Lá­gri­mas SEM FIM

O ac­tor, de 29 anos, per­deu uma das pes­so­as mais im­por­tan­tes da sua vi­da. Con­tu­do, ga­ran­te que tem a cer­te­za que quan­do se des­pe­diu de Ma­ria Do­lo­res, de 85, es­ta par­tiu fe­liz com o ne­to

TV Guia - - Estrelas - TEXTO HUGO ALVES I FOTOS RI­CAR­DO RUELLA E D.R.

No pas­sa­do dia 6, Pe­dro Ro­dil des­pe­diu-se de uma das pes­so­as que mais ama­va, a avó pa­ter­na, Ma­ria Do­lo­res. “Nun­ca es­ta­mos à es­pe­ra”, con­ta o ac­tor de 29 anos. “Nun­ca se es­tá pre­pa­ra­do pa­ra per­der quem se ama. E eu que cres­ci mui­to com os meus avós e com to­da a sa­be­do­ria em­pí­ri­ca de­les, cla­ro que me cus­ta es­ta per­da. Em­bo­ra te­nha a no­ção que even­tu­al­men­te to­dos par­ti­mos. Eu tam­bém irei”, diz o ac­tor. “Se for com 85 anos co­mo ela foi, dou-me por con­ten­te por­que quer di­zer que es­ti­ve mui­to tem­po com os meus fi­lhos. Cla­ro que é uma tris­te­za e uma sur­pre­sa me­nos boa, mas eu sei que ela es­tá bem acom­pa­nha­da. Te­ve vá­ri­os fi­lhos, ne­tos, co­nhe­ceu os bis­ne­tos e por is­so par­tiu bem. E vai en­con­trar lá as pes­so­as que ama”, diz. “Cus­ta, mas tem que ser…”

PAI, ACIMA DE TU­DO

Ho­mem de fa­mí­lia, Pe­dro Ro­dil, pai de dois fi­lhos, Mar­tim de 2 anos e Mel de 1, diz que ape­sar de es­tar a “gra­var in­ten­sa­men­te” a sua pri­o­ri­da­de são sem­pre os fi­lhos. “A mi­nha pai­xão é a re­pre­sen­ta­ção, mas o meu gran­de amor são os meus fi­lhos”. Sem­pre mui­to ata­re­fa­do, “por­que a pro­fis­são e a vi­da pes­so­al as­sim obri­gam”, o ac­tor ti­ra sem­pre o fim-de-se­ma­na pa­ra os fi­lhos. “Quan­do es­tou com eles des­li­go tu­do: te­le­mó­vel, te­le­vi­são… de­di­co-me a eles a 100 por cen­to. E não é ser pai la­me­chas, mas o que mais amo na mi­nha vi­da são os meus fi­lhos. Na­da nem de per­to che­ga lá per­to. E quan­do não es­tou com eles con­fes­so que es­tou a pen­sar ne­les. Por is­so, e se es­tou a ten­tar no­va­men­te a sor­te na re­pre­sen­ta­ção e a que­rer ser um gran­de ac­tor, é por eles. Por­que que­ro que eles se or­gu­lhem de mim”, diz o ac­tor, que es­te­ve mui­tos anos de­sem­pre­ga­do e lon­ge da re­pre­sen­ta­ção. Tal­vez por is­so, e por ter pas­sa­do tan­tas di­fi­cul­da­des na vi­da, que ho­je pa­re­cem es­tar to­tal­men­te su­pe­ra­das, es­te­ja a de­di­car-se com al­ma e co­ra­ção aos projectos da re­pre­sen­ta­ção que vai ten­do. “Dei­xei tu­do o res­to, os ou­tros ne­gó­ci­os pa­ra trás. Cla­ro que pos­so não es­tar aqui pa­ra sem­pre. Mas se não es­ti­ver não é por­que não quei­ra, mas agora es­tou mes­mo de­di­ca­do. A is­so e à es­cri­ta pa­ra ci­ne­ma. E in­de­pen­den­te­men­te das fa­ses que vol­te a pas­sar, nun­ca dei­xa­rei de ser ac­tor.”

BOM RA­PAZ, FINALMENTE

No iní­cio da tra­ma Pe­dro Ro­dil vai es­tar em des­ta­que na no­ve­la da SIC. “Dou vi­da ao Pau­lo. É um co­le­ga de tra­ba­lho da Eva (Jo­a­na San­tos) e que tem uma gran­de pai­xão por ela”, con­ta. “Eles vão aca­bar por se en­vol­ver, mas ela es­tá só a usá-lo por­que o vê co­mo um ami­go. Ele é o ami­go man­so de­la”, diz a rir o ac­tor que es­tá fe­liz por finalmente “ser um dos bons ra­pa­zes. De­mo­rou mui­to… mas cá es­tou. E as gra­va­ções são mui­to sim­pá­ti­cas. Es­tou a gos­tar mes­mo mui­to”.

Ma­ria Do­lo­res, avó do ac­tor, par­tiu aos 85 anos de ida­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.