An­tí­do­to pa­ra o ADEUS à TV

Fi­gu­ra de proa da in­for­ma­ção, a jor­na­lis­ta da TVI apos­ta o seu fu­tu­ro pro­fis­si­o­nal num blog. Um ne­gó­cio pa­ra o dia em que dei­xar o pe­que­no ecrã

TV Guia - - Estrelas - TEXTO JOÃO BÉNARD GARCIA I FOTOS SÉR­GIO LEMOS

Foi ro­de­a­da de ami­gos e fa­mi­li­a­res que Ju­di­te Sou­sa, 57 anos, apre­sen­tou o seu mais re­cen­te pro­jec­to pro­fis­si­o­nal: um blog com o seu no­me. Afir­man­do ser “uma pes­soa lú­ci­da e com os pés bem as­sen­tes na ter­ra”, a jor­na­lis­ta re­ve­la quan­do e por que ra­zão sen­tiu ne­ces­si­da­de de dar um pas­so em fren­te ru­mo ao di­gi­tal: “Ho­je, é pre­ci­so es­tar no di­gi­tal. Não mais é pos­sí­vel es­tar fo­ra. O mun­do es­tá a evo­luir nes­se sen­ti­do e achei im­por­tan­te pen­sar num pro­jec­to que fos­se uma ex­ten­são da mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal en­quan­to jor­na­lis­ta de te­le­vi­são.”

Anun­ci­a­do co­mo um pro­jec­to ex­clu­si­va­men­te seu, que au­to­fi­nan­cia, a di­rec­to­ra­ad­jun­ta de In­for­ma­ção da TVI avi­sa que, no seu blog, dis­ser­ta­rá sobre te­má­ti­cas tão di­ver­sas quanto “a vi­da, o amor, a mor­te, a pai­xão e sobre as di­ver­sas di­men­sões exis­ten­ci­ais do ser hu­ma­no”. “Vou es­cre­ver sobre o amor, os afec­tos e a re­la­ção a dois.”

A jor­na­lis­ta, que já le­va 30 anos de car­rei­ra, clas­si­fi­cou es­te mo­men­to de vi­ra­gem co­mo sen­do “uma aven­tu­ra co­mu­ni­ca­ci­o­nal”, afir­man­do-se “mui­to or­gu­lho­sa de ser a pri­mei­ra jor­na­lis­ta de TV a dar es­te pas­so”. “Es­pe­ro que ou­tros me si­gam”, re­for­ça. Nes­ta pla­ta­for­ma on­li­ne, Ju­di­te Sou­sa pro­me­te es­cre­ver de for­ma ac­tu­al e em­pe­nha­da. “Os es­cri­to­res cos­tu­mam di­zer que a es­cri­ta é um exer­cí­cio de li­ber­da­de e de cri­a­ção e é uma for­ma de nos li­ber­tar­mos dos nos­sos de­mó­ni­os, no sen­ti­do me­ta­fó­ri­co do ter­mo, por­que to­dos os te­mos. Eu gos­to mui­to de es­cre­ver. Já es­cre­vi se­te li­vros! Es­cre­vo com fa­ci­li­da­de e a es­cri­ta é uma for­ma de pôr cá fo­ra o que me vai na al­ma. Os meus sen­ti­men­tos. O ser hu­ma­no que sou. A mu­lher que sou. Por­que an­tes de ser jor­na­lis­ta sou mu­lher e mãe.”

NÃOÉSOBREOFILHO

Tes­te­mu­nha pri­vi­le­gi­a­da dos mai­o­res acon­te­ci­men­tos do fi­nal do sé­cu­lo XX e do iní­cio do XXI, a jor­na­lis­ta re­lem­bra que te­rá sem­pre “his­tó­ri­as e me­mó­ri­as pa­ra con­tar e par­ti­lhar”, adi­an­tan­do ain­da que, “de for­ma in­di­rec­ta”, vai fa­lar da sua “vi­da pes­so­al”. Qu­es­ti­o­na­da sobre se o blog sim­bo­li­za uma for­ma de ho­me­na­gem ao filho, An­dré

Bes­sa, fa­le­ci­do pre­ma­tu­ra­men­te em 2014, a di­rec­to­ra-ad­jun­ta de In­for­ma­ção da TVI ne­ga tais ob­jec­ti­vos: “O blog na­da tem a ver com o meu filho. O An­dré or­gu­lha­va--se imen­so da mãe que ti­nha e do tra­ba­lho que fa­zia. Mas es­te blog, ao con­trá­rio do que já foi pu­bli­ca­do, não é sobre, ou uma ho­me­na­gem, ao meu filho, em­bo­ra pos­sa ha­ver tex­tos com re­fe­rên­ci­as a ele. É uma de­ci­são mi­nha, pro­fis­si­o­nal, que co­me­çou a ser pen­sa­da há um ano e co­me­çou a ser re­a­li­za­da há dois me­ses.” Apre­sen­ta­do co­mo um pro­jec­to a pen­sar “no fu­tu­ro, a mé­dio e lon­go pra­zo, por­que nin­guém se eter­ni­za na te­le­vi­são”, Ju­di­te re­ve­la que “ha­ve­rá um mo­men­to de mu­dan­ça, de re­no­va­ção ge­ra­ci­o­nal e é im­por­tan­te que os jor­na­lis­tas que es­tão no ecrã per­ce­bam que ele vai che­gar. Que o ca­len­dá­rio an­da e que te­nham al­ter­na­ti­vas pro­fis­si­o­nais, pa­ra que, quan­do o qua­dra­di­nho aca­bar, não fi­quem tris­tes nem de­pres­si­vos a to­mar me­di­ca­men­tos.” E dei­xa um avi­so à na­ve­ga­ção: “Não es­tou a pen­sar re­for­mar-me!”

“Es­tou mui­to or­gu­lho­sa de ser a pri­mei­ra jor­na­lis­ta de te­le­vi­são a dar o pas­so ru­mo ao

di­gi­tal”

Ví­tor Gon­çal­ves,

ami­go e con­fi­den­te, sa­be tu­do sobre Ju­di­te.

Cristina Fer­rei­ra apoi­ou a

ami­ga. “Eu apa­dri­nho tu­do o que

é bom.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.