­vou na ba­ga­gem um se­gre­do pe­sa­do: “Vi­vi ater­ro­ri­za­da por um ex-na­mo­ra­do”. No pa­re­cer do psi­có­lo­go, is­so não mu­dou a sua per­so­na­li­da­de, mas faz da jo­vem, de 23 anos, “uma mu­lher já mui­to des­gas­ta­da”. “A Ca­sa não mu­da as pes­so­as, an­tes in­ten­si­fi­ca o que se pas­sa cá fo­ra.”

A UM PAS­SO DA TRAIÇÃO

No en­ten­der de Quin­ti­no Ai­res, Gabriela tem “uma per­so­na­li­da­de ro­mân­ti­ca, ou se­ja, vi­ve na fan­ta­sia, na ilu­são e no so­nho. Não vê o que es­tá à sua fren­te.” O psi­có­lo­go re­cor­da um texto que es­cre­veu, em que des­cre­ve es­te ti­po de per­so­na­li­da­de, que le­va à per­sis­tên­cia no en­ga­no. “Era uma pes­soa ro­mân­ti­ca, que ofe­re­cia sem­pre ro­sas ver­me­lhas à na­mo­ra­da. Ela nun­ca gos­ta­va, por­que pre­fe­ria ama­re­las. Mas ele in­sis­tia em ofe­re­cer-lhe ver­me­lhas e não

en­ten­dia por­que é que ela não gos­ta­va.” Por ou­tro la­do, Quin­ti­no acre­di­ta que a ati­tu­de de César po­de le­vá-lo a trair Gabriela. “Não es­tou a di­zer que te­nha acon­te­ci­do, mas é pro­vá­vel que sim ou que ve­nha a acon­te­cer. Por­que, pa­ra ele, é nor­mal an­dar à sol­ta e fi­ca abor­re­ci­do com as al­te­ra­ções de­la. Is­to tem a ver com a cul­tu­ra por­tu­gue­sa, em que o ho­mem po­de an­dar por aí e a mu­lher pen­sa que ele vai mu­dar. Só que nun­ca mu­da”, ana­li­sa.

“NE­NHUM GOSTADO OU­TRO”

Sen­do um na­mo­ro tó­xi­co, en­tão por­que é que César e Gabriela não se lar­gam? “Ser­ve aos dois. Ele já dis­se que tem um cor­po feio e que não é in­te­res­san­te. E ela acre­di­ta que nun­ca mais irá amar nin­guém co­mo a ele. Quan­do já amou. Aliás, os me­lho­res amo­res são sem­pre os úl­ti­mos!” Em re­su­mo, Quin­ti­no Ai­res ad­vo­ga: “Eles não se amam. O que acon­te­ce é que o César pen­sa: ‘Ain­da bem que es­ta me quer’; a Gabriela, por seu la­do, ima­gi­na que ele vai mu­dar. Se eles con­se­guis­sem per­ce­ber que se­ri­am mais fe­li­zes fo­ra des­ta re­la­ção, que tan­to ele co­mo ela po­de­rão de­sen­vol­ver a vi­da amo­ro­sa um sem o ou­tro, se­ria o ide­al”. Por is­so, o psi­có­lo­go, tal co­mo a mãe da al­gar­via, va­ti­ci­na: “O me­lhor se­ria ir ca­da um pa­ra seu la­do. Ne­nhum gos­ta do ou­tro.”

O ca­sal de al­gar­vi­os na es­treia da Ca­sa dos Se­gre­dos 7. Quin­ti­no Ai­res, psi­có­lo­go e co­men­ta­dor do re­a­lity, ex­pli­ca de­ta­lha­da­men­te es­ta re­la­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.