“Ain­da te­nho AMI­GOS que co­nhe­ci”

O ac­tor de Jo­go Du­plo con­ti­nua re­ser­va­do e a dei­xar a vi­da ín­ti­ma... es­con­di­da. Pre­fe­re an­tes fa­lar de co­mo foi che­gar aqui co­mo ac­tor e no em­pe­nho que te­ve na ado­les­cên­cia pa­ra que os pais con­fi­as­sem em si. Afi­nal, to­dos os di­as ti­nha de ir es­tu­dar pa­ra

TV Guia - - Protagonista - TEXTO HUGO ALVES I FOTOS LILIANA PE­REI­RA

Já tem 12 anos de car­rei­ra...

É cu­ri­o­so, por­que não sin­to es­ses anos to­dos “nas cos­tas”! Ob­vi­a­men­te, sei que te­nho um pe­so de res­pon­sa­bi­li­da­de, mas ain­da sin­to aque­la von­ta­de de fa­zer mais e me­lhor do que sen­tia quan­do co­me­cei.

O que re­lem­bra dos pri­mei­ros tem­pos?

Ner­vo­so era a pa­la­vra de or­dem. Ca­da es­treia era um tur­bi­lhão de emoções! Che­guei a vo­mi­tar de ner­vo­so ... Ho­je, sin­to o mes­mo, mas de uma for­ma mais ma­du­ra. Con­si­go ge­rir mui­to me­lhor to­das es­sas emoções.

O que o le­vou a ser ac­tor?

Co­me­cei a es­tu­dar re­pre­sen­ta­ção aos 15 anos, a so­nhar com is­to mui­to no­vo... Mas não ti­nha nin­guém na fa­mí­lia que ti­ves­se se­gui­do es­ta via pro­fis­si­o­nal, por is­so foi uma de­ci­são di­fí­cil. Es­ta­va des­con­ten­te com a es­co­la­ri­da­de di­ta nor­mal e pre­ci­sa­va de uma mu­dan­ça, pre­ci­sa­va de mo­ti­va­ção pa­ra es­tu­dar, de al­go que me com­ple­tas­se. E quan­do che­gou a al­tu­ra de dar o sal­to pa­ra o 10.º ano, achei, jun­ta­men­te com a mi­nha fa­mí­lia, que era o mo­men­to cer­to pa­ra in­gres­sar nu­ma es­co­la pro­fis­si­o­nal. As­sim o fiz! Fiz as pro­vas de aces­so pa­ra a Es­co­la Pro­fis­si­o­nal de Ar­tes e Ofí­ci­os do Es­pec­tá­cu­lo, Cha­pitô e aí se ini­ci­ou um so­nho e um ob­jec­ti­vo de cri­an­ça. E to­da a mo­ti­va­ção vol­tou.

Cres­ceu num bair­ro so­ci­al. O que re­cor­da des­ses tem­pos?

Con­vi­vi com re­a­li­da­des di­fe­ren­tes da mi­nha. Nós mu­dá­mo-nos pa­ra aque­la zo­na, por­que sur­giu uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio, mas sin­to que aque­les tem­pos me fi­ze­ram dar va­lor a mui­tas coi­sas. Vi­veu al­gu­ma si­tu­a­ção pe­ri­go­sa? Não, de to­do. Era um bair­ro pa­cí­fi­co. Ain­da te­nho ami­gos que co­nhe­ci lá. É cu­ri­o­so que al­guns ain­da vi­vem lá, cons­truí­ram fa­mí­lia e nun­ca qui­se­ram sair, e is­so mostra co­mo é um bair­ro tran­qui­lo.

Diz que te­ve sem­pre o apoio dos seus pais. Eles nun­ca se pre­o­cu­pa­ram que pu­des­se fi­car sem tra­ba­lho?

