“SIN­TO-ME COM A ENERGIA dos 30”

Aos 65 anos, o ros­to de Por­tu­gal em Di­rec­to, o pro­gra­ma há mais tem­po em an­te­na na es­ta­ção pú­bli­ca, as­su­me tu­do sem pru­ri­dos: as plás­ti­cas, a li­ber­da­de pa­ra amar, o seu es­ti­lo e o re­a­li­da­de da re­for­ma, que es­tá à por­ta

TV Guia - - Reality Tv - TEXTO JOÃO BÉNARD GARCIA I FOTOS LILIANA PE­REI­RA

Já des­co­briu as ra­zões da sua lon­ge­vi­da­de em te­le­vi­são?

Co­me­ço a achar que não tem a ver co­mi­go, mas an­tes com o “Uni­ver­so”. Uma vez, dis­se a um jor­nal: “Es­tou aqui por Deus!” Acho que to­dos te­mos uma missão e, por is­so, tra­ba­lhei a mi­nha par­te ener­gé­ti­ca e es­pi­ri­tu­al. Quan­do co­me­çou es­se pro­ces­so? Des­de sem­pre. Sem­pre fiz bus­cas, re­fle­xão e es­tou ca­da vez mais cen­tra­da em mim. Tem a ver com o fac­to de ser­mos energia no Pla­ne­ta. Es­se ali­nha­men­to de energia pôs--me aqui. Sin­to que de­ve ser is­so quan­do me di­zem: “Quan­do a Di­na es­tá, é ou­tra coi­sa.” Já pen­sou co­mo se­rá quan­do dei­xar de es­tar?

“Sin­to-me ama­da pe­los es­pec­ta­do­res, sin­to.

Co­me­cei por me amar a mim pró­pria. O pro­ces­so co­me­ça

por nós”

Quan­do dei­xar de es­tar, dei­xei. Foi o meu tem­po. Ou­tra pes­soa vi­rá pa­ra o meu lu­gar. É sem­pre as­sim. Não te­nho ape­go aos lu­ga­res... nem a na­da. Se es­ti­ver aqui pa­ra sem­pre, não dou hi­pó­te­se a ou­tras pes­so­as. Dis­se is­so em re­la­ção ao Te­le­jor­nal.

Gos­ta­va de vol­tar a apre­sen­tar o Te­le­jor­nal?

Ai, não, não.

Porquê?

É ou­tro tem­po!

Acha que não se adap­ta­va?

Não, é exac­ta­men­te igual. Ex­cep­to que as no­tí­ci­as têm uma car­ga mui­to ne­ga­ti­va e eu que­ro no­ti­ci­ar coi­sas po­si­ti­vas. É por is­so que me iden­ti­fi­co mais com o Por­tu­gal em Di­rec­to.

Mas as no­tí­ci­as ne­ga­ti­vas têm que ser da­das e os ca­sos têm que ser in­ves­ti­ga­dos. Cla­ro. Tu­do tem uma ra­zão de ser. O jor­na­lis­mo de in­ves­ti­ga­ção é fun­da­men­tal e tem uma ra­zão de ser. Ca­da vez mais, há uma

pre­ca­ri­e­da­de no jor­na­lis­mo que o es­tá a afec­tar.

Sen­te is­so na sua equi­pa?

Na mi­nha equi­pa não. Nem na RTP. Mas têm saí­do no­tí­ci­as a de­nun­ci­ar pre­ca­ri­e­da­de sa­la­ri­al na RTP.

Sim, mas is­so é ou­tra coi­sa. Não in­ter­fe­re di­rec­ta­men­te com a prá­ti­ca jor­na­lís­ti­ca. Nou­tras es­ta­ções ve­jo pes­so­as mui­to jo­vens a fa­ze­rem di­rec­tos em si­tu­a­ções pre­cá­ri­as, sem con­di­ções lo­gís­ti­cas de tra­ba­lho, o que na­da têm a ver com a for­ma de tra­ba­lhar aqui, na RTP. Es­ses jo­vens em iní­cio de car­rei­ra su­jei­tam-se a coi­sas que um jor­na­lis­ta co­mo eu, com anos de pro­fis­são, não faz. Se pu­ser em cau­sa a mi­nha cre­di­bi­li­da­de, re­cu­so-me.

