CRISE to­ca a to­dos!

Aca­ba­ram-se os ves­ti­dos em­pres­ta­dos, as ma­qui­lha­gens e os pen­te­a­dos. Já não há alo­ja­men­to pa­ra quem vem de fo­ra e to­dos têm de ir ar­ran­ja­dos de ca­sa. O pré­mio des­ceu 30 mil eu­ros des­de a pri­mei­ra edi­ção

TV Guia - - Reality Tv - TEXTO ISABEL LARANJO, COM HUGO ALVES | FOTOS COFINA MEDIA

Quan­do a 1.ª edi­ção da Ca­sa dos Se­gre­dos foi pa­ra o ar, em Ou­tu­bro de 2010, com apre­sen­ta­ção de Jú­lia Pi­nhei­ro, não fal­ta­va di­nhei­ro. O pré­mio fi­nal era de 50 mil eu­ros, mais o res­tan­te acu­mu­la­do den­tro da Ca­sa. E, du­ran­te as galas,na­da fal­ta­va. Alo­ja­men­to e pa­ga­men­to de des­lo­ca­ções a quem vi­nha de fo­ra e até ves­ti­dos em­pres­ta­dos. Só que a crise che­gou aos re­a­lity show.

Ho­je, o pré­mio fi­nal é de 20 mil eu­ros, a que acres­ce o acu­mu­la­do den­tro da Ca­sa. Só que os ex­pul­sos não têm gran­des apoi­os pa­ra irem às galas. Margarida, a pri­mei­ra ex­pul­sa des­ta edi­ção, ga­ran­te: “Só pa­gam a des­lo­ca­ção. Na­da mais. Por se­ma­na, en­quan­to es­ti­ve­mos na ca­sa, re­ce­be­mos 125 eu­ros. Já ou­vi di­zer que an­tes era tu­do me­lhor: 150, 200…”

“DÃO-NOS O JAN­TAR, JÁ NÃO É MAU”

Os cor­tes, de for­mal gra­du­al, são evi­den­tes. Na 4.ª e 5.ª edi­ções, por exem­plo, o pré­mio fi­nal já era de so­men­te 30 mil eu­ros, um cor­te de 20 mil em re­la­ção às pri­mei­ras três Ca­sas. Margarida, a an­ti­ga pre­si­den­te do Clu­be das Vir­gens, acres­cen­ta: “Não te­mos ma­qui­lha­do­ras, rou­pa, na­da. Di­zem pa­ra ir-

mos ar­ran­ja­das e pin­ta­das. Pe­lo me­nos dão-nos o jan­tar, já não é mau.” So­fia, a jo­vem deSac avém cu­jos egre do­e­ra “Ten­tei ma­tar o meu pai”, quei­xa-se do mes­mo. No seu ca­so, ape­sar de ter de se des­lo­car de Sa­ca­vém à Ven­da do Pi­nhei­ro, o que per­faz um to­tal, de ida e volta, de 60 qui­ló­me­tros, a que se jun­tam as por­ta­gens, nem se­quer re­ce­be pe­la des­lo­ca­ção. “Só dão di­nhei­ro das des­lo­ca­ções pa­ra quem vem de fo­ra. Eu não te­nho di­rei­to a na­da.” E, tal co­mo Margarida, ad­mi­te: “Te­nho que ir pron­ta, ves­ti­da, pin­ta­da. Não há nin­guém pa­ra nos fa­zer na­da.” Al­go­que­a­jo­vem la­men­ta: “Lem­bro-me de an­ti­ga­men­te elas es­ta­rem per­fei­tas e nós agora, se não in­ves­tir­mos em ca­sa, não va­mos apa­re­cer bem.”

“ERAOUTROGLAMOUR”

Os con­cor­ren­tes, de ou­tras edi­ções, que ti­nham“pri­vi­lé­gi­os” co­mo ma­qui­lha­gem e ca­be­los, até já no­ta­ram, só de ve­rem na te­le­vi­são, es­te de­sin­ves­ti­men­to. “Ho­je em dia, no­ta-se per­fei­ta­men­te co­mo as coi­sas es­tão. No meu tem­po, tí­nha­mos a ma­qui­lha­gem e os ca­be­los as­se­gu­ra­dos. Sei tam­bém que dei­xa­ram de pa­gar cer­tas des­pe­sas. Era ou­tro gla­mour, ho­je vê-se per­fei­ta­men­te que é tu­do im­pro­vi­sa­do pe­los pró­pri­os ex-con­cor­ren­tes”, no­ta Ju­li­a­na. Do­ri­a­na, que par­ti­ci­pou na pri­mei­ra edi­ção, tem a mes­ma ideia. “No­tei que cor­ta­ram na ma­qui­lha­gem! Na mi­nha al­tu­ra, até os fa­mi­li­a­res que fos­sem fa­lar tam­bém eram ma­qui­lha­dos.” E até rou­pa ha­via, ca­so­fos­se­pre­ci­so. “Che­guei a ir a uma ga­la on­de en­ten­de­ram que não fi­ca­va bem e em­pres­ta­ram-me um ves­ti­do, do guar­da-rou­pa. Eram pa­gas as des­pe­sas. En­chia o de­pó­si­to do car­ro, apre­sen­ta­va a fac­tu­ra e is­so era-nos de­vol­vi­do. Além

dis­so, pa­ga­vam o ho­tel.”

“TÍNHAMOSTUDO!”

Ho­je, tam­bém já não há es­ta­di­as pa­ra nin­guém. Nem ma­qui­lha­gem pa­ra os fa­mi­li­a­res ou Al­go mui­to dis­tin­to do que se pas­sa­va an­tes. “Tí­nha­mos tu­do! Ma­qui­lha­gem, ca­be­los... Ca­da pes­soa usa­va a sua rou­pa, mas se a pro­du­ção en­ten­des­se que não era ade­qua­da, exis­tia guar­da-rou­pa e eles as­se­gu­ra­vam. Tí­nha­mos aces­só­ri­os que po­día­mos con­ju­gar com nos­sas rou­pas ”, con­taChyn tia, que par­ti­ci­po una Ca­sa 5, em 2014. O trans­por­te era“pa­go ao qui­ló­me­tro e tí­nha­mos to­das as mordomias”. Da­ni­el aS ., da Ca­sa 2, nun­ca es­te­ve em da­do que foi fi­na­lis­ta. Po­rém, no seu ano, até afi­nal, foi em gran­de, no Cam­po Pe­que­no, emLis­boa. “No en­tan­to, a mi­nha mãe foi a vá­ri­as galas e foi sem­pre ma­qui­lha­da por eles .” Na Ca­sa 6, em 2016, o des­ceu par aos 20 mil eu­ros. As re­ga­li­as têm vin­do a de­cres­cer de tem­po­ra­da pa­ra tem­po­ra­da. “Eu, co­mo vi­nha do Al­gar­ve, re­ce­bia 150 eu­ros pa­ra a des­lo­ca­ção”. De res­to, par­cos apoi­os, co­mo o jan­tar no re­fei­tó­rio, e na­da de ho­téis.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.