Qual­quer pai se pre­o­cu­pa, e os meus não são ex­cep­ção, mas a mi­nha ba­se fa­mi­li­ar sem­pre foi fan­tás­ti­ca. O que me di­zi­am era: “Filho se não der cer­to, o pi­or que po­de acon­te­cer é se­gui­res ou­tro ca­mi­nho e vol­tar atrás, mas o que ga­nhas­te até agora já nin­guém te ti­ra.” Cor­tar as am­bi­ções a um fi­lhoé opi­or que se po­de fa­zer. Eu ti­nha mo­ti­va­ção, co­me­cei a apre­sen­tar bo­as no­tas, ape­sar de ir to­dos os di­as de Oei­ras pa­ra Lis­boa so­zi­nho. Eles apoi­a­ram-me e eu nun­ca lhes dei mo­ti­vos pa­ra não acre­di­ta­rem que ti­nha fei­to a es­co­lha cer­ta.

Ho­je, que olha pa­ra trás, sen­te que cres­ceu? Es­tu­da­va a 25 km de ca­sa, fa­zia es­se ca­mi­nho di­a­ri­a­men­te so­zi­nho, fui obri­ga­do afas­tar-me­dos meus ami­gos de es­co­la por fal­ta de tem­po, sair da mi­nha zo­na de con­for­to e ti­ve que as­su­mi ru­ma res­pon­sa­bi­li­da­de mai­or do que a mai­o­ria dos miú­dos de 15 anos. Is­so fez-me cres­cer, fez-me per­ce­ber o pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de. A mi­nha fa­mí­lia ti­nha-me apoi­a­do e, por is­so, não os que­ria de­sa­pon­tar. Nem a eles, nem a mim. Ho­je, sin­to-me mais ma­du­ro, es­sen­ci­al­men­te, sin­to que o meu pas­sa­do me trou­xe ar­mas pa­ra en­fren­tar o que for pre­ci­so.

A NA­MO­RA­DA SECRETA

Tem 31 anos. Já se sen­te um adul­to? Há res­pon­sa­bi­li­da­des às quais não pos­so nem que­ro fu­gir. Mas es­pe­ro ter sem­pre aque­le bri­lho nos olhos de um miú­do quan­do re­ce­be aque­le pre­sen­te que sem­pre quis, por exem­plo.

Tem si­do sem­pre mui­to dis­cre­to na sua vi­da pes­so­al. No en­tan­to, na­mo­ra com a Ri­ta [Sar­di­nha] há mui­to tem­po. Co­mo é que se co­nhe­ce­ram?

Sem­pre pro­te­gi a mi­nha vi­da pri­va­da. Ela me­re­ce o seu es­pa­ço e a sua pri­va­ci­da­de. E, por is­so, irei gen­til­men­te es­ca­par-me a es­ta per­gun­ta. O Du­ar­te é ac­tor... Co­mo é em ca­sa, ele fi­ca es­con­di­do? É sem­pre di­fí­cil o Du­ar­te ac­tor de­sa­pa­re­cer, tal co­mo um mé­di­co se­rá sem­pre um mé­di­co, se­ja on­de for. Ma seu não ve­jo uma co­no­ta­ção ne­ga­ti­va nis­so, so­mos sem­pre aqui­lo que fa­ze­mos. Mas ten­to tra­zer o mí­ni­mo de pro­ble­mas do tra­ba­lho pa­ra ca­sa. Há que re­la­ti­vi­zá-los tam­bém.

Eé ro­mân­ti­co? Co­moé que is­so se tra­duz?

Não me con­si­de­ro um ro­mân­ti­co pu­ro, mas te­nho ras­gos que se po­dem cons ide--

“Ca­da es­treia era um tur­bi­lhão de emoções. Che­guei a vo­mi­tar de ner­vo­so. Ho­je, sin­to o mes­mo... mas de uma for­ma mais ma­du­ra”

rar de ro­man­tis­mo, que os tra­du­zo em ac­ções, sur­pre­sas, por exem­plo, es­ca­pa din de fim-de-se­ma­na ...

Nos tra­ba­lhos que tem fei­to, mui­tas ve­zes aca­ba por ser o sex-sym­bol. Sen­te-se co­mo tal?