Sen­tiu es­sa pre­ca­ri­e­da­de quan­do foi es­ta­giá­ria?

Não, na­da dis­so. Quan­do en­trei pa­ra a RTP era exac­ta­men­te o opos­to. Ti­ve to­das as con­di­ções, in­te­grei a equi­pa da In­for­ma­ção 2, um gru­po de jor­na­lis­tas de eli­te, com o Mi­guel Sou­sa Ta­va­res, Jo­a­quim Fur­ta­do, So­la­no de Al­mei­da, Me­ga Fer­rei­ra, Jo­sé Jú­di­ce, Di­a­na An­drin­ga e Margarida Ma­ran­te. Fui uma pri­vi­le­gi­a­da e mui­to apoi­a­da. Éra­mos de um ri­gor ab­so­lu­to: na lin­gua­gem, a con­fir­mar as fon­tes, a fa­zer o con­tra­di­tó­rio. Ho­je va­le tu­do.

Na­que­le tem­po, a RTP es­ta­va so­zi­nha, não ha­via con­cor­rên­cia. Eram ou­tros tem­pos.

Cla­ro. Ten­do eu es­sa es­co­la e sen­do des­se gru­po de jor­na­lis­tas, sin­to ho­je um cer­to de­sen­can­to.

Acei­ta­ria ser di­rec­to­ra, di­rec­to­ra-ad­jun­ta ou sub­di­rec­to­ra de In­for­ma­ção da RTP?

… [Ri­sos]

Sa­be­mos que nun­ca te­ve es­ses car­gos.

Não, nun­ca ti­ve es­sa am­bi­ção. Não sou mui­to di­ta­do­ra, mas sou mui­to exi­gen­te e ri­go­ro­sa e, de­pois ,po­dia ter pro­ble­mas. E sou mui­to jus­ta. Não acei­to que nu­ma re­dac­ção ha­ja des­ní­veis sa­la­ri­ais tão gran­des. Se man­das­se, pe­ga­va nos sa­lá­ri­os e di­zia: “Va­mos pôr is­to tu­do em or­dem!” E não fa­vo­re­cia ami­gos ou pre­ju­di­ca­va ini­mi­gos. Im­pu­nha jus­ti­ça sa­la­ri­al. Es­sas in­jus­ti­ças in­co­mo­dam-me mui­to. Sou ca­paz de mor­rer por ide­ais.

Se­ria mui­to in­fe­liz se fos­se di­rec­to­ra de qual­quer coi­sa?

[Ri­sos] Sou jor­na­lis­ta, e já che­ga de so­frer.

Tem acom­pa­nha­do a po­lé­mi­ca com o seu di­rec­tor, Pau­lo Den­ti­nho? Es­tá so­li­dá­ria com ele?

Sei va­ga­men­te o que se pas­sa. Con­si­de­ro o Pau­lo Den­ti­nho um dos jor­na­lis­tas de ex­ce­lên­cia, com ab­so­lu­ta

com­pe­tên­cia e pro­fis­si­o­na­lis­mo. O pro­ces­so de es­tar nu­ma di­rec­ção é fa­lí­vel... Ho­je, es­tá um di­rec­tor, ama­nhã es­ta­rá ou­tro.

É por is­so que não se quer me­ter nes­sas sal­ga­nha­das?

Exac­ta­men­te. Te­mos que ter a no­ção de que as coi­sas são efé­me­ras. Um dia des­tes, se ti­ver que sair, saio. Não te­nho ape­go aos lu­ga­res.

Tra­ba­lhou com, e co­nhe­ceu bem, Fer­nan­do Pes­sa. Pen­sa, tal co­mo ele, tra­ba­lhar qu­a­se até aos 100 anos, se pu­der?

[Ri­sos] En­quan­to pu­der…[gar­ga­lha­das]. Nós aqui, em Por­tu­gal, te­mos o cul­to da ju­ven­tu­de. Nas te­le­vi­sões dos Es­ta­dos Unidos, há pes­so­as com 70 e 80 anos no ar. São cre­dí­veis e ex­pe­ri­en­tes. Eles não des­car­tam as pes­so­as com fa­ci­li­da­de.

Em Por­tu­gal des­car­tam?