Sei que fiz per­so­na­gens que aca­ba­ram por me atri­buir es­sa co­no­ta­ção, mas eu não o sin­to, mas tam­bém não ve­jo na­da de ne­ga­ti­vo nis­so.

O que lhe di­zem as fãs mais atre­vi­das? É mui­to abor­da­do? Já ou­vi, por exem­plo, al­gu­mas ve­zes um “ca­sa­va-me ”. Acho que is­so é bom, é uma união pa­ra a vi­da (ri­sos). Con­tu­do, du­ran­te O Bei­jo do Es­cor­pião, foi um dos ído­los da co­mu­ni­da­de gay. Co­mo se sen­tiu?

Sin­ce­ra­men­te, sen­ti que o meu tra­ba­lho foi bas­tan­te va­lo­ri­za­do. Hou­ve mui­tas pes­so­as que ti­ve­ram uma his­tó­ria mui­to idên­ti­ca à do Mi­guel, de O Bei­jo do Es­cor­pião, e fi­ze­ram qu es­tão dep ar­ti­lhar is­so. Eé is­so que va­lo­ri­zo. A mensagem foi pas­sa da­da for­ma mais cor­rec­ta pos­sí­vel.

Diz mui­tas ve­zes que é tí­mi­do. Co­mo ven­ceu es­sa ti­mi­dez? Usei al­gu­mas ve­zes o ter­mo tí­mi­do, mas re ser­va do éa pa­la­vra mais cor­rec­ta. Sou mais ob­ser­va­dor do que fa­lan­te. Já lu­tei mais contra is­so do que o fa­ço agora. Ac­tu­al­men­te, até o con­si­go ver co­mo uma qua­li­da­de (ri­sos). Sei que, a ní­vel pes­so­al, quan­do são ul­tra­pas­sa­das al­gu­mas bar­rei­ras, es­se la­do fi­ca ime­di­a­ta­men­te pos­to de par­te.

CE­NAS ESCALDANTES

Co­mo es­tão a cor­rer as gra­va­ções de Jo­go Du­plo?

O Di­o­go é, de fac­to, uma per­so­na­gem fas­ci­nan­te. Pa­ra os seus tra­ços ge­rais, ti­ve que ir bus­car um rit­mo que não te­nho em mim na­tu­ral­men­te, um rit­mo mais “ace­le­ra­do”. O Di­o­go res­pon­de e age sem pen­sar, é re­ac­ti­vo, não me­de as con­sequên­ci­as das su­as ac­ções. Mas es­tá tu­do jus­ti­fi­ca­do pe­lo seu pas­sa­do, eis­so é om ais im­por­tan­te, poi­sa per­so­na­gem es­tá com­ple­ta­men­te sus­ten­ta­da. E eu, ape­sar de não con­cor­dar com a mai­o­ria das su­as ac­ções, con­si­go sem­pre en­con­trar ver­da­de pa­ra as mes­mas. Foi fá­cil trans­for­mar-se nes­te ra­paz? Re­cor­reu a al­gu­ma aju­da?

Foi en­gra­ça­do o meu pro­ces­so de cons­tru­ção des­ta per­so­na­gem, por­que o seu iní­cio sur­giu por me­ro aca­so. An­da­va eu à pro­cu­ra des­sa amar­gu­ra, de um sen­ti­men­to de re­vol­ta que ele tem, uma es­pé­cie de sín­dro­me do aban­do­no, de­vi­do a ter ti­do um pai au­sen­te, ter per­di­do a mãe e o seu ir­mão mais ve­lho e seu “guia” ter emi­gra­do, e, um dia, num

jan­tar, um ami­go meu, por mo­ti­vos com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes, te­ve exac­ta­men­te a re­ac­ção que eu pro­cu­ra­va pa­ra o Di­o­go. Olhei pa­ra ele e pen­sei :“É is­to, o Di­o­go de tra­ço mo­do és tu!” A par­tir da­li, foi só apli­car e mol­dar aque­las re­ac­ções pa­ra os acon­te­ci­men­tos do Di­o­go. Ain­da ho­je, es­se meu ami­go não sa­be que eu me ba­se­ei ne­le (ri­sos).

O iní­cio da no­ve­la foi mar­ca­do por ce­nas ou­sa­das. Fo­ram fá­ceis de fa­zer? Qual­quer ce­na ín­ti­ma te­ma sua com­ple­xi­da­de, por­que nun­ca dei­xa­mos de es­tar a tra­ba­lhar na nos­sa pe­le ena in­ti­mi­da de do ou­tro, ma­so im­por­tan­te éo que le­va aque­las per­so­na­gens a en­vol­ve­rem-se. Po­de ser amor, po­de ser in­te­res­se, po­de ser por so­li­dão, po­de ser por uma da­ta de ra­zões. O desafio, en­tão, aca­ba por ser o porquê, e a par­tir daí, o res­to sur­ge na­tu­ral­men­te.

As que fez nes­ta no­ve­la, com­pa­ra­das com as d’O Bei­jo do Es­cor­pião com o Pe­dro Car­va­lho, fo­ram me­nos po­lé­mi­cas...

O ob­jec­ti­vo da his­tó­ria do Mi­guel e do Pau­lo, em O Bei­jo do Es­cor­pião, foi des­mis­ti­fi­ca ru­ma his­tó­ria de amor igua­la tan­tas ou­tras, mas de pes­so­as do mes­mo sexo. O que me lem­bro é de uma on­da po­si­ti­va pa­ra com o nos­so tra­ba­lho, sin­to que foi um mar­co na­que­le mo­men­to, con­se­gui­mos que mui­tas pes­so­as se iden­ti­fi­cas­sem com a his­tó­ria e que ou­tras a com­pre­en­des­sem.

Quan­do Jo­go Du­plo se ini­ci­ou, dis­se que a sua na­mo­ra­da, Ri­ta Sar­di­nha, não ia ver as ce­nas... Dis­se-o em tom de brin­ca­dei­ra. A mi­nha na­mo­ra­da apoia-mein con­di­ci­o­nal men­te, é um acrí­ti­ca tam­bém do meu tra­ba­lho e, por is­so, vê sem­pre os meus tra­ba­lhos. É es­pec­ta­cu­lar ter al­guém em ca­sa que participa ac­ti­va­men­te no meu pro­ces­so de tra­ba­lho. In­clu­si­ve, pas­sa­mos mui­tas ve­zes o texto jun­tos. Em 12 anos de tra­ba­lho, ra­ra­men­te pa­rou. Sen­te que is­to é sor­te ou fru­to do seu tra­ba­lho?

Eu acre­di­to que se­ja fru­to do meu tra­ba­lho, acre­di­to ver­da­dei­ra­men­te no tra­ba­lho, es­sa de­ves era nos­sa ban­dei­ra. Mas tam­bé­mé sem­pre pre­ci­so um pin­go de sor­te; pa­ra fa­zer as es­co­lhas cer­tas e pa­ra es­tar dis­po­ní­vel e ser o ac­tor que pre­ci­sam pa­ra de­ter­mi­na­do pro­jec­to. É pre­ci­so sor­te nos ti­mings, por­que nem sem­pre há um ou­tro tra­ba­lhoin­te­res­san­te, quan­do ter­mi­na­mos um pro­jec­to. Con­tu­do, nun­ca lhe pro­pu­se­ram ex­clu­si­vi­da­de. O que fa­lhou?

Um con­tra­to de ex­clu­si­vi­da­de po­de ser mais con­for­tá­vel, mas en­ca­ro co­mo um es­tí­mu­lo cor­rer atrás de projectos com os quais me iden­ti­fi­co.

“Já ou­vi de fãs, al­gu­mas ve­zes (quan­do o vêm), ‘ca­sa­va-me’. Is­so é bom. É uma un ião pa­ra a vi­da”

Ví­tor Hugo, de 41 anos, fo­to­gra­fa­do em ex­clu­si­vo pa­ra a

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.