Sim, e co­mo não se dá con­di­ções de tra­ba­lho e os sa­lá­ri­os são maus, a cer­ta al­tu­ra as pes­so­as sen­tem ne­ces­si­da­de de mu­dar e pro­cu­rar al­go me­lhor. Até eu já ti­ve opor­tu­ni­da­des de sair. Que opor­tu­ni­da­des fo­ram es­sas? Pa­ra as­ses­so­ra de um mi­nis­tro. Não quis. É mui­to re­du­tor e sem­pre fui mui­to fi­el à mi­nha pro­fis­são. Achei que, a par­tir do mo­men­to em que abra­cei es­ta pro­fis­são, não po­dia es­tar li­ga­da a na­da. Te­nho é que ser fi­el ao es­pec­ta­dor, às pes­so­as pa­ra quem tra­ba­lho di­a­ri­a­men­te.

Foi es­sa fi­de­li­da­de e ri­gor que a fez con­se­guir en­tre­vis­tar to­dos os po­lí­ti­cos que cha­ma­va ao Te­le­jor­nal? E tam­bém nun­ca fui agres­si­va. Da­va es­pa­ço pa­ra as pes­so­as fa­la­rem. A mi­nha fi­lo­so­fia de vi­da sem­pre foi a de dar es­pa­ço sem jul­gar.

Ha­via co­le­gas su­as que eram agres­si­vas: Ma­nu­e­la Mou­ra Guedes ou Margarida Ma­ran­te.

Cla­ro, mas são es­ti­los e não te­nho que jul­gar. Ca­da um tem o seu. Eu era mais se­re­na. As pes­so­as não ti­nham “me­do” de vir fa­lar co­mi­go.

Nun­ca te­ve um po­lí­ti­co a re­cu­sar fa­lar con­si­go?

Nun­ca... Bem, ti­ve uma vez uma si­tu­a­ção com o mi­nis­tro do Tra­ba­lho, Sil­va Pe­ne­da. Hou­ve uma ten­ta­ti­va de pres­são pa­ra sa­ber o que ia abor­dar na en­tre­vis­ta, que­ri­am fa­lar co­mi­go an­tes. Res­pon­di que não fa­la­va com nin­guém. E não fa­lei. Por uma ques­tão de res­pei­to à pes­soa, quan­do che­gou ao es­tú­dio, dis­se-lhe: “Va­mos abor­dar es­ta ques­tão.” E ele dis­se­me: “Des­cul­pe, não foi is­so que com­bi­ná­mos!” E eu dis­se-lhe: “Des­cul­pe lá, mas não com­bi­nei na­da con­si­go.” E, a par­tir da­li, foi um ta­co-a--ta­co de ten­são. Ain­da por ci­ma, o di­rec­tor era o Jo­sé Edu­ar­do Mo­niz, e es­ta­va na reg­gie a di­zer-me ao au­ri­cu­lar pa­ra per­gun­tar ca­da vez coi­sas pi­o­res, a pres­si­o­nar-me. Não fiz o que me dis­se e, en­tre­tan­to, sou­be que co­men­tou: “Foi uma cha­ta!”

Brin­ca mui­to di­zen­do que é sexy­ge­ná­ria e não se­xa­ge­ná­ria. Sen­te ne­ces­si­da­de de brin­car com is­so pa­ra di­zer: es­tou cá, sou uma pro­fis­si­o­nal, te­nho qua­li­da­des, não me tro­ca­rão por uma pes­soa de 20 anos?

Não me im­por­to, não é tro­car. Não se tro­ca na­da. São pro­ces­sos in­di­vi­du­ais.

Mas sen­te-se com energia su­fi­ci­en­te pa­ra con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar?

Cla­ro. Não me dói na­da. Não te­nho do­res, não to­mo com­pri­mi­dos, dei­to-me e ador­me­ço de ime­di­a­to. Acor­do fe­liz e con­ten­te. Sem­pre bem­dis­pos­ta. Sin­to-me com a energia de 30 anos, ou me­nos. Se ca­lhar, aos 30, ti­nha mais do­res do que te­nho ho­je. Fa­ço gi­nás­ti­ca, uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel. Sin­to-me bem, lú­ci­da, ain­da não ava­ri­ei da ca­be­ça [ri­sos].

Não se vê por­tan­to re­for­ma­da.

… Se a mi­nha ida­de de re­for­ma é pa­ra o ano, não sei se me vou re­for­mar. Se sur­gir aqui um pro­jec­to no­vo, te­nho que pen­sar se o abra­ço. En­quan­to sen­tir que ain­da te­nho al­go pa­ra dar às pes­so­as…

A RTP dá al­ter­na­ti­va a quem qui­ser fi­car pa­ra lá dos 66 anos?

Sim, po­de­mo-nos re­for­mar aos 70. A sua von­ta­de é pa­ra con­ti­nu­ar? Te­nho von­ta­de de con­ti­nu­ar a fa­zer coi­sas. O meu pai tem 90 anos e con­ti­nua a ge­rir a quin­ta. Te­nho uma car­ga ge­né­ti­ca gran­de. Nas­ci nu­ma al­deia on­de as pes­so­as só pa­ram de tra­ba­lhar por in­ca­pa­ci­da­de fí­si­ca. Po­de-se di­zer que é uma pes­soa fe­liz? ... Sim…

.... He­si­tou aí um se­gun­do.

Sou, sou. A fe­li­ci­da­de é sa­ber es­tar pre­sen­te, aqui e agora. Há mui­to que aqui­la­tei o meu ego: Sou a Di­na Agui­ar, co­mo po­dia ser a Ma­ria Fran­cis­ca. Não sou mais im­por­tan­te por is­so. Sou um ser gra­to por ter a vi­da e a ex­pe­ri­ên­cia que te­nho.

Sen­te-se uma pes­soa ama­da?

… Sim. Sin­to-me ama­da pe­los es­pec­ta­do­res, sin­to. Co­me­cei por me amar a mim pró­pria. O pro­ces­so tem que co­me­çar por nós. Te­nho que me acei­tar: se te­nho bar­ri­ga, se es­tou mais gor­da ou mais ve­lha, in­de­pen­den­te­men­te de po­der fa­zer al­gu­ma coi­sa pa­ra me­lho­rar a ima­gem.

É aqui que en­tra a his­tó­ria do bo­tox na sua vi­da?

Sim. Ou de ter fei­to o lif­ting, que as­su­mi. Se te­nho a res­pon­sa­bi­li­da­de da ima­gem, se pu­der me­lho­rar, é uma par­voí­ce es­con­dê-lo.

Diz sen­tir-se ama­da pe­los te­les­pec­ta­do­res. E fo­ra dos ecrãs, é ama­da? Já achou a pes­soa cer­ta?

Is­so aí...

Já dis­se que o ho­mem mais sexy de Por­tu­gal é o seu.

[Ri­sos] Mes­mo nos re­la­ci­o­na­men­tos, o que a vi­da me en­si­nou é que não são pa­ra a vi­da. Evo­luí­mos to­dos de for­ma di­fe­ren­te. Mes­mo as pes­so­as que vi­vem em co­mum vão evo­luin­do. Mui­tas ve­zes, per­sis­ti­rem em re­la­ci­o­na­men­tos on­de já não se en­con­tram ener­ge­ti­ca­men­te, a ver se aguen­tam, e de­pois não va­le a pe­na. Sou uma mu­lher com sor­te, sa­be­do­ria e a mi­nha fe­li­ci­da­de não de­pen­de de nin­guém ex­te­ri­or a mim. Vi­vo bem so­zi­nha, equi­li­bra­da, sem pre­ci­sar de ter al­guém pa­ra ser fe­liz. Não ab­di­co do meu can­to e das mi­nhas coi­sas. E is­to re­sul­ta mais equi­li­bra­do pa­ra a pes­soa que es­tá con­si­go. Não pres­si­o­na, não de­pen­de. Dei­xa a ou­tra ser li­vre e fe­liz.

“Não fiz o que o Mo­niz me dis­se pa­ra eu per­gun­tar a um mi­nis­tro e sou­be, de­pois, que ele ti­nha di­to que fui uma cha­ta”

“Sou uma mu­lher com sor­te, sa­be­do­ria e a mi­nha fe­li­ci­da­de não de­pen­de de nin­guém”, diz Di­na Agui­ar quan­do fa­la de amor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.